Guitarpedia: A carreira de um músico de apoio

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Adrian Dragassakis, Fonte: Careers in Music, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Ao decidir se tornar um músico profissional, lembre-se que existem vários caminhos para seguir sua carreira. Uma delas é o músico de apoio, também chamado de “sideman”. A função é acompanhar artistas ao vivo e atuar em estúdio gravando. Essa função exige que o músico tenha a habilidade de tocar diversos estilos de música. Músicos de apoio geralmente são trabalhadores autônomos, e quando não estão tocando, precisam lidar com questões burocráticas e administrativas da profissão, estar sempre em contato com outros músicos e, é claro, estudando.

169 acessosRobert Baker: cinco dicas de como melhorar suas frases de guitarra5000 acessosMetal Hammer: dez "estranhas" colaborações no metal

Músicos de apoio trabalham com produtores, líderes de bandas ou artistas solo e outros músicos.

Progresso

Nessa carreira progresso significa construir uma grande reputação ou obter uma taxa de remuneração mais elevada. “Você deve sempre aumentar sua network para conseguir mais trabalhos” é o conselho da musicista de apoio britânico Charlotte Glasson. “Varia bastante, dependendo do projeto. Muitas vezes eu consigo ganhos maiores por mais sessões de estúdio, tocando vários instrumentos.”

Conheça o Guitarpedia:
http://www.guitarpedia.com.br

Estudos

Curso superior nem sempre é necessário, mas um grande conhecimento em técnica e teoria musical é. Também é benéfico ao tocar diversos instrumentos. Glasson diz que cresceu improvisando e percebeu os benefícios ao ler partituras, o que economiza tempo nos estúdios, que por muitas vezes, cobram altos valores por tempo de uso. Mas também aperfeiçoou seu ouvido e a capacidade de fazer arranjos. “Sou uma musicista de Jazz, o que me obriga a ter uma boa técnica e muita experiência em vários estilos de música”. A melhor experiência a se ter pode ser resumida em tocar em diversos shows, conhecer e tocar com diversos músicos e aprender como esses músicos usam a linguagem para se comunicar.

Experiência e habilidades

Obter experiência nos palcos é essencial, não só pela técnica em si, mas por conhecer outros músicos e conseguir novas oportunidades de trabalho. A maioria dos músicos de apoio têm suas próprias bandas. Sobre habilidades, Glasson diz que é fundamental você ter uma cabeça fria e ser confiante, mas não ser arrogante para com suas habilidades. “Eu toco em várias bandas e nisso, há várias pessoas vendo e analisando o seu modo de tocar. Ler partituras é algo benéfico, assim como tocar de ouvido e se adaptar, de acordo com o que o artista pede.”

Personalidade

Procure não chegar atrasado em ensaios, shows e reuniões. Ao se atrasar, perderá “pontos” com o músico ou produtor que te contratou. É como se fosse em um emprego numa empresa convencional. “Trabalhei várias vezes com Herbie Flowers, baixista do Lou Reed em “Walk on the Wild Side” diz Glasson. “Ele sempre esteve 2 horas antes em tudo. Então, nunca esteve atrasado, sempre pôde tomar um café, comer algo antes de qualquer coisa, sem pressa.”

“Você tem que saber lidar com a pressão. Uma vez trabalhei com a orquestra da BBC em que o flautista não conseguia tocar direito, logo, tivemos que fazer a mesma peça um milhão de vezes. Para não ser esse cara, você precisa estar em foco, com a mente e corpo descansados. Você não vai querer ser a pessoa que vai arruinar tudo, não é?”

Estilo de Vida

Glasson diz fazer várias coisas para viver. Toca ao vivo com bandas, compõe arranjos, produz e mixa gravações, cria flyers e artes para cds, entre outras coisas em adição à sua função de musicista de apoio. “Todos os dias estou respondendo e-mails ou falando ao telefone. Tenho em média, de 4 a 7 shows por semana e algumas sessões de estúdio. Isso foi construído de boca em boca, de acordo com que eu fui conhecendo músicos, desde a minha adolescência. Não existe uma carga horária exata. Você pode ter que tocar hoje a noite e entrar no estúdio a manhã seguinte.” O mesmo vale para seus ganhos: procure aumentar seu network, faça contatos, deixe-os saber que você é um bom músico e valorize seu trabalho.

Glasson ainda recomenda que os músicos sejam ativos nas redes sociais, tenham um canal no Youtube, Website, Soundcloud e afins. Uma página no Facebook e Twitter também é interessante para mostrar seu trabalho às pessoas que você ainda não conhece.

Para mais artigos como esse, visite:
http://www.guitarpedia.com.br

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de fevereiro de 2016

PreçoPreço
Quanto mais caro, melhor o instrumento?

169 acessosRobert Baker: cinco dicas de como melhorar suas frases de guitarra231 acessosGuitarras: Steve Stine explica como fazer seu solo soar mais rock165 acessosGuitarpedia: 11 dicas para um comportamento mais profissional - Pt2192 acessosRecorde: sujeito toca guitarra por mais de 114 horas seguidas0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Instrumentos"

Obras de arteObras de arte
Alguns instrumentos únicos dos músicos do rock japonês

GuitarraGuitarra
Uma impressionante aula sobre estilos pessoais no Metal

SlayerSlayer
Gary Holt apresenta guitarra pintada com seu próprio sangue

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Instrumentos"

Metal HammerMetal Hammer
Dez estranhas colaborações no metal

Guns N RosesGuns N' Roses
Veja capa que Axl queria em AFD

Dream TheaterDream Theater
Os muitos segredos do álbum "Octavarium"

5000 acessosRock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 19855000 acessosIron Maiden: as dez melhores músicas, segundo a Loudwire5000 acessosZakk Wylde: O assassinato atribuido à "seita" do guitarrista5000 acessosOs brutos também amam: inclusive o Tom Araya5000 acessosÓdio: como um músico lida com isto pela internet?5000 acessosCatarina Migliorini: virgem gosta de Led, Purple, Sabbath e Floyd

Sobre Adrian Dragassakis

Nascido em 91, paulista, estudante de Jornalismo e músico nas horas vagas. Conheceu o Rock e o Metal com 11 anos de idade e até hoje carrega no sangue e nas veias bandas como Iron Maiden, Savatage, Dream Theater, Megadeth, entre outras...

Mais matérias de Adrian Dragassakis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online