Resenha - Ohmwork - GZR

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6


Geezer Buttler, o eterno baixista do Black Sabbath volta com o terceiro registro de seu projeto-solo GZR depois de oito anos sem colocar nada de novo no mercado. A formação é praticamente a mesma do disco anterior, ou seja, Clark Brown na voz e Pedro Howse na guitarra, tendo como "novato" o baterista Chad Smith (Red Hot Chili Peppers).

Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90

Quem conhece os dois primeiros discos do GZR sabe o quanto causaram impacto pelo seu peso e sonoridade modernas, bem diferente do velho Sabbath. Neste "Ohmwork", a distorção e modernidade continuam, porém com uma grande incursão no experimentalismo, que em inúmeros momentos descambam para o lado alternativo da música pesada.

A gravação é excepcional pela sua nitidez cristalina e os músicos são estupendos, mas, quando se juntam as idéias, a coisa aqui realmente não engrena. Todas as músicas têm excelentes momentos em seus arranjos, porém, em algum ponto das mesmas existe algo que não se encaixa no contexto como um todo, atrapalhando aquilo que poderia ser uma boa audição. Isso em praticamente todo o CD, chegando a ser massante em várias faixas.

Há alguns trabalhos de guitarras que lembram o Black Sabbath dos anos 80, tudo bastante atualizado e aliado à uma atmosfera obscura. O mais inesperado são as influências do famigerado new metal norte-americano, que aparecem em várias faixas. Se alguém acha que estou exagerando criticando este "Omhwork", escute a canção "Prisioner", com suas linhas vocais "rappers" (juro que é verdade!!!). O disco simplesmente não possui coerência, muda de andamento de modo estranho a todo instante e se torna irritante pela sua inconstância.

Como já foi dito acima, este CD possui ótimas passagens, assim como há outras tantas bem estranhas. Se estiver interessado em adquirir este registro, escute antes de comprar, pois com certeza Geezer e Cia. conseguirão dividir opiniões com este trabalho um tanto bizarro e com composições de gosto duvidoso.

GZR - Ohmwork
(2005 - Century Media Records)

01. Misfit
02. Pardon My Depression
03. Prisoner 103
04. I Believe
05. Aural Sects
06. Pseudocide
07. Pull the String
08. Alone
09. Dogs of Whore
10. Don't You Know

Homepage: www.gzrmusic.com


Outras resenhas de Ohmwork - GZR

Resenha - Ohmwork - GZR




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "GZR"


Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyZakk Wylde e Dave Grohl
A treta por causa de canções para Ozzy

Rolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Rolling Stone
Os 100 melhores álbuns dos anos 90

Novas caras do metal: 40 bandas que você precisa conhecerNovas caras do metal
40 bandas que você precisa conhecer

The Simpsons: 10 melhores aparições de roqueiros no desenhoThe Simpsons
10 melhores aparições de roqueiros no desenho

Históricas: Fotos de encontros inusitados entre rockstarsHistóricas
Fotos de encontros inusitados entre rockstars

Stryper: canção do Black Sabbath é mais cristã que nossas cançõesStryper
Canção do Black Sabbath é mais cristã que nossas canções

GayC/DC: Um tributo gay ao AC/DCGayC/DC
Um tributo gay ao AC/DC


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClioIL