Resenha - Zuma - Neil Young & Crazy Horse

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo de Andrade
Enviar correções  |  Ver Acessos


O ano de 1975 foi decisivo na carreira de Neil Young. Afinal, o artista saia de um período barra pesada, marcado pelo distanciamento do público, desentendimentos com a imprensa, morte de amigos por overdose (o guitarrista Danny Whitten e o roadie Bruce Berry) e um grande abuso de álcool e drogas. Assim, o lançamento de dois discos incríveis seguidos foi a mola que impulsionou o compositor para mais uma fase memorável na sua trajetória.

Guns N' Roses: Slash parabeniza Neil Young (com certo atraso) pelo InstagramLegião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Em junho, Tonight's The Night foi editado. O álbum havia ficado pronto dois anos antes, mas a gravadora se recusou a lançá-lo. Afinal, fora composto e gravado no momento mais crítico da vida de Young, e o LP é um retrato pesaroso dessa fase. É um trabalho pesado, tanto na sonoridade quanto nas letras. Mas justamente por isso, é um disco forte! A Reprise (subsidiária da Warner) temia que o público se assustasse com a metamorfose do artista que, em 1972, havia apresentado Harvest ao mundo (acústico, sereno, bucólico), e no ano seguinte surgia com um trabalho tão contrastante (elétrico, nervoso, denso). Dessa forma, engavetou um dos discos mais pungentes da história da música. Porém, seu (re)surgimento não poderia ter sido em melhor hora. Uma obra clássica como essa não poderia passar despercebida, e com ela Neil conseguiu chamar as atenções para si outra vez.

Em novembro de 1975, apenas 5 meses depois de Tonight's The Night, foi a vez de Zuma chegar às lojas. Com esse álbum sóbrio, o compositor fez as pazes com o público e a crítica. Passeando pelo folk, hard e country rock, o disco alterna momentos acústicos e elétricos de maneira coerente e precisa, cheio da fúria contida característica de Neil. Quem o acompanha nesse trabalho é a Crazy Horse, sua fiel escudeira quando a intenção é fazer barulho. Desde a primeira vez em que tocaram juntos (gravando em 1969 o inacreditável Everybody Knows This Is Nowhere), a banda mudou de formação apenas uma vez (e só porque Danny Whitten morreu). E é em Zuma que Frank Sampedro estréia na guitarra base. Detalhe que já torna esse álbum marcante na carreira do artista.

Normalmente, esse trabalho é lembrado pelo seu ótimo desempenho comercial. Mas se engana quem vê ele como um disco fácil, produzido para cair no gosto popular. Essa análise superficial não leva em conta que logo após o catártico Tonight's The Night, onde o artista exorcizou seus demônios, o caminho natural era seguir uma trilha mais serena. Ainda, dizer que as músicas são sobre amor, sugerindo letras açucaradas, é outro devaneio. A temática predominante é sobre um relacionamento que se esfacelou. A carreira de Neil tem como característica o fato de ser autobiográfica e desligada de interesses comerciais, pois trata-se de um artista que já conquistou um público fiel. Geralmente, as resenhas existentes sobre esse disco pecam por dar-lhe um aspecto pop, no sentido negativo (mercadológico). Zuma tornou-se um clássico por ter conteúdo, e não por ser acessível.

Inicialmente, era para ser um disco conceitual, sobre viagem no tempo e civilizações antigas, como os Incas e os Astecas. Tanto que, com o intuito de criar uma atmosfera em torno das músicas, as sessões de gravação ocorreram sempre durante o nascer do sol, quando a banda estava acordando ou, muitas vezes, indo para a cama. Porém, o temperamento volúvel e a criatividade de Young sempre o fizeram abandonar ou modificar seus projetos. Suas idéias surgem mais rápido do que ele é capaz de executar, e com Zuma não foi diferente. Canções fundamentais para o conceito bolado pelo artista acabaram não entrando no álbum. Algumas delas, como Pocahontas, Ride My Llama e Powderfinger, só foram aparecer em Rust Never Sleeps, quatro anos depois. Até mesmo o título do disco mudou pelo menos quatro vezes: In My Llama, In My Old Neighbourhood e My Old Car foram hipóteses levantadas. Até que, por fim, optou-se por Zuma, nome de uma praia onde o artista tem uma casa. Posteriormente, surgiram boatos que o disco havia sido gravado na garagem dessa residência, mas a informação não é confirmada.

Apesar de tantas mudanças de percurso, o resultado final é maravilhoso. O álbum inicia com um belo rock: Don't Cry No Tears. Um biógrafo citou essa como tendo sido a primeira canção que Neil compôs, ainda na adolescência. Realmente, existe uma gravação caseira, executada apenas no violão e datada de 1965, de uma música chamada Don't Pity Me Babe cuja melodia e parte da letra são semelhantes. Ainda, existem registro de que os Squires (uma das primeiras bandas de que Young fez parte) tocavam essa canção. Por isso, não restam dúvidas de que a composição remete aos primórdios da carreira do canadense, ainda que se trate de uma versão um tanto quanto diferente dessa que abre Zuma.

A segunda pérola do disco é Danger Bird. Essa surgiu a partir de uma série de solos esquisitos executados por Neil e seu novo companheiro, Frank Sampedro. Uma bela canção, longa e de andamento lento, foi tomando forma nessas experimentações. Por fim, o resultado impressionou até mesmo Lou Reed que, apesar de não simpatizar com Young, chegou a declarar que Danger Bird possui o melhor trabalho de guitarra-solo que ele já ouvira, além de elogiar também a letra(!).

Na seqüência, para manter o nível do álbum vem uma balada folk fenomenal: Pardon My Heart. Já foi dito que ela havia sido composta em 1972, para fazer parte de Harvest, mas é outra informação de fonte incerta. Porém, ela não destoaria das outras faixas daquele álbum.

Uma vez que os ânimos se acalmam após essa canção, o disco segue com outra música lenta. Lookin' for a Love é um country-rock romântico, musicalmente bem simples. A letra, ao contrário das outras, olha para o futuro de forma esperançosa. As demais canções de Zuma, como já foi dito, são reflexões sobre um relacionamento que chega ao fim. Um bom exemplo é Barstool Blues. Toda na primeira pessoa (como se o cantor estivesse falando diretamente ao ouvinte), nota-se claramente que a intenção é fazer o autor se passar por um bêbado, chorando suas mágoas num boteco. Empregando mais ritmo ao álbum, a música embala numa performance etílica da Crazy Horse e, como Matthew Greenwald já comentou, é uma das canções tristes mais "engraçadas" de Neil.

Sobre esta última música, existe uma história que dá algumas pistas de como foi sua composição. Frank Sampedro declarou, em uma entrevista, que certa noite ele e Young saíram para encher a cara. Após percorrerem todos os botecos de Malibu, os dois se separaram. No dia seguinte, Neil ligou para Frank perguntando o que havia acontecido, pois ele acordara na cama, sobre papéis com três músicas novas e, por ter bebido demais, não lembrava de tê-las composto, apesar da caligrafia nas folhas ser a sua. "Duas dessas canções estão em Zuma", garantiu Sampedro. Uma delas é, certamente, Barstool Blues.

A próxima faixa (a primeira do lado B) é Stupid Girl. Em poucas palavras, é um esporro numa mina. O início já diz tudo: "Você é apenas uma garota estúpida / Você realmente tem muito o que aprender". Existem rumores de que ela seria sobre Joni Mitchell, mas é mais uma daquelas histórias que ficam no ar, sem se saber a verdade. Ainda, os Rolling Stones gravaram uma música com esse mesmo nome no álbum Aftermath (1966). Em Tonight's The Night, Young fez referência a outra canção desse mesmo disco (Borrowed Tune tem a melodia emprestada de Lady Jane, dos ingleses). Na época, alguns curiosos tentaram estabelecer relações entre esses fatos. Porém, até que se prove o contrário, tudo não passa de mera coincidência.

A faixa seguinte, Drive Back, é um rockão calcado no poderosos (e pesado) riff da guitarra de Neil. A letra é mais uma visão alcoólatra de um relacionamento em desintegração. E a Crazy Horse, como sempre, cumpre com maestria o papel de acompanhar o canadense em suas inspiradas performances. Mas essa música é apenas um aperitivo. O prato principal vem em seguida.
O ponto alto do disco é, sem dúvida, Cortez The Killer. A música é um dos maiores clássicos de Young, sendo sua execução quase obrigatória nos shows. Com seus 7 minutos, essa pungente canção é a versão Neil sobre a conquista do México e o fim do império Asteca. Os fãs antigos se deleitaram ao constatar que a composição remetia aos longos solos do início da carreira do canadense (como Cowgirl In The Sand e Down By The River). Declaradamente anti-colonialista, no encarte da coletânea Decade o guitarrista fez questão de frisar: "banida na Espanha".

