Resenha - Tributo ao Rata Blanca, La Legenda Continua - Vários

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Toral
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Ninguém pode duvidar da importância do Rata Blanca para o metal na América do Sul, mesmo sendo uma banda argentina que tem como preferência e prioridade o idioma castelhano para proferir sua mensagem através da música. Por falar nisso, é curioso: algumas pessoas sequer prestam atenção nas bandas que cantam em outro idioma que não o inglês. No caso de bandas brasileiras de heavy metal que cantam em português, poucas - muito poucas - se salvam, mas as que cantam em idioma castelhano conseguem um resultado fabuloso - inclua-se o conteúdo!

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposBeavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?

Bem, mas retornando, vamos aos fatos: o Rata Blanca voltou à atividade com um single recém lançado chamado "Teatro Gran Rex", onde toca duas músicas legais, mas diferenciadas do seu estilo antigo baseado em metal com fortes influências de Rainbow, Deep-Purple e algo de Malmsteen. O ano em que se separaram foi em 1997, após o pior álbum de sua carreira, auto-intitulado; de lá para cá, os músicos seguiram seus caminhos, e para esta volta nem todos eles aderiram. Neste meio tempo, o guitarrista e líder, Walter Giardino, montou a banda Temple e no fim dos dias, Adrian Barilari e Hugo Bistolfi (respectivamente, vocalista e tecladista da formação clássica do Rata Blanca) se uniram a esta empreitada. Assim sendo, qual era o sentido de continuar excursionando sob o nome "Temple"? Porém, um pouco antes disso acontecer, um dos empresários teve uma idéia fantástica: criar um tributo ao Rata Blanca envolvendo bandas argentinas e poucos convidados internacionais; certamente os brasileiros sequer conhecem determinadas bandas presentes no trabalho, mas o fato é que "La Leyenda Continua" acaba por ser o melhor tributo dos tempos, após o do Judas Priest, considerando o gênero heavy metal e na opinião deste que vos escreve.

Começando pela capa, que é maravilhosa, temos uma ilustração que reflete alguns momentos da banda que foram imortalizados em clássicos. Igualmente o encarte, todo em idioma espanhol, traz um resumo completo da história do Rata Blanca, falando sobre todos os momentos, ex-integrantes, depoimento das bandas argentinas que tocaram no tributo, fotos e muito mais. Quanto à produção, contou-se com a atuação perfeita de Piet Sielck (músico do Iron Savior) no Power Houses Studios, Alemanha. Enfim, sonoridade fantástica!!

No campo musical, tivemos clássicos que foram do primeiro ao penúltimo álbum do Rata Blanca, como os caros leitores acompanharão neste momento:

Música: "Rompe El Hechizo"
Álbum: Rata Blanca (o primeiro) - 1988

A banda que abre esta porrada a lá Accept com chave de ouro é o Azeroth. Incrível o vocal rouco, agudo e forte de Diego Valdez. O instrumental é perfeito e o som ficou tão rápido, pesado e melódico quanto o original. Sem dúvidas um cover de primeiríssima qualidade, que trouxe, sim, toques pessoais do Azeroth, porém nada escandaloso.

Música: "Los Ojos del Dragón"
Álbum: Gerreros del Arco Iris - 1991

Tocada pelo Humanimal, este petardo foi modificado em sua introdução de uma forma cavalgada e esplêndida. A banda deu uma cara de heavy neo-clássico do início ao fim, além de terem um vocalista afinadíssimo e instrumental potente. Existem mais teclados que o original, mas de nenhuma forma isso fez com que o som ficasse menos pesado, pelo contrário!

Música: "La Misma Mujer"
Álbum: Rata Blanca (o primeiro) - 1988

Excelente resultado obtido por JAF (Juan Antonio Ferreyra) e sua banda, neste que é um rock and roll sujo e marginal, do qual se aborda o tema do amor de uma forma totalmente doce e ao mesmo tempo furiosa. Isso sem contar que o original, à época, foi um clássico em toda a Argentina. Sem dúvidas é um momento fortíssimo de "La Leyenda Continua".

Música: "Guerrero del Arco Iris"
Álbum: Gerrero del Arco Iris - 1991

A banda Beto Vazquez Infinity vem tendo alguma repercussão no Brasil, pois seu primeiro CD vem sendo distribuído no país. E no tributo ao Rata Blanca, tratou de tocar algo na cola do Malmsteen, já que o álbum "Guerrero del Arco Iris" tem muita influência do mago sueco, bem como o próprio guitarrista Walter Giardino (ele teima que só tem como influência Ritchie Blackmore, mas...). A faixa-título, a qual foi escolhida por Beto Vazquez, ficou mais lenta e cavalgada do que a original, sendo esta mais rápida. Mesmo assim, a mudança não descaracterizou o som, e o vocalista também é muito bom, embora tenha cantado em um ou dois tons abaixo de Adrian Barilari.

Música: "Herderos de La Fé"
Álbum: Entre el Cielo y El Infierno - 1994

A banda que executou o que era para ser algo tão bom quanto o original foi o Devenir. Ah, esta banda tem como vocalista/guitarrista Mario Ian, ex-vocalista do Rata Blanca no álbum "Entre el Cielo y El Infierno", o mesmo que possibilitou a sua vinda ao Brasil em 1995 quando do Monsters of Rock. Bem, mas o fato é que fizeram de um heavy/hard sujo e pesado, algo rock and roll, e não ficou satisfatório. O próprio vocalista Maio Ian, agressivo como Rob Halford, sequer pôs metade de sua força e potência vocal neste cover, em comparação com o original.

Música: "Asesinos"
Álbum: El Livro Oculto - 1993

Clássico! Clássico! Clássico! Tanto o original quanto o cover do Lörihen que, mesmo possuindo uns efeitos de vozes dobradas não característicos, arrepiou; o vocalista beira a perfeição absoluta, tal é sua garra e agressividade ao cantar uma porrada cheia de melodia, peso e fúria. Se todos aqueles que não conhecem o Rata Blanca pudessem começar a conhecer a banda através de "Asesinos", certamente não veriam a hora de obter toda a coleção de álbuns, tal é a maravilha sonora!

Música: "El Sueño de la Gitana"
Álbum: o primeiro da história - 1988

Novamente: clássico! Aqui, coverizada pela banda do vocalista original do Rata Blanca, Saúl Blanch, que fez um trabalho a altura e sem grandes diferenças entre sua voz atual e da época. O instrumental também é outro destaque, bem como a melodia vocal que rege este momento mágico de "La Leyenda Continua".

Música: "Agord, La Bruja"
Álbum: El Livro Oculto - 1993

Coverizada pelo Jeriko, tanto o riff potente quanto sua base sólida se mantiveram inalteradas, sendo que a maior diferença foi o vocal, passando a ser bem agressivo. Definitivamente se trata de um momento fortíssimo deste tributo! E para aqueles que não conhecem a versão original, tenham certeza de que se trata de uma música excepcional.

Música: "Jerusalem"
Álbum: Entre el Cielo y El Infierno - 1994

Nesta que deveria ser uma cacetada característica do álbum mais pesado e duro do Rata Blanca, tivemos uma atuação pobre da banda Presto Vivace. Simplesmente transformaram o instrumental em algo complexo a la Dream Theater. Nos dá vontade de perguntar: "-para que isso?" É claro que se nunca tivéssemos escutado a versão original, este cover até soaria legal, mas...

Música: "Abrazando El Rock and Roll"
Álbum: Gerrero del Arco Iris - 1991

Puta rock and roll! Tanto a versão original quanto neste cover que foi uma cópia perfeita, sem sequer uma alteração instrumental por parte do Rosa Cruz. Bem, o vocal de Javier Barilari é bem pop, mas não compromete. Se bem que ninguém quer correr o risco de alterar uma nota de um clássico, tal o desrespeito que pode-se causar à história do Rata Blanca, incluindo seus fãs.

Música: "Chico Callejero"
Álbum: Rata Blanca (o primeiro) - 1988

Outro momento inesquecível na história do Rata Blanca, imortalizado em seu primeiro álbum. Aqui, tocada por Selidor e participação do ex-vocalista do Rata, Mario Ian, o peso ficou evidente, mas a melodia vocal em relação ao original ficou bem diferente, o que não agradou tanto, porém também não decepcionou. O que pode causar algum descontentamento são os vocais dobrados, meio que desnecessários.

Música: "Mujer Amante"
Álbum: Magos, Espadas y Rosas - 1990

Aqui está a maior surpresa do tributo, com uma reestruturação sonora geral feita por uma empreitada que reuniu os músicos Javier Barrozo (vocal), Nicolás Takara (guitarra), Jorge Petrini (bateria), Daniel Leonetti (baixo) e Hugo Bistolfi (tecladista do Rata Blanca). Conseguiram transformar uma linda balada e uma rock and roll pesado e rápido. Fabuloso! De todas as alterações contidas no tributo, esta é a mais significativa. É difícil mexer num clássico, mudar qualquer nota que seja, e aqui a transformação foi completa. O resultado foi ótimo!

Música: "Solo Para Amarte"
Álbum: Rata Blanca (o primeiro) - 1988

Tocada pela banda do ex-vocalista do Rata Blanca (o último antes de a banda terminar em 1997), Gabriel Marian, este clássico ficou idêntico ao original: rápida e pesada. E não é que Marian se mostra muito bem? Nem parece, pois o último álbum do Rata antes do fim era muito fraco e com um fraco desempenho do vocalista.

Música: "La Leyenda del Hada y el Mago"
Álbum: Magos, Espadas y Rosas - 1990

Está bem que o caro leitor já deve estar se perguntando o que não é um clássico, mas considerando-se que esta é a canção oficial para se fechar um show do Rata Blanca, deduz-se que seja o maior dos clássicos. A verdade é que tempos um time internacional de primeira linha, com Adrian Barilari (vocalista do Rata Blanca), Walter Giardino (guitarrista do Rata Blanca), Emppu Vuorinen (guitarrista do Nightwish), Jukka Nevalainen (baterista do Nightwish), Sami Vänskä (baixista) e Jens Johansson (tecladista do Stratovarius). A versão ficou muito boa, e Jens modificou bastante os teclados, adicionando seu toque pessoal, o resto ficou quase idêntico ao original.

Enfim, um resultado obtido de maior grandeza. Não pense o caro amigo que, como o tributo em mãos, não há necessidade de conhecer os álbuns oficiais do Rata Blanca, porque estarão cometendo um grave erro. Existem inúmeros outros clássicos que também deveriam entrar em "La Leyenda Continua". De qualquer forma, foi uma ótima iniciativa a de montar este trabalho, o qual leva ao mundo todo o poderio das bandas argentinas de heavy metal. E diga-se de passagem: como é bom o heavy argentino!! Vocalistas agressivos, metal peso pesado e músicos fantásticos!! De meu ponto de vista, eles tem mais raça do que as bandas brasileiras. E o tributo em questão pode acabar convencendo mais pessoas por aí. Vale a pena! Não percam.

Para contato com o empresário do Rata Blanca: botto@sion.com
Site oficial da banda: www.rataweb.com.ar




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rata Blanca"


Vocalistas: As maiores vozes esquecidas do MetalVocalistas
As maiores vozes esquecidas do Metal

Idioma: bandas que já cantaram em sua língua natalIdioma
Bandas que já cantaram em sua língua natal


Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Beavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?Beavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?

Musas: Algumas das beldades do Rock e Metal nacionalMusas
Algumas das beldades do Rock e Metal nacional

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso

Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos

Scott Weiland: Dave Mustaine deu conselhos para o falecido cantorScott Weiland
Dave Mustaine deu conselhos para o falecido cantor

Ozzy Osbourne: Born Again é o melhor disco do Sabbath após a formação originalOzzy Osbourne
"Born Again é o melhor disco do Sabbath após a formação original"


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336