Para entender: o que é power metal?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O power metal surgiu no final da década de 1970, e as duas bandas pioneiras do gênero foram o Judas Priest e, principalmente, o Rainbow. Mas foi apenas no início dos anos 1980 que o estilo começou a se popularizar e a se desenvolver de maneira consistente, com a aparição de uma geração de bandas europeias que deram seguimento às sementes plantadas pelo Rainbow e pelo Priest.

2078 acessosAngra: Edu Falaschi fala, em vídeo, sobre os membros da banda5000 acessosMax Cavalera: Explicando à Billboard o que houve com seus dentes

Há um certo senso comum entre os pesquisadores de que “Kill the King”, música presente no terceiro disco do Rainbow, "Long Live Rock 'n' Roll" (1978), foi a primeira composição a apresentar os elementos que caracterizariam o power metal nos anos seguintes. Estão ali o andamento acelerado, o clima épico, os vocais grandiosos, a técnica explícita dos músicos e uma letra falando sobre temas medievais.

Musicalmente, o power metal se caracteriza por combinar elementos do heavy metal tradicional e do speed metal, mantendo andamentos rápidos e a ênfase sempre na melodia e na harmonia. A imensa maioria das bandas do estilo utiliza vocais limpos, quase sempre com cantores com timbres altos e agudos. Alguns grupos incorporam aspectos sinfônicos e clássicos em suas composições, mas não de maneira tão profunda quanto as bandas de symphonic metal. Um ponto marcante do power metal está nas letras, que costumam explorar temas focados em fantasia e mitologia, com exemplos textuais específicos como as séries O Senhor dos Anéis e As Crônicas de Nárnia. Uma nova geração de bandas atualizou essa temática, trocando os temas vindos da literatura por letras que exploram histórias de guerras mais recentes, como é o caso do Sabaton.

Uma curiosidade interessante: no início da década de 1980, antes de o power metal ser considerado um subgênero do heavy metal, diversas bandas utilizavam o termo como forma de se diferenciar dos nomes mais clássicos e que estavam na estrada há mais tempo. O Metallica, por exemplo, utilizava a classificação “power metal” em um cartão de apresentação nos seus primeiros anos, como forma de dizer que a sua música era mais poderosa e agressiva do que aquele tipo de som que os metalheads estavam acostumados até então, de nomes como Judas Priest, Iron Maiden e outros.

Talvez o principal celeiro de bandas do estilo tenha sido a Alemanha, terra natal de nomes fundamentais para o power metal como o Helloween, Gamma Ray, Blind Guardian, Running Wild e Edguy. No entanto, o estilo também sempre foi forte em outros países. Os Estados Unidos, por exemplo, deram ao gênero nomes importantes como Virgin Steele, Riot e Iced Earth, além de serem a terra natal de uma das bandas responsáveis pelo rejuvenescimento do gênero, o Kamelot.

Aqui no Brasil o power metal é conhecido pelo termo “metal melódico” e possui uma enorme quantidade de fãs. Durante a década de 1990 e 2000, foi sem dúvida o tipo de som preferido da imensa maioria dos fãs de metal brasileiros, e um dos fatores fundamentais para isso foi a popularidade de bandas nacionais como Viper, Angra e Shaman.

Ainda que atravesse uma certa entressafra e queda de popularidade, o power metal segue dando ao mundo bandas muito interessantes. O Kamelot vem renovando o gênero ao inserir influências góticas em sua música. O Edguy faz o mesmo, mas trocando o gothic por aspectos de hard rock. Bandas como Sabaton, Dragonland, Theocracy, Sinbreed, Galneryus, Orden Ogan e Civil War lançaram discos excelentes nos últimos anos, mostrando que o estilo segue firme e forte.

