Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais


Resenha - Purpose of Existence - Reckon With One

Por Leandro Testa
Em 18/02/03

Nota: 7

Putz!... Cada coisa complicada que me arranjam pra resenhar!!! Tentemos, todos juntos, passo a passo, visualizar o que segue: a face ‘mid-tempo’ de bandas como Metal Church, Winter’s Bane pós-Ripper Owens, e Meshuggah, porém num meio termo de peso entre o primeiro e o último exemplo, este que apontei muito mais pelas influências progressivas (e não tão insanas), do que pelo próprio poderio dos arranjos (até mesmo porque tais suecos costumam ser bastante reconhecidos em terras norte-americanas, local de onde o Reckon With One é oriundo).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Com um resultado superficial em mente, adicione, como puder, uma parcela de ‘groove’, diversos climas ‘doom’, que invariavelmente insistem em aparecer, e uma centelha de Fear Factory (...uma colcha de retalhos original? Sim, até certo ponto...).

Percebe-se, então, que vários elementos são revelados no transcorrer deste filosófico The Purpose of Existence, como no primeiro minuto da antagônica "Bright Black", que traz um "momento Rush de ser" apropriado, e segue, infelizmente, irreconhecível após este começo, voltando a ficar interessante numa arremetida digna do "Templo Metálico" arrolado no cabeçalho, num dos poucos trechos do disco em que o andamento deixa a sua densidade para cair numa velocidade vibrante, quase thrash.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

E é justamente esse lado imprevisível que rende bons ou maus frutos, incluindo-se aí os vocais que, espelhados na versatilidade de Devin Townsend (SYL), não deixam barato e variam do limpo (com um acento comercial) ao desesperado, num "quê" de death metal melódico. Assim, não é raro surgir um pouco de Phil Anselmo aqui, outro resto de Mike Patton acolá, chegando a lembrar Pepper Keenan (Corrosion of Conformity) em certas passagens, ou "tentando" soar como James Hetfield, característica esta encontrada na faixa de abertura, "Believe in Silence".

Colocar uma música tão acentuada logo no início do álbum não foi lá uma coisa tão sabia, afinal, "Victim" chega em seguida com a marca registrada do saudoso Chuck Schuldiner (Death - assim como "Paradise Lies" mostra uma faísca da técnica de um Cynic/Watchtower), passando daí em diante por experimentalismos ora prog, ora industriais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Parecendo uma continuação perfeita dela, "To Die Ourselves" vem com uma intro tipicamente Sabbath (também evidente no sexto ato, "Nothingness") e apresenta um refrão deveras marcante, podendo ser considerado um dos picos da obra, ao lado da instrumental "Clinically Dead" (excelente título) que nos proporciona uma audição assaz agradável por conta da sua melodia e dum vigor posterior.

A produção que antes já era auto-suficiente, ficou, a partir da última demo, a cargo de Glen Drover (Eidolon, ex-King Diamond) que apadrinhou seus conterrâneos canadenses, e, aliás, deu algumas aulas ao homem das seis cordas, Mark Anthony. Tal registro dará origem ao terceiro opus deste power trio, prometido para o meio de 2003, e quero crer que a guitarra suja aqui presente ficará matadora sob a supervisão de um sujeito pós-graduado no assunto.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Além disso, o recente contrato com a Galy Records, fará com que mais pessoas estejam envolvidas no seu processo de concepção, atenção que se The Purpose of Existence tivesse tido, resultaria num material ainda melhor. De qualquer modo, este já vale a nota dada só pelo sentimento de ‘do-it-yourself’, ou seja, pelo seu cunho independente, ainda que alguns pontos merecessem ser revistos... principalmente no tocante à cantoria de "Simple Simon", que encerra o CD.

"Reckon With One": deixe este nome anotado...

Duração – 43:16 (8 músicas)

Formação:
Andy Muehlberg (bass, all vocals and keyboards)
Mark Anthony (all guitars)
Gerry Keough (drums and triggers)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Leandro Testa

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Leandro Testa.