Resenha - Tudo Em Nome Do Rock & Roll - Tomada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar Correções  

10


Poucas situações na minha vida me deixaram tão constrangido quanto uma que rolou há algum tempo, quando estava eu conferindo um show do MADE IN BRAZIL, e junto comigo na platéia constavam cinco dezenas de pessoas - se é que tinha tudo isto!

publicidade

Sem querer entrar em detalhes sobre gosto pessoal ou até avaliações baseadas em "critérios técnicos", penso que ao menos RESPEITO eles mereciam, já que dinheiro mesmo que é bom sabemos que a troupe de Osvaldo & Cia não têm de sobra, apenas sobrevivem aos trancos e barrancos, ao contrário de certas bandas de metal da Finlândia que recebem três milhões de adiantamento e depois ficam enchendo a cara e protagonizando baixarias virtuais...

publicidade

Bem, e o que isto tudo têm a ver com o TOMADA? Seguinte, quando fiz a resenha da demo da então promissora banda paulistana, comentei o fato de recear que eles passassem para a posteridade como mais um daqueles grupos que ficaram apenas na memória de quem teve sorte de assistí-los ao vivo (embora saiba que, na prática, eles correm o risco de contar com um público bastante reduzido, mas que ao menos é fiel e apaixonado, tal qual o do Made, de quem o TOMADA se trata de um legítimo herdeiro, ao menos estilisticamente).

publicidade

Felizmente não é este o caso, pois após uma certa demora, finalmente eles lançaram este CD de estréia, "Tudo Em Nome Do Rock & Roll", resgatando o velho e bom Rock'N'Roll, com faixas recheadas do suíngue e boogie típico dos anos setenta, e uma leve pitada de Soul Music, ainda mais que até os timbres dos instrumentos remetem àquela época (sem contar o wah-wah), além da parte gráfica belíssima, que imita o formato dos encartes de LP.

publicidade

Impossível destacar alguma canção em especial, mas não se pode deixar de mencionar a visceral "Blues Lento In C", que retoma, como o próprio nome diz, aquele Blues Rock pesadão dos seventies, além da homenagem ao "Humble Pie", com uma mãozinha de alguns amigos que literalmente "berram" o nome da banda de Steve Marriott!

Nota? Têm que dar nota? Bah... considerando-se o esmero e paixão com o qual foi feito (têm que ser apaixonado para se fazer Rock'N'Roll no Brasil, já que dinheiro e fama com certeza ele não traz), e desconsiderando possíveis detalhes técnicos (não que exista algum que desabone o álbum), para quem gosta do gênero, é dez com louvor! E aproveitando que no verso da contracapa diz "Este disco foi feito para ser ouvido alto" eu emendo: "então aumenta que isto é Rock'N'Roll!!!"

publicidade

Faixas:
Notícias De Ontem
Só Era Pra Ter Você
Na Estrada
Soul Mais
Blues Lento Em C
Tudo Em Nome Do Rock & Roll
Doses Depois
Humble Pie
D'Nada
Shine
Não Ligo

Duração: 42:00

Formação:
Marcelo Bueno (contrabaixo, violão, guitarra)
Ricardo Alpendre (vocal)
Rodrigo Casais (guitarra, violão)
Keko Freire (bateria, percussão)

Website oficial: www.czpublicidade.com/tomada.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Raul Seixas: Por trás da letra de Carimbador MalucoRaul Seixas
Por trás da letra de "Carimbador Maluco"

Momentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outrosMomentos bizarros
Histórias de Ozzy, Stones, Who e outros


Sobre Marcos A. M. Cruz

Fanático por rock setentista.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin