Resenha - Mutantes - Mutantes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Márcio Ribeiro e Raul Branco
Enviar Correções  


O álbum "Mutantes" foi lançado no ano de 1969 e é, cronologicamente, o segundo Lp da banda e o primeiro em que cortaram o artigo do próprio nome. Antes dele, após o contrato com a gravadora Phillips, os Mutantes haviam acompanhado, em 1967, o disco "Gilberto Gil", do artista tropicalista - cuja capa é claramente influenciado no "Sgt. Pepper’s.Lonely Hearts Club Band" dos Beatles - e, no ano seguinte, conseguiram lançar seu disco de estréia, chamado simplesmente "Os Mutantes". Agora, final de 1968, um ano particularmente tumultuado politicamente sobre a opressão do governo militar, a música brasileira nunca esteve, em contrapartida, tão rica, tão participante, tão em sincronia com seu tempo e seu povo. Jovens e inconseqüentes, Rita, Arnaldo e Sérgio se divertiam contestando a norma, com uma fome para explorar, musicalmente, formas diferentes de se expressar. Em uma indústria ainda ancorada em muzak, com arranjos para titia nenhuma botar defeito, o rock tupiniquim não conseguia ver além do Iê-iê-iê que lhe deu vida e inspiração inicial.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Isto acaba aqui, neste disco. O álbum "Mutantes", gravado em apenas uma semana e meia no final de 1968, está a anos luz de qualquer outro disco lançado no Brasil até então. Seu trabalho continua influenciado, mais do que nunca, pelos Beatles, mas não naquele grupo que cantava "She Loves You", e sim nos Beatles experimentais, que ousavam quebrar barreiras e, através do que havia de mais novo na tecnologia, criar novas formas de deturpar o som "normal", criando uma assinatura própria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum começa com um excelente arranjo do maestro Rogério Duprat para uma pequena passagem inspirada na ópera "Aida", de Verdi, que serve de introdução para a primeira faixa, "Dom Quixote", que é tida como a primeira composição da dupla Rita/Arnaldo. Todavia, embora não creditada, há nela uma forte participação de César Baptista, pai de Arnaldo e Sérgio. Parte da letra teve infelizmente que ser retirada por não passar no crivo da Censura Federal. Com o humor que sempre caracterizou os trabalhos da banda, os Mutantes deslocam o famoso personagem de Cervantes para o Brasil de 68, concluindo que ele, inevitavelmente, terminaria no programa do Chacrinha. Entre buzinadas e gritos de "Terezinha...! Uh! Uh!", ouvimos uma citação de "Disparada" (Geraldo Vandré/Theo de Barros), encerrando a zona com gostosas e debochadas gargalhadas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A música seguinte, "Não Vá Se Perder Por Aí" (Raphael Thadeu Vilardi da Silva/Roberto Lafayete Loyola), começa duas vezes, como se tivessem errado, com Rita vocalizando como uma personagem de desenho animado. Apesar de ser uma canção country, com rabeca e tudo mais, sua guitarra é distorcida, num registro muito utilizado por Sérgio nesse período. E em se falando em Beatles, o violão e a bateria são totalmente espelhados nos estilos de John Lennon e Ringo Starr. A letra, aparentemente confusa e engraçada, permite uma crítica aos jovens "normais". Destaque também para o solo de violino, que contrasta maravilhosamente com a guitarra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Dia 36" (Johnny Dandurand/Mutantes), Serginho toca uma guitarra com pedal wah-wah (batizada, na gozação, de pedal wooh-wooh) especialmente desenvolvido pelo irmão mais velho, Claudio Baptista, o mago eletrônico dos Mutantes, que envenenara todas as guitarras de seu irmão caçula e construíra seus amplificadores. O efeito oferece uma guitarra arrastada em tons graves, que somado à voz distante, porém densa, de Arnaldo cantando versos aparentemente desconexos e psicodélicos, pode trazer arrepios para pessoas impressionáveis. A voz foi gravada através de uma caixa Leslie embutida no órgão, mesmo truque utilizado pelos Beatles em "Tomorrow Never Knows". A rotação da fita foi gravada fora da velocidade padrão, dando o clima grave e soturno que torna esta faixa um dos laboratórios musicais mais interessantes feitos no rock nacional.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Dois Mil e Um" (Rita Lee/Tom Zé), nasce de um poema de outro monstro sagrado do Tropicalismo, Tom Zé, chamado "Astronautas da Liberdade". Depois dessa letra passar pelas mãos de Gil e Caetano, nenhum dos dois conseguindo criar uma música que agradasse ao poeta, foi entregue secretamente para Rita Lee. Foi dela a idéia de pegar esse poema que fala da liberdade em uma viagem pelas galáxias e aplicar uma viola e sotaque caipira, contrastando com um refrão bem roqueiro com instrumentos elétricos. Ela também tomou a liberdade de rebatizá-la de "Dois Mil e Um", em homenagem ao filme recém lançado "2001 - Uma Odisséia no Espaço", de Stanley Kubrick. Para esta faixa, contrataram para gravar a primeira parte a dupla caipira Rancho & Mariazinha, respectivamente na viola e sanfona. A canção ainda iria estrear o uso de um instrumento praticamente desconhecido no Brasil, o theremin. Basicamente ele é uma caixa com dois osciladores de alta freqüência, cujas antenas reagem à aproximação da mão humana criando, de acordo com seu posicionamento, sons agudos ou graves e de volume variado. Os Mutantes levariam com sucesso esta música para disputar o IV Festival da Canção, da TV Record; como é de imaginar, o theremin oferecendo grande apelo cênico e deixando o público boquiaberto com a "mágica". O instrumento já fora usado antes no rock pelos Beach Boys em "Good Vibrations", de 1967, porém a maioria dos roqueiros só passaram a conhecer o instrumento com Jimmy Page e o Led Zeppelin no filme "Rock É Rock Mesmo".

publicidade

A faixa que se segue trouxe uma forte controvérsia. "Algo Mais" (Rita/Arnaldo/Sérgio) fora composta por encomenda para um anúncio da Shell. Por ser concebida como um jingle, desabou sobre ela um estigma de inferioridade por parte do público e da crítica. A banda, porém, deu a ela um tratamento de igual qualidade às outras canções e não sentiram o menor desconforto em colocá-la dentro do álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Fuga Nº II" (Rita/Arnaldo/Sérgio), uma canção gravada na primavera de 68, também foi levada a disputar um festival, o FIC - Festival Internacional da Canção, daquele ano. A canção é uma espécie de continuação de "She's Leaving Home" dos Beatles. A canção de Lennon-McCartney é uma narrativa, na terceira pessoa, sobre uma menina fugindo de casa. "Fuga Nº II " conta a aventura do ponto de vista da menina. Em sua letra aparentemente simplista esconde a mensagem sublinhar de que esta geração devia deixar de lado a estrutura montada pela geração reinante e criar seus próprios caminhos. Talvez uma das mais doces e populares peças em toda a carreira do grupo, ela fechava o primeiro lado do Lp, abrindo seu espaço com ruídos de vento e uma harpa surgindo etérea e que teria, para encerrá-la, um acorde final sustentado por 20 segundos, outra referência/reverência a "A Day In The Life", dos Beatles, que tem um acorde de piano sustentado pelo tempo recorde de 42 segundos.

Virando o vinil, os Mutantes relembram o mega sucesso dos primórdios do rock no Brasil, "Banho de Lua", eternizada na versão de Celly Campello. A música recebe todo um tratamento à la Mutantes, com doses iguais de peso e lirismo, principalmente graças à ótima interpretação de Rita.

A seguir, temos "Ritta Lee" (Rita/Arnaldo/Sérgio); essa grafia - que foi abandonada no CD - leva dois "t" porque Rita, na época, usava seu nome assim, o que você pode conferir se tiver o velho vinil. O tema, com Arnaldo e Sérgio cantando as qualidades da colega, tem em seu piano, que começa boogie-woogie, um jeitão de "Martha My Dear" e "Obla-di, Obla-da". Embora as influências dos Beatles sejam facilmente percebidas, são claramente assimiladas e reinterpretadas: a isto, por definição, chamamos mutação.

Quase fechando o disco, os Mutantes oferecem mais uma música com alta dosagem de psicodelismo. "Mágica" (Rita/Arnaldo/Sérgio), com a risada clara de Rita, os acordes dedilhados de violão, a linha pesada de baixo e os efeitos diversos de guitarra distorcida e cítara, abrilhantados por um clima que agradaria a qualquer Harry Potter. Inserida no final da canção, há uma pequena citação de "Satisfaction", dos Rolling Stones.

Tom Zé, com o sucesso conseguido com "Dois Mil e Um", sentiu segurança em oferecer outro poema à banda, "Qualquer Bobagem", musicada pelo trio. Para seu arranjo, Rogério Duprat incluiu um trompete, herança de Bach filtrada por George Martin para os Beatles, como o piccollo em "Penny Lane". Ela é cantada meio como "My Generation" do The Who, com Arnaldo gaguejando os versos, como que meio intimidado. Essa música viria a ser regravada com sucesso pelo Pato Fu e, para quem não conhece a gravação original, pode se assustar ao constatar como a versão dos Mutantes consegue ser mais louca, apesar de ter sido feita mais de 30 anos antes.

O álbum termina com outra peça que se tornaria clássica no repertório dos Mutantes, "Caminhante Noturno" (Rita/Arnaldo/Sérgio), música de meados de 68, que disputava festivais de canção, deixando os teatros lotados perplexos, sem entender direito o que estava acontecendo, por estarem acostumados a ouvir apenas samba e bossa-nova . A canção termina com uma salada mista de referências épicas onde se inclui o trio cantando, em inglês, "Everybody’s got one, everybody’s got one", uma última reverência aos Beatles no álbum, que canta este mesmo raga em "I Am The Walrus"; o famoso e futuríistico robô de "Perdidos no Espaço" gritando "Perigo! Perigo! Estamos em rota de colisão!"; uma voz quase mecânica, homenageando outro ícone do Tropicalismo, Caetano Veloso, repetindo "...é proibido proibir", e uma gravação do público na arquibancada do Maracanãzinho ao coro de "Bicha! Bicha!", registrado em meio à cerrada disputa do Festival Internacional da Canção do ano anterior.


Um salto quântico em concepção de capa de disco, a idéia original era mostrar o trio como alienígenas de cabeças enormes e sem pêlos ou cabelos, veias saltadas, orelhas pontudas e mãos com seis dedos. No final, preferiu-se fixar a imagem da banda como o povo a conhecia pela televisão, no FIC. Assim, a foto da capa traz o grupo em plena apresentação no Festival, com Rita Lee fantasiada de Noiva, Arnaldo Baptista de Príncipe e Sérgio Dias de Toureiro. Os alienígenas, porém, não foram postos de lado e sua foto acabou por compor a contra-capa. Com isso, o grupo que iria influenciar gerações de roqueiros brasileiros, conseguiu mostrar duas de suas inúmera facetas de uma só vez.

Ficha Técnica:

"Mutantes" (1968)

Mutantes (Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias)

Músicas:

"Dom Quixote" (Arnaldo Baptista/Rita Lee)
"Nao Vá Se Perder Por Aí" (Raphael Vilardi/Roberto Loyola)
"Dia 36" (Johnny Dandurand/Mutantes)
"Dois Mil e Um" (Rita Lee/Tom Zé)
"Algo Mais" (Mutantes)
"Fuga Nº II" (Mutantes)
"Banho de Lua (Tintarella di Luna)" (B. De Filippi/F. Migliacci; versão de Fred Jorge)
"Ritta Lee" (Mutantes)
"Qualquer Bobagem" (Tom Zé/Mutantes)
"Caminhante Noturno" (Arnaldo Baptista/Rita Lee)

Arranjos: Rogério Duprat

Produtor: Manoel Barenbein

Engenheiros. de Som:
Stelio Carlini, João Kibelskis e João Carlos Teixeira

Músicos Adicionais:
Ronaldo Leme (bateria)
Arnolpho Lima (viola)
Rancho (viola caipira)
Mariazinha (sanfona)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Mutantes - Mutantes

Resenha - Mutantes - Mutantes




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mutantes: Em dificuldades financeiras, Arnaldo Baptista rifa seu lendário casaco inglêsMutantes
Em dificuldades financeiras, Arnaldo Baptista rifa seu lendário casaco inglês

Os Mutantes: Nos Primórdios do Rock NacionalOs Mutantes
Nos Primórdios do Rock Nacional

Liminha: Mutantes, Titãs, Chico Science e muito mais (vídeo)


Rock Progressivo: Os 10 álbuns mais underrated da década de 70Rock Progressivo
Os 10 álbuns mais underrated da década de 70

Pra discutir: os 100 melhores discos do rock brasileiroPra discutir
Os 100 melhores discos do rock brasileiro


Separados no nascimento: Dave Mustaine e Mika HakkinenSeparados no nascimento
Dave Mustaine e Mika Hakkinen

Black Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill WardBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Sobre Raul Branco

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Raul Branco no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336 Cli336 Cli336 WhiFin Cli336 Cli336