Resenha - Individual Thought Patterns - Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nelson Endebo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Death foi uma das mais importantes bandas da história do Metal. Antes deles, todas as bandas extremas seguiam poucas variações de uma mesma fórmula: andamentos ou muito arrastados ou muito velozes, solos dissonantes, temática satânica demasiadamente infantil. O Death, é verdade, começou fazendo um som bem tosco, na linha do Kreator fase “Pleasure to Kill” e o Possessed, do seminal “Seven Churches”, mas ainda assim tinha um grande diferencial, que era o apreço do vocalista e guitarrista Chuck Schuldiner pelas melodias do heavy metal tradicional. Embora suas canções todas tivessem vocais urrados, Chuck criava muitas melodias para guitarra e as aplicava sobre as bases pesadas. A idéia de tocar algo mais técnico precisou de dois álbuns para amadurecer. Os álbuns “Scream Bloody Gore” (1987) e “Leprosy” (1988) são cheios de boas idéias, mas mostram falta de maturidade nas letras e a gravação também não ajuda muito. A partir do álbum “Spiritual Healing” (1989), que marcou a entrada do excelente James Murphy na segunda guitarra, o Death mudou o rumo de sua carreira. Nesse álbum é possível perceber ótimas idéias melódicas sem abrir mão da brutalidade natural da banda, e um amadurecimento gigantesco em relação às letras.
3709 acessosHeavy Metal: dez grandes acústicas de bandas do gênero5000 acessosFotos de Infância: Bruce Dickinson, do Iron Maiden

Em 1991 o Death recruta o baixista Steve DiGiorgio do Sadus, que adiciona uma complexidade muito maior às estruturas que Chuck costumava compor. O álbum “Human” foi um imenso sucesso no underground mundial e deu à banda a oportunidade de gravar seu primeiro videoclipe. Mas a consagração definitiva só viria a acontecer dois anos depois.

Em 1993, Chuck chamou o batera do companheiro geracional Dark Angel, o incrível Gene Hoglan e o excelente guitarrista (e produtor hoje em dia) Andy LaRocque para completar a formação junto a ele e DiGiorgio. O resultado é o álbum clássico da banda, “Individual Thought Patterns”. Neste álbum a banda atingiu a alquimia perfeita entre peso e técnica. As estruturas das músicas eram as mais complexas até então, e Gene deu às músicas muito mais dinâmica. Particularmente sou muito fã de todos os álbuns da banda, mas foi “Individual Thought Patterns” que transformou o Death numa banda realmente incrível. “Individual Thought Patterns” convoca o ouvinte a uma viagem pela sordidez e a hipocrisia do homem, tudo embalado em músicas definitivas do estilo, como “Trapped in a Corner” e “The Philosopher”. Chuck havia se transformado em um excelente compositor, e nenhuma delas seria possível se a banda que o acompanhasse não fosse igualmente fentástica. Interessante notar que esse álbum foi um dos primeiros a fundir melodias com brutalidade, pois até então poucas bandas haviam feito isso.

Faixa a faixa:

Overactive Imagination - Andamento marcial com muito bumbo duplo, impossível manter-se parado, impossível não balançar freneticamente a cabeça! Riffs com quebra na "ponte", grande solo de LaRocque, enfim, uma grande faixa de abertura para um grande álbum.

In Human Form – Tem as famosas “paradinhas” de bateria, riffs estilo Bay Area. A letra é uma critica a sordidez humana, com a frase "os monstros com forma humana estão fora de controle". Impressionante imaginar Chuck tocando as bases ultra-complexas e cantando ao mesmo tempo. Gene dá uma aula de como se tocar bateria aqui. Grande faixa!

Jealousy - Introdução com quebra de ritmo, riffs arrastados, andamento variando durante a música inteira. Solos insanos de Chuck e Andy, antes de cair na levada quebrada da introdução. Uma música subestimada na carreira da banda. Uma da melhores.

Trapped In A Corner - A melhor faixa do álbum e uma das melhores da história da banda. Os riffs iniciais com os harmônicos de baixo são clássicos, assim como o dedilhado que serve de base para Chuck começar rasgando "I want to watch you drown in your lies...". A levada cadenciada com palhetadas bem thrash metal é destaque também. Impossível não ressaltar os riffs velozes que precedem o refrão. Chuck mostra muito talento melódico no solo desta música, simplesmente emocionante!

Nothing Is Everything - destaque absoluto para a técnica absurda do mestre Gene Hoglan, com suas quebras de ritmo e rajadas de bumbo constantes durante a música. Essa música tem vários tempos diferentes e tem fraseados com influência asiática (cortesia do gosto refinado da dupla de guitarristas). O solo é muito bom, com arpejos bem colocados, e são bem melódicos. Na letra Chuck filosofa: "Variações imprevisíveis de comportamento guardam a chave para as portas da mente, onde tudo é nada e nada é tudo". Soberba!

