Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Mas afinal... o que é rock progressivo?

Por Roberto Lopes
Em 03/03/07

No final de 2006, dois interessantes acontecimentos ligados à denominação "rock progressivo" apareceram no cenário musical, com declarações das bandas Iron Maiden e Linkin Park. A primeira denominou seu último trabalho de estúdio, "A matter of life and death" como progressivo ou, pelo menos, relacionado ao metal progressivo; já o Linkin Park afirmou que seu novo trabalho possuía elementos, ou ao menos influências, ligados ao progressivo. Apesar de isolados, essas afirmações deram um pequeno mas interessante combustível para a discussão do termo "rock progressivo", talvez um dos mais abertos a desentendimentos e confusões, até mesmo entre seus fãs.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Esta discussão, apesar de parecer desnecessária em um primeiro momento, é importante para desmistificar alguns conceitos equivocados dados ao estilo e que, de certa maneira, mostram que ele é muito mais complexo e difícil de ser classificado quanto se parece. Não existe na bibliografia ligada ao estilo uma convergência exata de quando e como o termo "rock progressivo" começou a ser utilizado. A mais aceita foi a de que o termo foi usado para definir bandas de rock que tinham influência da música clássica e do "avant-garde", usando alguns conceitos desses estilos em sua música. Aliás, o próprio termo "progressivo" em si vem de propostas e formas musicais adotadas por essas vertentes desde aproximadamente os séculos XVIII e XIX.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de vaga e de não explicar por que grupos como Rush e Uriah Heep, por exemplo, que não possuem influências de música clássica em sua sonoridade, são incluídos nessa classificação, essa foi a definição mais aceita sobre o surgimento do termo "rock progressivo", provavelmente direcionada a grupos ingleses como ELP, Yes, Renaissance e King Crimson, que possuíam clara influência de música clássica e, em menor escala, da música vanguardista em seu som.

King Crimson
King Crimson

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro, e também frágil, consenso, em relação à utilização desse termo é que ele teve seu início com a crítica inglesa no lançamento do primeiro disco do King Crimson, "In the court of the crimson king", em outubro de 1969.

Na primeira metade dos anos 70, o termo rock progressivo dividia espaço com a também vaga classificação "art-rock", que posteriormente seria utilizada para definir grupos como Supertramp, Alan Parsons Project e Roxy Music. Outros termos relacionados, que também surgiram nessa época, como "mellotron music", "moog bands", "experimental rock" ou "classic rock" eram usados em casos isolados. A paritr de aproximadamente 1972 e 1973, surgiram na crítica especializada inglesa e estadunidense definições mais específicas sobre o termo, indicando também subestilos para o progressivo, como o "sinfônico" (ligado a bandas como o Yes, King Crimson e Genesis), "space rock" (ligado a grupos como Pink Floyd, Gong e Hawkwind) e "Krautrock" (referente a bandas experimentais alemãs como o Can, Neu!, Kraftwerk e Ash Ra Tempel). Apesar dessa classificação um pouco mais aprofundada, o termo rock (ou mais raramente música) progressivo ainda continuava um tanto vago, pois bandas tão díspares como ELP, Henry Cow e Faust acabavam sendo colocadas no mesmo saco, mesmo compartilhando, se muito, de uma remota semelhança sonora.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A vaga classificação também fez com que, ainda na década de 1970, artistas como David Bowie e Frank Zappa também fossem inclusos no rótulo de rock progressivo, mesmo que ambos, apesar de respeitarem o estilo e até com trabalhos relacionados a ele, rejeitassem veementemente essa denominação em sua música.

Frank Zappa
Frank Zappa

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nem todos os artistas, porém, rejeitavam-na. Pete Townshend, guitarrista e líder do Who, por exemplo, afirmou que trabalhos conceituais da banda como "Tommy" (1969) e "Quadrophenia" (1973) se encaixavam no estilo. Não obstante, apesar de serem trabalhos de grande qualidade, não tinham caracterísitcas que permitissem incluí-los dentro do rock progressivo.

