Ark: Uma aventura musical intrigante, inédita e autêntica

Resenha - Ark - Ark

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por MATHEUS BERNARDES FERREIRA
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Quando em 1999 Jorn Lande, Tore Ostby e John Macaluso se juntaram para formar o Ark, eles já eram promissores músicos com currículos bastante respeitáveis, mas é nesta banda que as performances individuais do trio atingem seus ápices. Para quem não conhece o norueguês Jorn Lande, ele é atualmente um dos melhores vocalistas de rock e metal em atividade. Seu timbre mistura David Coverdale e Ronnie James Dio e possui técnica e alcance inigualável. Tore Ostby só tem dez anos de bagagem com a banda norueguesa de prog metal Conception, sendo responsável pelas guitarras, composição e produção dos trabalhos do ex-grupo. John Macaluso é um baterista estadunidense que tocou em várias bandas de hard rock como o Powermad, TNT e Riot, para então encontrar-se na Noruega com Tore Ostby e formar o Ark. Poderíamos esperar neste álbum as influências que o trio possui e apresentou em suas experiências passadas, mas o que ouvimos aqui é diferente de tudo o que já foi criado no metal.
5000 acessosVocalistas: alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso Metal5000 acessosIron Maiden: Caipiras finlandeses fazem versão de "The Trooper"

A fórmula de composição do álbum é assustadoramente inventiva e ousada. Temos um álbum de prog metal com riffs de guitarra deixados em segundo plano, que assumem forma de zunidos distorcidos e muito abafados, quase sempre soterrados pela bateria e camadas de teclado e vocal. O som do contrabaixo praticamente inexiste na composição. Até mesmo o poderoso vocal de Jorn Lande soa abafado e comedido. A mixagem do álbum todo conspira para que o único instrumento em destaque seja a bateria, e como Macaluso estava endiabradíssimo neste álbum, temos como resultado talvez a melhor performance individual de um baterista em um álbum de metal realizado até o presente momento.

Em todas as músicas Macaluso consegue dar vida às suas batidas, o que é incrivelmente difícil de expressar com seu instrumento. A complexidade dos ritmos e as estranhas alternâncias de tempos são lugares comuns no gênero prog metal, mas Macaluso vai além, abusa de efeitos como os utilizados na abertura de Burning Down, e toca diversos ritmos fora do espectro do metal, como o jazz, o flamenco e vertentes latinas. Em musicas como Where the Wind Blows, Mother Love e Can’t Let Go sua batida impressiona ao a tomar postura de riffs de enorme energia, empolgação e hipnotismo.

Já os riffs de guitarra somam-se a pegada, mas, como já dito, em forma de acompanhamento base. Apenas em Singers At the World’s Dawn e Center Avenue as guitarras se impõem, criando as músicas mais pesadas do álbum. Claro, com a ajuda dos vocais de Lande que aqui assumem tons histericamente agressivos. Em contraponto ao som abafado dos riffs, os solos de guitarra são cristalinos e em sua maioria não menos que espetacular, principalmente nas homéricas passagens flamencas. Temos também solos harmônicos que, junto a eventuais trechos de teclado sobreposto, criam a sinistra atmosfera melódica do álbum, que parece pouco, mas é o suficiente para não dar ao álbum um clima demasiado seco e de frieza de emoções.

Jorn Lande assume seu papel neste álbum brilhantemente, mantendo-se a maior parte do tempo fora do foco principal, o que sempre foi seu lugar por direito. Conhecendo seu grandioso alcance de voz, é frustrante ouvi-lo tão abafado ao ponto de, em alguns momentos, soar simplório. Tudo em prol da estranha fórmula deste álbum. Porém, Lande dá mostras de sua competência em vários trechos, como no belíssimo final de Burning Down e nos ápices intempestivos de Mother Love e Can’t Let Go.

Ark é uma aventura musical intrigante, inédita e autêntica. Possui todos os ingredientes que agradariam aos exigentes públicos da vertente experimental do metal progressivo.

Ark
Ark, 1999
Prog Metal (Noruega)

Lista de músicas:

Burning Down (5:26)
Where The Wind Blows (5:06)
The Hunchback Of Notre Dame (8:53)
Singers At The World's Dawn (6:56)
Mother Love (8:43)
Center Avenue (5:54)
Can't Let Go (9:44)

Tempo total: 50:42

Músicos:

Jørn Lande / vocal
Tore Østby / guitarras
John Macaluso / bateria

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Ark - Ark

1946 acessosResenha - ARK - ARK

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ark"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Ark"

VocalistasVocalistas
Alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso Metal

Iron MaidenIron Maiden
Caipiras finlandeses fazem versão de "The Trooper"

BeatlesBeatles
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

5000 acessosInspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado5000 acessosO lado escuro do rock: você acredita em magia negra?5000 acessosMetallica: Ultimate Classic Rock elege as 10 piores músicas5000 acessosRed Hot Chili Peppers: Novas músicas são tão boas quanto antigas1880 acessosUltimate Classic Rock: 10 shows com fogos de artifício impressionantes5000 acessosLinkin Park: Mike Shinoda opina sobre comentários de Chester Bennington

Sobre MATHEUS BERNARDES FERREIRA

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online