Mentally Blind - Ritmo cadenciado e palhetadas totalmente thrash marcam o início da faixa. Em seguida é tocada uma melodia de guitarra acompanhando a melodia vocal, onde pode se perceber novamente no refrão com a guitarra arpejada. Isso é simplesmente a maior prova da influência enorme que Chuck Schuldiner causou sobre todos os guitarristas da nova onda do “Melodic Death Metal”. No meio da música ocorrem várias paradinhas de bateria e o mago do baixo Steve DiGiorgio puxando as cordas.

Individual Thought Patterns - A faixa-título do álbum é uma das melhores. Grande letra, Chuck sugere aqui a criação de "padrões individuais de pensamento", e é interessante lembrar que um grande diferencial do Death em relação às outras bandas de death metal é a temática abordada em suas letras. Riffs insanos marcam toda a faixa.

Destiny - O começo acústico com belíssimos violões e arranjos tenta enganar o ouvinte antes da pancadaria começar. Mais uma das grandes músicas da banda, Destiny é a faixa com maior variedade de andamentos e climas de todo o álbum, e a banda a partir deste álbum iria tomar esse rumo. Novamente aparecem aqui as melodias de guitarra servindo de base ao invés de acordes simples.

Out of Touch - a seqüência inicial de acordes é de um lirismo absurdo, para, em seguida cair em riffs totalmente Slayer. Essa faixa é a que possui mais melodias vocais neste álbum. Riffs marciais e melodias dobradas de guitarra marcam a estrutura da música. Steve dá um show com seus riffs de baixo. A letra é pura rebeldia, explodindo na indagação "Who are you to question my sincerity?".

The Philosopher - a outra grande canção do álbum. Hino absoluto da banda, serviu de abertura para todos os shows que a banda faria até ao fim de suas atividades. A belíssima progressão harmônica do início para depois cair em um levada totalmente quebrada empolga até defunto. Aqui Steve tem suas melhor performance, duelando com a guitarra de Chuck no final da música. A letra desta música pode ser aplicada para muitos espertalhões que acham que sabem tudo e podem vilipendiar os outros, com Chuck urrando no refrão: "o filósofo, sabe demais sobre absolutamente nada". “The Philosopher” gerou o segundo videoclipe da banda, com boa rotação na MTV americana e na brasileira também (no finado Fúria MTV).

Enfim, um dos melhores álbuns da história do Metal, e ideal para quem gosta de músicas complexas, mudanças de andamento constantes e grandes solos de guitarra. Pode causar estranhamento à primeira audição, por ser completamente inacessível, mas conforme as mesmas se tornam mais constantes ele te cativa por inteiro. Se isso não fosse o bastante para tornar “Individual Thought Patterns” obrigatório, ainda temos o fato de ele representar toda a genialidade e habilidade de Chuck Schuldiner, que nos deixou em 2001, vítima de um tumor no cérebro, e foi, sem sombra de dúvida, um músico de vanguarda, sempre.
“Individual Thought Patterns” foi lançado no Brasil em CD pela Century Media, assim como todos os que o precederam. Os álbuns seguintes, “Symbolic” de 95 e “The Sound of Perseverance” de 98 também são fantásticos, mas as idéias todas estão em “Individual Thought Patterns”. Um clássico inesquecível, sem dúvida!

Formação:
Chuck Schuldiner – guitarra, vocais
Andy LaRocque – guitarra
Steve DiGiorgio – baixo
Gene Hoglan - bateria

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Individual Thought Patterns - Death

1771 acessosDeath: Os 22 anos de "Individual Thought Patterns"3527 acessosDeath: A Evolução da Obra de Chuck Schuldiner5000 acessosTradução - Individual Thought Patterns - Death

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Heavy MetalHeavy Metal
Dez grandes acústicas de bandas do gênero

2049 acessosLoudwire: as 10 melhores bandas americanas de Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Death"

Death MetalDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL

Judas PriestJudas Priest
"Painkiller" e seus diversos covers

MetalMetal
Você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 1

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Death"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Bruce Dickinson, do Iron Maiden, antes da fama

Time MagazineTime Magazine
Os 100 maiores álbuns de todos os tempos

EvanescenceEvanescence
Estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filho

5000 acessosBandas Novas: 10 coisas que vocês jamais devem dizer no palco5000 acessosIron Maiden: Bruce Dickinson e sua preferência pelo Brasil5000 acessosLemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosX-Factor Brasil 2016: cantora arrebenta com "Highway To Hell" do AC/DC!5000 acessosTankard: "Crystal é uma cerveja tão ruim quanto a Heineken"

Sobre Nelson Endebo

Estudante de Comunicação Social na Puc-Rio, cheirou dúzias de carreiras de Música e hoje é completamente debilitado por causa disso. Tem um corte no córtex por causa do Mr. Bungle, mas acredita que isso seja legal. Doutrinado no bom e velho Metal (ainda chora ouvindo o grande Venom), aprendeu a ouvir Jazz e Samba na marra. É responsável pela coluna Nós do Noise e colabora com o site Bacana e a revista Valhalla. Sua máxima é: "quanto mais você sabe, mais você sabe que pouco sabe". Traduzindo, gosta de aprender e de ensinar. Espera poder somar algo à família Whiplash a partir de 3, 2, 1 segundo!

Mais matérias de Nelson Endebo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online