A década de 80, com o gênero colocado na geladeira pela crítica, fez com que sua definição fosse, com exceções, apresentada apenas de forma pejorativa, como musica "chata", "pretensiosa", "megalomaníaca" e assim por diante... Alguma discussão acabou ocorrendo com o surgimento de uma cena de progressivo vanguardista nos EUA nesse período ou com algumas bandas de neo-progressivo como Marillion e Pallas, mas a crítica em si mostrou pouco interesse em divulgar ou analisar essas cenas mais a fundo. Pode-se, nesse mesmo período, ser citada também a ascenção da "New wave of British heavy metal", cena metal inglesa surgida no início dessa década, em que os grupos, entre várias influências, citavam o rock progressivo como importante no desenvolvimento de sua música. Mas esse aspecto também passou despercebido pela crítica.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Todavia, a classificação de "rock progressivo" começou novamente a ser discutida na entrada dos anos 90, principalmente com o surgimento de cenas como o metal progressivo e o post rock, que tinham influência clara do progressivo setentista, e de grupos como o Radiohead, Fantômas e Mr. Bungle, que acabaram sendo classificados como progressivos pela ineficiência da crítica em indicar algum estilo musical mais apropriado para eles. Por outro lado, alguns fãs mais antigos torceram (e ainda torcem) o nariz ao verem esses grupos citados como progressivos, por não se assemelharem aos medalhões dos anos 70. A discussão ainda não está totalmente encerrada, mas a simpatia de grupos como Dream Theater e Tortoise em chamarem sua música de rock progressivo dão animadores sinais da adesão desses estilos ao gênero.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tortoise
Tortoise

Os sítios especializados em progressivo muitas vezes também ajudam a aumentar essa confusão sobre uma possível definição. Dois dos principais sítios de progressivo são o Gibraltar (http://www.gepr.net/genre2.html) e o Prog Archives (www.progarchives.com). Cada um deles, à sua maneira, tenta formas de encontrar novas influências ou subestilos do progressivo em outros estilos do rock. O primeiro, em sua excelente lista de classificação de subestilos, acaba englobando alguns um tanto inusitados como avant-jazz, sinfônico moderno e arena rock, relacionando outros como blues rock, industrial e até mesmo o punk e post-punk com alguma ligação ao progressivo. Apesar das explicações sob essas adições serem em parte coerentes, as mesmas confundem um leigo que tenta descobrir o que exatamente é o estilo. Em relação ao Prog Archives, o sítio criou um curioso subestilo denominado "prog-related", que inclui bandas e artitstas que possuem "relação" com o rock progressivo, com grupos como Iron Maiden, Led Zeppelin, Muse e até Masterplan ali inclusos. Apesar de louvável, a classificação se torna um tanto vaga, não definindo o que seria essa "relação", às vezes muito tênue, entre esses grupos e o progressivo. Em alguns casos, contudo, incluem nesse subestilo artistas claramente ligados ao progressivo, como o tecladista francês Jean Michel Jarre e a banda brasileira Cartoon.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Atualmente, o termo "rock progressivo" voltou a ter algum tipo de discussão sobre o que realmente um grupo ligado ao estilo deve possuir para poder ser classificado como tal. Em alguns países, entretanto, o termo está sofrendo um lento e gradativo desuso, em que o termo "progressivo" é usado apenas a um tipo de música ou proposta sonora e não a um "movimento" ou "cena" musical, o que, por sinal, nunca existiu realmente. Em algumas publicações, termos como rock sinfônico e Krautrock não mais se relacionam ao rock progressivo, mas são estilos próprios de rock, apenas com algumas características "progressivas". Como nos anos 70, um consenso em relação à classificação ainda está um pouco distante, mas algumas características adicionais, como a mistura de vários estilos musicais, longas faiaxas e quebras de tempo foram inclusas na classificação, tentando pelo menos diminuir a confusão em relação a essa análise.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar de interessante e necessária, a questão do que seria, é ou pode ser progressivo acaba se tornando irrelevante para quem aprecia o estilo. Podemos, aliás, concluir este artigo definindo com precisão o que seria rock progressivo ou por que bandas tão distintas como Can, Pink Floyd, Tangerine Dream, Symphony X e Mogwai possuem realmente em comum: música de qualidade.


Roberto Lopes, 28, é arquivista e moderador do Ummagumma, onde é conhecido como bobblopes. O Ummagumma é um fórum que procura discutir todas as vertentes do progressivo. Todos estão convidados a visitá-lo e discutir a música progressiva, desde os medalhões sinfônicos até as bandas mais experimentais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Comente: O que é rock progressivo na sua opinião?


Ummagumma

Mike Oldfield: não só "Tubular bells"

As novas faces do progressivo: Quaterna Réquiem

As novas faces do progressivo: Sleepytime Gorilla Museum

Os novos caminhos do rock progressivo

Ummagumma: A onda de retornos de grupos consagrados atingiu o progressivo

Death metal progressivo

When Gabriel lies down on Genesis

New prog: renovação ou equívoco?

Leitura progressiva

As novas faces do progressivo: Godspeed You! Black Emperor

As novas faces do progressivo brasileiro

Capas: Os grandes artistas do rock progressivo

Todas as matérias sobre "Ummagumma"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Roberto Lopes

Arquivista, professor, cientista da informação e pseudo escritor de música nas horas vagas. Apesar de mais focado no Rock Progressivo e clássico, também curte metal, punk, rock alternativo e indie Rock.

Mais matérias de Roberto Lopes.