Resenha - Tudo Em Nome Do Rock & Roll - Tomada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Poucas situações na minha vida me deixaram tão constrangido quanto uma que rolou há algum tempo, quando estava eu conferindo um show do MADE IN BRAZIL, e junto comigo na platéia constavam cinco dezenas de pessoas - se é que tinha tudo isto!

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloReb Beach: "Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bosta"

Sem querer entrar em detalhes sobre gosto pessoal ou até avaliações baseadas em "critérios técnicos", penso que ao menos RESPEITO eles mereciam, já que dinheiro mesmo que é bom sabemos que a troupe de Osvaldo & Cia não têm de sobra, apenas sobrevivem aos trancos e barrancos, ao contrário de certas bandas de metal da Finlândia que recebem três milhões de adiantamento e depois ficam enchendo a cara e protagonizando baixarias virtuais...

Bem, e o que isto tudo têm a ver com o TOMADA? Seguinte, quando fiz a resenha da demo da então promissora banda paulistana, comentei o fato de recear que eles passassem para a posteridade como mais um daqueles grupos que ficaram apenas na memória de quem teve sorte de assistí-los ao vivo (embora saiba que, na prática, eles correm o risco de contar com um público bastante reduzido, mas que ao menos é fiel e apaixonado, tal qual o do Made, de quem o TOMADA se trata de um legítimo herdeiro, ao menos estilisticamente).

Felizmente não é este o caso, pois após uma certa demora, finalmente eles lançaram este CD de estréia, "Tudo Em Nome Do Rock & Roll", resgatando o velho e bom Rock'N'Roll, com faixas recheadas do suíngue e boogie típico dos anos setenta, e uma leve pitada de Soul Music, ainda mais que até os timbres dos instrumentos remetem àquela época (sem contar o wah-wah), além da parte gráfica belíssima, que imita o formato dos encartes de LP.

Impossível destacar alguma canção em especial, mas não se pode deixar de mencionar a visceral "Blues Lento In C", que retoma, como o próprio nome diz, aquele Blues Rock pesadão dos seventies, além da homenagem ao "Humble Pie", com uma mãozinha de alguns amigos que literalmente "berram" o nome da banda de Steve Marriott!

Nota? Têm que dar nota? Bah... considerando-se o esmero e paixão com o qual foi feito (têm que ser apaixonado para se fazer Rock'N'Roll no Brasil, já que dinheiro e fama com certeza ele não traz), e desconsiderando possíveis detalhes técnicos (não que exista algum que desabone o álbum), para quem gosta do gênero, é dez com louvor! E aproveitando que no verso da contracapa diz "Este disco foi feito para ser ouvido alto" eu emendo: "então aumenta que isto é Rock'N'Roll!!!"

Faixas:
Notícias De Ontem
Só Era Pra Ter Você
Na Estrada
Soul Mais
Blues Lento Em C
Tudo Em Nome Do Rock & Roll
Doses Depois
Humble Pie
D'Nada
Shine
Não Ligo

Duração: 42:00

Formação:
Marcelo Bueno (contrabaixo, violão, guitarra)
Ricardo Alpendre (vocal)
Rodrigo Casais (guitarra, violão)
Keko Freire (bateria, percussão)

Website oficial: www.czpublicidade.com/tomada.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Tomada"


Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Reb Beach: Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bostaReb Beach
"Não me importo de dizer que Kirk Hammet é um bosta"


Sobre Marcos A. M. Cruz

Editor do Whiplash.Net.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336