Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemEvanescence anuncia a saída da guitarrista Jen Majura

imagemIron Maiden apresenta Eddie em versão samurai ao vivo; veja vídeo oficial

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemComo CDs e MP3s decepcionaram Jimmy Page

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos


Stamp

New York Dolls: um dos clássicos registros do proto punk

Resenha - New York Dolls - New York Dolls

Por Paulo Severo da Costa
Em 19/10/12

Em uma de seus grandes retratos de época, os sociólogos dos ROLLING STONES gritaram: "O que pode uma cara pobre fazer, além de cantar em uma banda de rock n´roll? A profética frase – parte da letra de "Street Fighting Man"- apareceu ao mundo em 1968- época em que LEGS McNEIL nem sonhava em chamar os herdeiros de THE SONICS e STOOGES de punks. Embora vindos do porão e, em noventa e nove por cento dos casos, de famílias classe média baixa, os rockers dos primeiros quinze anos do gênero ainda tinham que, de certa fora, engolir o mainstream e serem "mercadologicamante viáveis". Os primeiros passos dados pelos próprio grupo inglês, junto a psicodelia dos californianos do GRATEFUL DEAD e da turma insana do STOOGES e MC5 começou a quebrar esse paradigma ainda no final dos anos 60; entretanto foram as mudanças da década seguinte que causaram estragos mais visíveis na sociedade quase caricata da época.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Junto ao metal, vieram o shock rock de ALICE COOPER, as performances muito loucas de PETER GABRIEL e o glamour rock- o glam. Apesar de caracterizar mais uma forma estética do que o som em si, o glam trouxe ao mundo uma galera que pintava os olhos, usava roupa de mulher e exageravam na frescura performática sem deixar o som cair: BOWIE, T. REX e SWEET, inobstante a todo glitter faziam um som acima de qualquer suspeita. Agora, no quesito junkie-andrógino-marginal-sonzeira ninguém foi páreo para o NEW YORK DOLLS. Formado por gente que não necessitava de marqueteiros para propalarem uma péssima reputação, os DOLLS misturaram MC5, STONES, heroína e vestidos de brechó e, lançaram, em 1973, o auto-intitulado debut. Contando à época com DAVID JOHANSEN no vocal, JOHNNY THUNDERS e SYLVAIN SYLVAIN nas guitarras, ARTHUR "KILLER" KANE no baixo e JERRY NOLAN na bateria, o "bando" escrachou as regras e, sem saber, concebeu um dos mais clássicos registros do proto punk.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Citado por gente como MORRISSEY, DUFF MACKAGAN e JERRY CANTRELL, "New York Dolls" é a expressão sonora do começo dos anos 70 e fim do flower power: urgente, nervoso e sem rodeios. "Personality Crisis" e "Looking for a Kiss" mostram um mix entre uma levada eletrificada de "Exile On Main Street" e um estilo vocal de JOHNNY ROTTEN que- opa! – ainda não existia. Só pedras pelo caminho ? Conduzida no violão, "Lonely Planet Boy", mostrava que a banda podia fazer bonito em territóros melódicos tão bem explorado por seu contemporâneo, MARC BOLAN. Influência no CLASH? "Frankenstein. RAMONES? "Bad Girl". DEAD KENNEDYS? "Jet Boy".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Disseram que o meu nome é distúrbio\Eu gritarei e me esgoelarei, matarei o rei e incomodarei todos os seus serventes". A frase, também retirada de "Street" mostra que, se os STONES sabiam das coisas, os DOLLS se mostraram discípulos a altura.

Track List:
1. "Personality Crisis"
2. "Looking for a Kiss"
3. "Vietnamese Baby"
4. "Lonely Planet Boy"
5. "Frankenstein
6. "Trash"
7. "Bad Girl"
8. "Subway Train"
9. "Pills" ( cover de Bo Diddley)
10. "Private World"
11. "Jet Boy"


Outras resenhas de New York Dolls - New York Dolls

Resenha - New York Dolls - New York Dolls

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Provocações: As canções cheias de indiretas entre artistas do rockProvocações: As canções cheias de indiretas entre artistas do rock


Loudwire: as mortes mais estranhas do rock



Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa.