Resenha - Hellbound - Warlock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  


O ano: 1985. O que rolava de bom nessa época? Eleições diretas... sim... era um momento de decisão para o país, que parecia sujeito a mudanças. Mas para os amantes do rock era um ano especial. Tivemos o primeiro Rock in Rio, com diversas bandas estrangeiras, num casting totalmente desorganizado e bagunçado, mas que nos permitiu ver pela primeira vez bandas do calibre de AC/DC, IRON MAIDEN, SCORPIONS, OZZY e outras. No resto do mundo, era o ano do heavy metal. O Iron acabara de lançar Powerslave, Judas em alta, e eis que aparece uma banda de heavy com vocais femininos, o Warlock. Vocais femininos que hoje praticamente são uma febre nas bandas de metal, principalmente as bandas mais chegadas ao metal gótico, mas que naquela época eram mais raras. Mas Doro Pesch (vocal) e seus asseclas viriam, junto com bandas como Girlscholl e Runaways mostrar que mulher cantava heavy metal muito bem.

Hellbound é o 2o álbum da banda. E pode ser considerado um dos melhores. Abre de cara com a faixa título, uma porradaria (com direito a coro ao vivo e introdução de bateria) heavy oitentista muito inspirada em Judas Priest, e vocais irados de Doro, muito mais agressivos do que ela faz hoje, embora ainda cante muito. Logo depois vinha o arregaço mais cadenciado de All Night, com o toque hard rock que viria a caracterizar parte do Warlock. O cd ainda traria clássicos como a speed Earthshaker Rock, a Saxoniana Wrathchild e a mais rockeira Out of Control. Era de fato um cd matador. Uma banda competente, com guitarras poderosas e um baixo preciso e uma frontwoman que detonava nos vocais. Havia direito até a um climinha de terror na faixa Out of Control.

publicidade

As letras falavam de rebeldia, amor, raiva, euforia... coisas que o heavy metal pregava como dogmas. Agora, nesse mundo politizado tudo poderia até soar infantil e piegas, mas faz muito sentido num estilo que prega a diversão e o amor a música. Para coroar com chave de ouro o cd, duas pérolas speed metal: Time to Die e Shout it Out, e uma balada pesada (como toda balada metálica deve ser) sobre amor: Catch My Heart.

publicidade

Anos 80: inesquecíveis. Doro ainda viria a fazer muito em sua carreira solo, e faz até hoje, mas nada superaria o que o Warlock deixou para os fãs.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Doro: A Metal Queen percebeu que a música seria seu destino desde muito cedoDoro
A Metal Queen percebeu que a música seria seu destino desde muito cedo


Doro Pesch: Heavy Metal para mim significa liberdadeDoro Pesch
"Heavy Metal para mim significa liberdade"

Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradasHeavy Metal
Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas


New York Times: os 100 melhores covers de todos os temposNew York Times
Os 100 melhores covers de todos os tempos

Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterFreedom of Expression
O tema do Globo Repórter


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin