Resenha - Fly By Night - Rush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Trovão
Enviar Correções  

Com certeza, muitos leitores ao verem esse álbum na discografia básica irão reclamar dizendo que esse não é o melhor álbum do Rush. E eu serei obrigado a concordar. Porém, esse álbum é um dos mais, ou até mesmo o mais importante da banda. Porque? Simples. Depois de um álbum de estréia bom, lançado em 1974 independentemente, porém seguindo apenas o estilo criado pelo Led Zepellin alguns anos antes, Fly By Night, lançado em 1975 já por uma grande gravadora (Mercury), é o álbum que marca o início das incursões ao Rock Progressivo da banda e principalmente a estréia do baterista preferido de 9 entre 10 bateristas de rock no mundo: Neil Peart. E não podemos esquecer de seu enorme talento como letrista, fato que é raro em se tratando de bateristas. É claro que não podemos deixar de mencionar o talento em seus instrumentos, e principalmente como compositores, dos outros 2 membros: Geddy Lee (Baixo/Teclados/Vocal) e Alex Lifeson (Guitarras).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco abre com a faixa Anthem, e a banda já começa a mostrar que não é mais apenas um clone do Led Zeppelin. Riffs rápidos e pesados e a bateria já assombrando o mundo. Logo após vem Best I Can, mantendo o nível da primeira, e também no mesmo nível vem Beneath, Between & Behind, que já começa a mostrar o letrista de mão cheia que é Neil Peart. A música é um pequeno conto sobre o tempo da nobreza.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A música seguinte é talvez o ponto alto do álbum. By-Tor & The Snow Dog começa no mesmo estilo das outras, Hard Rock rápido. Porém no meio ela vira um Rock Progressivo. Mistura essa que viria a se tornar a marca registrada da banda. E a letra mostra toda a criatividade de Neil. Ele simplesmente cria uma batalha entre dois...cães que um roadie conheceu numa festa: By-Tor (uma pastor alemão) e Snow Dog (um Husky Siberiano).

Fly By Night, a faixa seguinte, foi o primeiro sucesso comercial desse álbum, sendo sempre pedida até hoje em shows. Em Making Memories, Alex Lifeson agrega influências Country. E na baladíssima Rivendell, Neil Peart se baseia no livro Senhor Dos Anéis (Lord Of The Rings) de J.R.R. Tolkien. Influência que viria a ser muito usada na década de 90 por bandas como Blind Guardian. E o álbum fecha com In The End, mais uma faixa Hard Rock. Essa faixa tem um valor sentimental para este que vos fala e para muitos outros fãs cariocas de Rock em geral, pois foi a música de despedida da única rádio Rock do Rio de Janeiro, a Fluminense FM, que foi vendida para uma rádio Dance (argh!) que, óbvio, nem merece ter seu nome citado nesse espaço rockeiro.

publicidade

Fly By Night não é o melhor álbum, nem o mais criativo, mas foi crucial na carreira dessa banda que é uma das preferidas do público rockeiro de todo o mundo. E aguardem em breve outras obras-primas do Rush aqui nesta seção.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Fly By Night - Rush

Rush: a apresentação de Neil Peart em Fly By Night


Cli336 Cli336 CliIL WhiFin Cli336