Mas afinal... o que é rock progressivo?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Roberto Lopes
Enviar correções  |  Comentários  | 

King Crimson
King Crimson

Tortoise
Tortoise

Frank Zappa
Frank Zappa

No final de 2006, dois interessantes acontecimentos ligados à denominação "rock progressivo” apareceram no cenário musical, com declarações das bandas Iron Maiden e Linkin Park. A primeira denominou seu último trabalho de estúdio, "A matter of life and death" como progressivo ou, pelo menos, relacionado ao metal progressivo; já o Linkin Park afirmou que seu novo trabalho possuía elementos, ou ao menos influências, ligados ao progressivo. Apesar de isolados, essas afirmações deram um pequeno mas interessante combustível para a discussão do termo "rock progressivo", talvez um dos mais abertos a desentendimentos e confusões, até mesmo entre seus fãs.

Esta discussão, apesar de parecer desnecessária em um primeiro momento, é importante para desmistificar alguns conceitos equivocados dados ao estilo e que, de certa maneira, mostram que ele é muito mais complexo e difícil de ser classificado quanto se parece. Não existe na bibliografia ligada ao estilo uma convergência exata de quando e como o termo "rock progressivo" começou a ser utilizado. A mais aceita foi a de que o termo foi usado para definir bandas de rock que tinham influência da música clássica e do "avant-garde", usando alguns conceitos desses estilos em sua música. Aliás, o próprio termo "progressivo" em si vem de propostas e formas musicais adotadas por essas vertentes desde aproximadamente os séculos XVIII e XIX.

Apesar de vaga e de não explicar por que grupos como Rush e Uriah Heep, por exemplo, que não possuem influências de música clássica em sua sonoridade, são incluídos nessa classificação, essa foi a definição mais aceita sobre o surgimento do termo "rock progressivo", provavelmente direcionada a grupos ingleses como ELP, Yes, Renaissance e King Crimson, que possuíam clara influência de música clássica e, em menor escala, da música vanguardista em seu som.

Outro, e também frágil, consenso, em relação à utilização desse termo é que ele teve seu início com a crítica inglesa no lançamento do primeiro disco do King Crimson, "In the court of the crimson king", em outubro de 1969.

Na primeira metade dos anos 70, o termo rock progressivo dividia espaço com a também vaga classificação "art-rock", que posteriormente seria utilizada para definir grupos como Supertramp, Alan Parsons Project e Roxy Music. Outros termos relacionados, que também surgiram nessa época, como "mellotron music", "moog bands", "experimental rock" ou "classic rock" eram usados em casos isolados. A paritr de aproximadamente 1972 e 1973, surgiram na crítica especializada inglesa e estadunidense definições mais específicas sobre o termo, indicando também subestilos para o progressivo, como o "sinfônico" (ligado a bandas como o Yes, King Crimson e Genesis), "space rock" (ligado a grupos como Pink Floyd, Gong e Hawkwind) e "Krautrock" (referente a bandas experimentais alemãs como o Can, Neu!, Kraftwerk e Ash Ra Tempel). Apesar dessa classificação um pouco mais aprofundada, o termo rock (ou mais raramente música) progressivo ainda continuava um tanto vago, pois bandas tão díspares como ELP, Henry Cow e Faust acabavam sendo colocadas no mesmo saco, mesmo compartilhando, se muito, de uma remota semelhança sonora.

A vaga classificação também fez com que, ainda na década de 1970, artistas como David Bowie e Frank Zappa também fossem inclusos no rótulo de rock progressivo, mesmo que ambos, apesar de respeitarem o estilo e até com trabalhos relacionados a ele, rejeitassem veementemente essa denominação em sua música.

Nem todos os artistas, porém, rejeitavam-na. Pete Townshend, guitarrista e líder do Who, por exemplo, afirmou que trabalhos conceituais da banda como "Tommy" (1969) e "Quadrophenia" (1973) se encaixavam no estilo. Não obstante, apesar de serem trabalhos de grande qualidade, não tinham caracterísitcas que permitissem incluí-los dentro do rock progressivo.

A década de 80, com o gênero colocado na geladeira pela crítica, fez com que sua definição fosse, com exceções, apresentada apenas de forma pejorativa, como musica "chata", "pretensiosa", "megalomaníaca" e assim por diante... Alguma discussão acabou ocorrendo com o surgimento de uma cena de progressivo vanguardista nos EUA nesse período ou com algumas bandas de neo-progressivo como Marillion e Pallas, mas a crítica em si mostrou pouco interesse em divulgar ou analisar essas cenas mais a fundo. Pode-se, nesse mesmo período, ser citada também a ascenção da "New wave of British heavy metal", cena metal inglesa surgida no início dessa década, em que os grupos, entre várias influências, citavam o rock progressivo como importante no desenvolvimento de sua música. Mas esse aspecto também passou despercebido pela crítica.

