Blonde on Blonde: obra-prima de Bob Dylan faz 50 anos hoje

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Luiz Pimentel, Fonte: Blog do Luiz Pimentel
Enviar correções  |  Comentários  | 

Acho o Bob Dylan tão chato que faço quase questão de conscientemente esquecer as coisas relativas a ele. Só que no meio de toda genialidade atribuída a ele, há um período de dois anos que considero merecido o incenso.

5000 acessosGuns N' Roses: a trágica história do baixista fundador5000 acessosBruce Dickinson: foi difícil evitar as drogas durante tours

Entre 1965 e 66 ele lançou três discos que definiram seu potencial além do folk, que foram “Bringing it All Back Home” e “Highway 61 Revisited”, de 1965, e este “Blonde on Blonde”, de 1966. O disco é meia-obra-prima. Na minha opinião, claro. E digo meia porque foi lançado como álbum duplo e o disco 1 é bem melhor que o disco 2.

É um disco raivoso. Foi conduzido pouco depois do “Newport Folk Festival”, de 1965, que ficou famoso por Dylan se apresentar com guitarra e causar indignação nos puristas do gênero. Pete Seeger catou um machado e queria cortar toda eletricidade do palco durante a apresentação de Dylan, que foi mais vaiada que aplaudida por um público também purista.

Voltando ao “Blonde on Blonde”, é considerado com justiça pela maior parte dos fãs seu álbum definitivo. Depois disso ainda teve o “Blood on the Tracks”, que é um bom momento de sua carreira, ainda nos 1970, mas a obra desde então se filtrada não enche uma xícara de café.

Gosto tanto de esquecer as coisas relacionadas a ele que não lembro se li numa biografia do cantor ou se vi em algum documentário, mas a história que guardo desse disco é que a maioria das canções foram gravadas quase no improviso.

Ele começou a tentar gravar em Nova York, e como a coisa não ia como esperava mudou as sessões para Nashville. Convocou por lá o guitarrista e baixista Charlie McCoy (também na gaita), o guitarrista Wayne Moss, o guitarrista e baixista Joe South, o baterista Kenny Buttrey e Bill Aikins no teclado. Escrevia uma letra à tarde ou noite e de madrugada soltava um “um-dois-três” e os músicos que o acompanhassem. Depois de algumas vezes, achava um take bom e pau no gato para a próxima.

Tudo bem que tem grande licença poética nisso, mas é legal pensar que o maior disco do (reconheço) ícone da música foi registrado assim. Sete das minhas 10 músicas favoritas dele estão nesse disco:
"Rainy Day Women #12 & 35"
"Pledging My Time"
"Visions of Johanna"
"One of Us Must Know (Sooner or Later)"
"I Want You"
"Stuck Inside of Mobile with the Memphis Blues Again"
"Just Like a Woman"

Se tem duvida de por onde começar a ouvir Bob Dylan, fica a sugestão.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bob Dylan"

RockRock
Curiosidades para enriquecer seu conhecimento

Top 500Top 500
As melhores músicas da história segundo a Rolling Stone

Antes do festival...Antes do festival...
Um disco gravado em Woodstock marcou a história

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Bob Dylan"

Guns N RosesGuns N' Roses
A trágica história do baixista fundador que morreu afogado

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Foi difícil evitar as drogas durante as tours

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
"Eu detesto a expressão Heavy Metal!"

5000 acessosLegião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saída5000 acessosSimone Simons: a nudez na capa de Divine Conspiracy5000 acessosNicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester5000 acessosA História Impopular dos Rolling Stones - Livro 2 - Mick Taylor5000 acessosDream Theater: as 10 melhores músicas da banda5000 acessosBeatles: como seriam as mensagens por celular entre eles?

Sobre Luiz Pimentel

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online