Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022

imagemDave Mustaine, do Megadeth, inicia vida de youtuber e mostra o ônibus de turnê da banda

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Resenha - Dr. Feelgood - Motley Crue

Por Rafael Carnovale
Em 10/04/03

Após o bom álbum "Girls,Girls,Girls", o Motley Crue precisava dar uma reciclada. Excessos de drogas e com bebida rodeavam todos os membros, e a criatividade da banda estava ameaçada. O guitarrista Nick Mars era um dos mais atingidos, junto com o baixista Nikki Sixx. A solução foi providenciar uma limpeza na banda. Membros se internaram em clínicas de desintoxicação e o resultado não poderia ser melhor. A banda não se livraria dos males que a afligiam, mas a melhora seria evidente. O hard-rock renasceria furioso, em um de seus melhores representantes.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Com a competente produção de Bob Rock (o famoso produtor do Metallica), "Dr. Feelgood" nasceu em 1989 como uma redenção para a banda. O som era o mais pesado, lembrando o clássico "Shout at the Devil". O visual abandonava um pouco a estética glam, partindo para uma postura mais agressiva. Um dos primeiros sucessos, "Kickstart My Heart", era a prova viva de que o Motley renascia furioso: letras pesadas, muitas relatando o passado de drogas e excesso da banda, guitarras animalescas, Vince Neil cantando como nunca e a bateria de Tommy Lee num som e pegada muito intensos, que impressionaria Lars Ulrich, fato que fez com que Bob Rock comandasse a produção do "Black Álbum".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Faixas como "Dr.Feelgood" (outra referente a drogas), "Same Ol’ Situation" (com uma pegada mais rock suave, mas um excelente refrão) e a pesada porém interessante "Rattlesnake Shake" (com um sax muito bem colocado) entrariam para o rol de sucessos da banda. O Motley também não esquecia as baladas. A semi "Don’t Go Away Mad" e "Without You" traziam a banda em excelente forma, mesclando melodia e agressividade com rara capacidade. Outros sons importantes eram a rockeira "Stick Sweet" e a pesada "She Goes Down". O álbum contou com convidados de peso, como Steven Tyler (Aerosmith) e a banda Skid Row, fazendo backings.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O Motley acabava de parir seu melhor cd. Nada do que a banda fez depois superaria este petardo, tanto a nível comercial (foi número 1 na parada da Billboard) como a nível de qualidade. A história de excessos continuaria, com Vince sendo demitido e depois voltando, mas o legado ficou para a posteridade. Fãs de hard-rock respiravam, pois o estilo não estava morrendo... como não morreu.

Lançado em 1989 pela Elektra/BMG records.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Rodz Online: Pam & Tommy - Verdades e Mentiras (vídeo)

Mötley Crüe: ex-vocalista acha a série "Pam & Tommy" uma bela de uma m*rda


Mötley Crüe: John Corabi sente-se insultado pela forma que foi retratado em "The Dirt"



Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.