Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemHalford relembra o dia que caiu em pegadinha armada por Tony Iommi e Geezer Butler

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show


Stamp

Resenha - New York Dolls - New York Dolls

Por Márcio Ribeiro
Em 11/04/00

Disco marco de uma era que só chegaria três anos depois, a estréia dos New York Dolls é punk antes que o estilo tivesse um rótulo. Na época, eles eram apenas esquisitos e aviadados. Vestidos de mulher com barba mal feita e um ar extremamente agressivo, esses quatro rapazes, Johnny Thunders na guitarra e voz, Sylvian Sylvian, guitarra, piano e vocais, David Jo Hansen, vocais e gaita, Arthur Harold Kane no baixo e Jerry Nolan na bateria, são os precursores do movimento punk. Apenas Ramones teria equivalência em importância para a ignição deste movimento que tomaria Londres e o mundo a partir de 1976.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O álbum abre com Personality Crises, um rock visceral. Thunders e Hansen não cantam apenas; eles se esgoelam com todo o ar dos pulmões! Isso é música para ser ouvido no volume onze de preferência com raiva de alguém. O mesmo pode ser dito para Frankenstein, outro tema deliciosamente neurótico. É fácil perceber de onde gente como Johnny Rotten tira sua perfomance. Está tudo aqui neste disco, nesta banda. Looking For A Kiss lembra um cruzamento entre David Bowie fase Alladin Sane com Marc Bolan fase Electric Warrior. Nada específico, portanto não há plágios, apenas a sugestão, a influência. Outra influência óbvia por todo o disco é Rolling Stones, mas de novo nada específico, apenas sugestivo. Pills, outro "rocker" de respeito com uma historinha engraçada sobre a estadia em um hospital com uma enfermeira injetando rock'n'roll que ia direto "pras cabeças."

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Todd Rundgren oferece uma produção boa que organiza sonoramente essa banda extremamente zoneira. Ele também contribui com pianos adicionais e moog. Outro músico incluído é Buddy Bowser, que contribui em Lonely Planet Boy com seu saxofone. O disco foi respeitosamente dedicado a Billy Murcer, falecido baterista da banda, antecessor de Nolan.

Embora nenhum dos dois discos da banda tenha vendido xongas na época do lançamento, e por isso mesmo as gravadoras desistiram deles, a qualidade de seu legado e sua importância pode ser constatada pelo fato de que até hoje nenhum dos álbuns saíram de catálogo. Pelo contrário, apareceram com os anos diversos piratas, alguns 'oficiais', para somar a seu catálogo.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

NEW YORK DOLLS
1. Personality Crises
2. Looking For A Kiss
3. Vietnamese Baby
4. Lonely Planet Boy
5. Frankenstein
6. Trash
7. Bad Girl
8. Subway Train
9. Pills
10. Private World
11. Jet Boy


Outras resenhas de New York Dolls - New York Dolls

Resenha - New York Dolls - New York Dolls

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Provocações: As canções cheias de indiretas entre artistas do rockProvocações: As canções cheias de indiretas entre artistas do rock


Provocações: As canções cheias de indiretas entre artistas do rock


Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro.