Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemJimmy Page conta como convenceu Robert Plant a formar o Led Zeppelin

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava

imagemDavid Ellefson diz que baterista do Exodus fez Slayer tocar mais rápido

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Stamp

Resenha - ARK - ARK

Por Haggen Kennedy
Em 04/12/99

Nota: 8

Pra quem não sabe (e é difícil alguém saber), esta banda é simplesmente o projeto solo de Tore Ostby (Conception, DC Cooper, atual Pink Cream 69). Quem já conhece a figura, certamente já sabe o que esperar.

Este disco foi-me dado por Tore Ostby em pessoa com a seguinte advertência: "é um disco para pessoas de mente aberta". É, sem dúvida, o ouvinte tem que ser muito cabeça aberta. Porque influência é o que não falta aqui. As letras são gigantes. As músicas também. Mas que é bom, é. Tudo o que se precisa ter é (muita) mente aberta.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Enquanto esteve no Brasil, Tore saiu à procura de estilos como chorinho e MPB para que pudesse aumentar seu conhecimento (e influências, diga-se de passagem). Parece que deu certo enquanto Mr. Ostby fez o mesmo em outros lugares do mundo. Por todas as sete músicas desse CD, nota-se a progressividade latente das músicas, que incluem partes de música latina, grega, egípcia, arábe... tem de tudo.

Pra quem está curioso sobre os instrumentistas, eles são ótimos. Jorn Lande é um ótimo vocalista, ao passo que John Macaluso (já viu falar nesse cara?) é um baterista descomunal (mas vocês já devem saber disso).

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A banda é originalmente um 'power trio' - sim -, porém um sujeito chamado Trond Nagell Dahl dá uma ajuda nos teclados.

As melhores músicas ficam por conta de "Burning Down", "The Hunchback of Notre Dame" e "Can't Let Go".

Se você é (bastante!) cabeça-aberta, entre em contato com a Voices of Wonder e peça o CD (não saiu em nenhum lugar do mundo a não ser na Noruega, país natal de Tore).

_________________________________
Voices of Wonder (distribuidora):
P.B. 2010 Grünertokka, N-0505
Olso, Norway.

Fax: +47 23 22 66 67


Outras resenhas de ARK - ARK

Resenha - Ark - Ark

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O Suprassumo do Superestimado: os 11 mais (ou menos) nacionais

Iron Maiden: o vocal que quase substituiu Bruce Dickinson em 93


Sobre Haggen Kennedy

Nascido ao fim dos anos 70 e adolescido em meio ao universo metálico, Haggen Heydrich Kennedy já trabalhou e atuou numa vultosa gama de atividades, como o jornalismo, o desenho, a informática, o design e o ensino, além de outros quefazeres. Atualmente vive em Atenas, Grécia, onde estuda História, Arqueologia e Grego Antigo na Universidade de Atenas. A constante nesse turbilhão de ofícios, todavia, sempre constituiu-se de dois fatores: as línguas (ainda hoje trabalha com tradução e interpretação) e a música - esse último elemento, definitivo alimento espiritual.

Mais matérias de Haggen Kennedy.