Para quem quer saber mais sobre o power metal, segue um discografia selecionada do estilo:

Rainbow: "Rising" (1976) e "Long Live Rock 'n' Roll" (1978)

Judas Priest: "Sad Wings of Destiny" (1976), "Sin After Sin" (1977), "Stained Class" (1978) e "Killing Machine" (1978)

Riot: "Narita" (1979), "Fire Down Under" (1981) e "ThunderSteel" (1988)

Jag Panzer: "Ample Destruction" (1984)

Helloween: "Walls of Jericho" (1985), "Keeper of the Seven Keys Part I" (1987), "Keeper of the Seven Keys Part II" (1988), "Master of the Rings" (1994), "The Time of the Oath" (1996), "Better Than Raw" (1998) e" The Dark Ride" (2000)

Running Wild: "Under Jolly Roger" (1987), "Port Royal" (1988), "Death or Glory" (1989) e "Black Hand Inn" (1994)

Viper: "Soldiers of Sunrise" (1987) e "Theatre of Fate" (1989)

Gamma Ray: "Heading for Tomorrow" (1990), "Sigh No More" (1991), "Insanity and Genius" (1993), "Land of the Free" (1995), "Somewhere Out in Space" (1997), "Power Plant" (1999) e "Blast From the Past" (2000)

Sanctuary: "Into the Black Mirror" (1990)

Iced Earth: "Night of the Stormrider" (1991), "Burnt Offerings" (1995), "The Dark Saga" (1996), "Days of Purgatory" (1997), "Something Wicked This Way Comes" (1998) e "Horror Show" (2001)

Blind Guardian: "Somewhere Far Beyond" (1992), "Imaginations From the Other Side" (1995), "Nightfall in Middle-Earth" (1998), "A Night at the Opera" (2002), "At the Edge of Time" (2010) e "Beyond the Red Mirror" (2015)

Rage: "Trapped!" (1992), "Black in Mind" (1995) e "Soundchaser" (2003)

Angra: "Angels Cry" (1993), "Holy Land" (1996), "Rebirth" (2001) e "Temple of Shadows" (2004)

Virgin Steele: "The Marriage of Heaven and Hell Part I" (1994), "The Marriage of Heaven and Hell Part II" (1995) e "Invictus" (1998)

Stratovarius: "Episode" (1996), "Visions" (1997), "Destiny" (1998) e "Infinite" (2000)

Grave Digger: "Tunes of War" (1996) e "Knights of the Cross" (1998)

Edguy: "Vain Glory Opera" (1998), "Theater of Salvation" (1999), "The Savage Poetry" (2000), "Mandrake" (2001) e "Hellfire Club" (2004)

Kamelot: "Karma" (2001), "Epica" (2003), "The Black Halo" (2005) e "Ghost Opera" (2007)

Lost Horizon: "Awaking the World" (2001) e "A Flame to the Ground Beneath" (2003)

Avantasia: "The Metal Opera" (2001), "The Metal Opera Part II" (2002) e "The Scarecrow" (2008)

Shaman: "Ritual" (2002)

Masterplan: "Masterplan" (2003)

Hybria: "Defying the Rules" (2004)

Powerwolf: "Bible of the Beast" (2009)

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

5000 acessosPara entender: o que é Groove Metal?3419 acessosPara entender: o que é New Wave of American Metal?4949 acessosPara entender: o que é metalcore?1106 acessosPra entender: o que é post-punk?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

AngraAngra
Edu Falaschi fala, em vídeo, sobre os membros da banda

643 acessosKiko Loureiro: vídeo completo de workshop online do guitarrista293 acessosRio Rock City: melhores introduções de baixo da atualidade0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
Carta aberta de Edu Falaschi sobre a sua saída da banda

DesfalqueDesfalque
Quando a falta de um membro original faz a diferença

AngraAngra
Aquiles ou Confessori? Em vídeo, Bruno Valverde responde

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Helloween"0 acessosTodas as matérias sobre "Blind Guardian"0 acessosTodas as matérias sobre "Gamma Ray"0 acessosTodas as matérias sobre "Rainbow"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Max CavaleraMax Cavalera
Explicando o que houve com seus dentes

Guns N RosesGuns N' Roses
A versão de Axl sobre a separação da antiga formação

Death MetalDeath Metal
Menina de 6 anos detona no America's Got Talent

5000 acessosIron Maiden: versões pesadas para clássicos do Rock5000 acessosNightwish: CDs destruídos e ingressos de shows devolvidos5000 acessosMetallica: as 10 melhores músicas segundo a Loudwire5000 acessosOut: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista5000 acessosMachine Head: covers de Sepultura, Pantera, Iron & Metallica5000 acessosIron Maiden: a impressionante técnica de Nicko em uma drum cam

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 29 de março de 2016

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online