Todavia, a classificação de "rock progressivo" começou novamente a ser discutida na entrada dos anos 90, principalmente com o surgimento de cenas como o metal progressivo e o post rock, que tinham influência clara do progressivo setentista, e de grupos como o Radiohead, Fantômas e Mr. Bungle, que acabaram sendo classificados como progressivos pela ineficiência da crítica em indicar algum estilo musical mais apropriado para eles. Por outro lado, alguns fãs mais antigos torceram (e ainda torcem) o nariz ao verem esses grupos citados como progressivos, por não se assemelharem aos medalhões dos anos 70. A discussão ainda não está totalmente encerrada, mas a simpatia de grupos como Dream Theater e Tortoise em chamarem sua música de rock progressivo dão animadores sinais da adesão desses estilos ao gênero.

Os sítios especializados em progressivo muitas vezes também ajudam a aumentar essa confusão sobre uma possível definição. Dois dos principais sítios de progressivo são o Gibraltar (http://www.gepr.net/genre2.html) e o Prog Archives (www.progarchives.com). Cada um deles, à sua maneira, tenta formas de encontrar novas influências ou subestilos do progressivo em outros estilos do rock. O primeiro, em sua excelente lista de classificação de subestilos, acaba englobando alguns um tanto inusitados como avant-jazz, sinfônico moderno e arena rock, relacionando outros como blues rock, industrial e até mesmo o punk e post-punk com alguma ligação ao progressivo. Apesar das explicações sob essas adições serem em parte coerentes, as mesmas confundem um leigo que tenta descobrir o que exatamente é o estilo. Em relação ao Prog Archives, o sítio criou um curioso subestilo denominado "prog-related", que inclui bandas e artitstas que possuem "relação" com o rock progressivo, com grupos como Iron Maiden, Led Zeppelin, Muse e até Masterplan ali inclusos. Apesar de louvável, a classificação se torna um tanto vaga, não definindo o que seria essa "relação", às vezes muito tênue, entre esses grupos e o progressivo. Em alguns casos, contudo, incluem nesse subestilo artistas claramente ligados ao progressivo, como o tecladista francês Jean Michel Jarre e a banda brasileira Cartoon.

Atualmente, o termo "rock progressivo" voltou a ter algum tipo de discussão sobre o que realmente um grupo ligado ao estilo deve possuir para poder ser classificado como tal. Em alguns países, entretanto, o termo está sofrendo um lento e gradativo desuso, em que o termo "progressivo" é usado apenas a um tipo de música ou proposta sonora e não a um "movimento" ou "cena" musical, o que, por sinal, nunca existiu realmente. Em algumas publicações, termos como rock sinfônico e Krautrock não mais se relacionam ao rock progressivo, mas são estilos próprios de rock, apenas com algumas características "progressivas". Como nos anos 70, um consenso em relação à classificação ainda está um pouco distante, mas algumas características adicionais, como a mistura de vários estilos musicais, longas faiaxas e quebras de tempo foram inclusas na classificação, tentando pelo menos diminuir a confusão em relação a essa análise.

Apesar de interessante e necessária, a questão do que seria, é ou pode ser progressivo acaba se tornando irrelevante para quem aprecia o estilo. Podemos, aliás, concluir este artigo definindo com precisão o que seria rock progressivo ou por que bandas tão distintas como Can, Pink Floyd, Tangerine Dream, Symphony X e Mogwai possuem realmente em comum: música de qualidade.


Roberto Lopes, 28, é arquivista e moderador do Ummagumma, onde é conhecido como bobblopes. O Ummagumma é um fórum que procura discutir todas as vertentes do progressivo. Todos estão convidados a visitá-lo e discutir a música progressiva, desde os medalhões sinfônicos até as bandas mais experimentais.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Ummagumma

5000 acessosMike Oldfield: não só "Tubular bells"2770 acessosAs novas faces do progressivo: Quaterna Réquiem2520 acessosAs novas faces do progressivo: Sleepytime Gorilla Museum5000 acessosOs novos caminhos do rock progressivo2850 acessosExtinção não é para sempre!5000 acessosDeath metal progressivo5000 acessosWhen Gabriel lies down on Genesis5000 acessosNew prog: renovação ou equívoco?5000 acessosLeitura progressiva1841 acessosAs novas faces do progressivo: Godspeed You! Black Emperor5000 acessosUmmagumma: os álbuns que marcaram os redatores do site5000 acessosO rock progressivo e os bootlegs5000 acessosAs novas faces do progressivo brasileiro5000 acessosCapas: Os grandes artistas do rock progressivo0 acessosTodas as matérias sobre "Ummagumma"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 04 de fevereiro de 2013
Post de 11 de setembro de 2014
Post de 09 de fevereiro de 2016
Post de 04 de dezembro de 2016

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Ummagumma"

Idade fatídicaIdade fatídica
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade

SexoSexo
Como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?

Yngwie MalmsteenYngwie Malmsteen
Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista

5000 acessosWest Ham: o time do coração de Steve Harris5000 acessosBruce Dickinson: Uma indireta para o Metallica em entrevista?5000 acessosCD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não é5000 acessosBlack Sabbath: da magia negra até o pó branco5000 acessosSammy Hagar: "os caras do Van Halen não pensam nos fãs"5000 acessosSteven Adler: autor de biografia diz ter sido enganado

Sobre Roberto Lopes

Arquivista, professor, cientista da informação e pseudo escritor de música nas horas vagas. Apesar de mais focado no Rock Progressivo e clássico, também curte metal, punk, rock alternativo e indie Rock.

Mais matérias de Roberto Lopes no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online