Depois de uma peça como essa, fica difícil encerrar o álbum. Então, muita acertadamente, Neil incluiu uma canção do super-grupo Crosby, Stills, Nash & Young. Through My Sails é um outtake originário das sessões que a banda acabou abortando em 1974. Essa introspectiva balada folk (com uma das melhores performances vocais do conjunto) encerra Zuma com chave de ouro. Se não tivesse vindo à tona, seria um verdadeiro tesouro perdido (até hoje).

Dessa forma, depois de terminada a audição do disco fica uma questão: será que não se trata realmente de um álbum conceitual? A obra retrata uma viagem no tempo, porém, mostrando a carreira do seu criador. Estão lá, a primeira composição de Neil, seus grupos mais marcantes, performances nos mais variados estilos já executados pelo compositor, seus amores passados, suas bebedeiras monumentais, sua personalidade inconstante, e até a sua guitarra Les Paul (usada para gravar o lendário Everybody Knows This Is Nowhere) voltou a ser usada na gravação dessa obra.

Com Zuma entende-se porque Neil Young é uma lenda na história do rock. Destroçador de guitarras ou poeta eloqüente, ele é um artista completo! Sua discografia está aí, basta ouvir para tirar alguma dúvida. Não é à toa que certa revista especializada comentou, ao eleger a melhor apresentação do Rock in Rio III: "o show de Neil Young não conta, porque ele é Deus!".

Faixas:
1) Don't Cry No Tears - 2:34
2) Danger Bird - 6:54
3) Pardon My Heart - 3:49
4) Lookin' for a Love - 3:17
5) Barstool Blues - 3:02
6) Stupid Girl - 3:13
7) Drive Back - 3:32
8) Cortez the Killer - 7:29
9) Through My Sails - 2:41

Músicos:
Neil Young - guitarra, violão, harmônica, vocais, demais instrumentos em Pardon My Heart
Frank Sampedro - guitarra base (membro da Crazy Horse)
Billy Talbot - baixo e vocais (membro da Crazy Horse)
Ralph Molina - bateria e vocais (membro da Crazy Horse)
Tim Drummond - baixo em Pardon My Heart e bateria (provavelmente na mesma faixa)
Stephen Stills - baixo e vocais em Through My Sails (membro do C.S.N.Y.)
David Crosby - violão e vocais em Through My Sails (membro do C.S.N.Y.)
Graham Nash - vocais em Through My Sails (membro do C.S.N.Y.)
Russ Kunkel - congas em Through My Sails

Produção:
Tim Mulligan e Neil Young - faixas 3, 4 e 9
David Briggs e Neil Young - as demais faixas

Arte da capa e encarte: Mazzeo
Masterização: George Horn
Direção: Elliot Roberts

Lançamentos:
1975 LP Reprise 2242
1989 CS Reprise M5-2242
1989 CD Reprise 2-2242
1990 CS Warner Brothers 2242

Fontes:
Biografia de Neil Young, por Fabricio Boppre e Saulo Gomes (site Whiplash)
Encarte da coletânea tripla Decade, escrito pelo próprio Neil (Warner / Reprise)
Resenha de Tonight's the Night, por Guilherme Rodrigues (site Whiplash)
Resenha de Zuma, por William Ruhlmann (site All Music Guide)
Resenha das canções de Zuma, por Matthew Greenwald (site All Music Guide)
ROGAN, Johnny. Neil Young. Assírio e Alvin: Lisboa, 1983.
VITORIA, Juan. Los 100 Mejores Discos Del Rock. Valência: Mascara, 1993.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Neil Young"


Guns N' Roses: Slash parabeniza Neil Young (com certo atraso) pelo InstagramGuns N' Roses
Slash parabeniza Neil Young (com certo atraso) pelo Instagram

Neil Young: por causa da maconha, ele está com dificuldade de obter cidadania nos EUANeil Young
Por causa da maconha, ele está com dificuldade de obter cidadania nos EUA

Neil Young: um álbum para boas tretas políticasPop Reverso: crítica do novo álbum do Neil Young (vídeo)Alta Fidelidade: Neil Young na série grandes álbuns lançados em 1969

Lynyrd Skynyrd: versões inusitadas da clássica Sweet Home AlabamaLynyrd Skynyrd
Versões inusitadas da clássica "Sweet Home Alabama"

Donald Trump: a história do presidente dos EUA com o rockDonald Trump
A história do presidente dos EUA com o rock


Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saídaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Iron Maiden: Bruce Dickinson revela sua canção de merdaIron Maiden
Bruce Dickinson revela sua "canção de merda"


Sobre Rodrigo de Andrade

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClioIL