Resenha - Tunes of Steel - Zonata

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Haggen Kennedy
Enviar Correções  

9


Quando ouvi falar dessa banda pela primeira vez pensei "deve ser outra banda qualquer". O leitor não tem idéia do quanto eu estava enganado. Assim que tive esse petardo em mãos minha idéia mudou completamente. A começar pela capa, que é muitíssimo bem feita. Muitas vezes o produto vale mais que a embalagem, mas convenhamos que uma capa bem feita já é meio caminho andado.

publicidade

Mas não fica por aí. O que impressiona mesmo é que o som desses caras não fica atrás. Pelo contrário, cola junto e dá uma aula de heavy metal. "Tunes of Steel" é simplesmente uma obra prima do heavy metal clássico. E quem diria!, os integrantes da banda têm apenas 20 anos, em média. Fazer um debute (!) desses com essa idade é digno de aplausos. Aplausos tanto por causa da ousadia e capacidade dos músicos como por terem sem dúvida alcançado seu objetivo. Sim, porque o disco é metal até não poder mais. Quem gosta da velha escola NWOBHM e ainda ouve coisas como Liége Lord, Angel Witch, Helstar e Tank não pode deixar de conferir esse grupo.

publicidade

"Dream Child": é a música que abre o CD. Metal, metal, metal, como todas as outras no disco. O pequeno solo do começo termina no ponto certo pra começar a porradaria maravilhosa do bom heavy tradicional. Bateria acelerada, palhetadas idem. Perfeito.

As músicas a partir daí parecem, increvelmente, que apenas se tornam melhores. "Geronimo", com sua letra voltada para o próprio, é ótima. Se Gerônimo a ouvisse, a trilha sonora do velho-oeste seria o heavy metal.

publicidade

"Thor (The Thundergod)" é a música que vem na seqüência. Acho que nem precisa dizer que os suecos do Zonata já tinham inspiração mais que suficiente pra jogar as guitarras na cara. Apesar de a canção começar com um tema épico escandinavo, o que predomina mesmo é o heavy que corre no sangue dos caras. Ê musiquinha boa!

O lance interessante é que, entre as dez músicas desse disco, uma (a quarta) é balada. "Beyond the Rainbow" é interessante pois pode-se ver com mais clareza de onde vieram as influências do vocalista Johannes Nyberg (que fundou a banda juntamente com seu irmão John Nyberg). Às vezes tem-se a nítida sensação de que é ninguém menos que Kai Hansen cantando, tamanha é a influência.

publicidade

Continuando, vem "Criticized", "Welcome to this World of Fun", "The Evil Shadow", "Bring You Down To Hell", "Zonata" e "Viking". Dessas a 'menos melhor', por assim dizer é a "Welcome...", que não tem muita variação e é meio cansativa. O resto é realmente muito, muito bom, especialmente "Zonata".

No resumo, o petardo é realmente muito bom. A única coisa que precisa de alguns retoques é o vocalista, que às vezes perde a linearidade da voz. Mas isso é algo que provavelmente estará solucionado no próximo disco do grupo. E é pouca coisa frente ao poder instrumental que esse quinteto tem. É impossível não curtir o bom e velho heavy metal desse pessoal. Se fosse melhor distribuído, "Tunes of Steel" alcançaria boas posições com certeza.

publicidade

Material cedido por:
Century Media Records
Departamento de Publicidade
Caixa Postal 1240
São Paulo - SP
CEP 01059-970
E-mail: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Black Sabbath: Perguntas e respostas e curiosidades diversasBlack Sabbath
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Batman: 10 razões pelas quais ele é Metal pra carambaBatman
10 razões pelas quais ele é Metal pra caramba


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin