Zebra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Allan Jones
Enviar correções  |  Comentários  | 

O Zebra foi um trio que fazia o mais puro hard rock com pitadas de progressivo. Não vá imaginar que era algo como o Rush, pois existe uma grande distância entre a sonoridade das suas bandas. O Zebra, apesar de também ter um vocalista com um timbre bem agudo, não fazia músicas de 10 minutos.

5000 acessosHeavy Metal: as 10 capas mais "de macho" de todos os tempos5000 acessosEm 09/12/2004: Dimebag Darrel é assassinado a tiros durante show

A banda se formou em 1975 em Nova Orleans, com Randy Jackson (vocais e guitarra), Felix Hanneman (baixo e teclado) e Guy Celso (bateria).

Durante a década de 70, a banda suou no underground, fazendo shows na sua terra e nos estados vizinhos. Vez por outra gravavam uma demo tape, mas isso não rendia muito.

Com a entrada dos anos 80, a sorte resolveu sorrir para a banda, e a Atlantic Records se interessou por suas demo-tapes. O produtor Jack Douglas foi contratado para produzir o debut da banda, e sabiamente o produtor redirecionou o seu som e a sua postura para a nova tendência que surgia, o Hard Californiano.

O álbum “Zebra” (83) se tornou um récorde para a gravadora Atlantic, pois foi o lançamento que mais rápido alcançou premiações. Na estréia o disco já estava na 29º posição da Billboard. Embalados pelo hit “Tell Me What You Want”, o Zebra começou a fazer shows “Sold-out” na terra do Tio Sam.

Apesar do sucesso, a banda não era levada a sério. Os que conheciam a banda desde o início estavam desapontados com a nova linha que estavam seguindo.

“No Tellin Lies” saiu em 84 e parecia uma continuação do disco de estréia. Não causou o mesmo impacto, mas manteve a banda na mídia, apesar da crítica não gostar.

A banda deu uma parada e retornou aos estúdios de onde só sairiam em 86 com o disco “3V”. O álbum foi a rendenção, pois a banda mostrou todo seu potencial no material contido. Apesar de tudo, o público já não os queria e o álbum fracassou comercialmente.

A Atlantic já demonstrava que não mais tinha interesse na banda, e eles também não insistiram. Em 1990, um disco ao vivo ainda foi jogado na praça, talvez em respeito aos (poucos) fãs que a banda havia conseguido.

Cada integrante seguiu seu caminho. Randy foi tocar no China Rain e em seguida no Jefferson Airplane. Os outros dois se juntaram em um disco batizado de Rock Candy.

Em 97 a banda se juntou para uma turnê de reunião, ao mesmo tempo que a gravadora soltava a compilação ”The Best Of Zebra: In Black And White”.

Um novo álbum só sairia em 2003, com o título de “Zebra IV”, e novamente a banda ficou no anonimato.

O insucesso do Zebra talvez seja em razão deles terem começado em um estilo e de terem caído para outro em busca de notoriedade, isso desapontou os admiradores que haviam conseguido em sua fase “Underground”. A banda não emplacou em meio ao hard californiano, pois o público sabia que eles não faziam parte daquele meio e estavam lá apenas para aproveitar a onda.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Farofa?Farofa?
7 bandas estigmatizadas pelo rótulo de "hard farofa"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Zebra"

Heavy MetalHeavy Metal
Manowar e outros entre as capas mais "de macho"

Em 09/12/2004Em 09/12/2004
Dimebag Darrel é assassinado a tiros durante show

Capas de álbunsCapas de álbuns
30 das piores artes da história

5000 acessosJoão Gordo: Ed Motta tem razão, brasileiro não tem noção mesmo!5000 acessosPower Metal: 10 álbuns essenciais do estilo5000 acessosA História da Tatuagem: Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos5000 acessosMetallica: Lars Ulrich quer saber quem é que ainda compra o "Black Album"5000 acessosBlack Sabbath: "God is Dead?" leva Ozzy para mais perto de Deus5000 acessosLemmy Kilmister: "Os banqueiros deveriam ir para a cadeia"

Sobre Allan Jones

É carioca, tem 23 anos e ouve rock desde pequeno. Suas principais influências são dos anos 70 e 80. Fez vários trabalhos relacionados ao rock, desde programas de rádio até promoção de eventos. Além disso, é músico e também faz trabalhos relacionados ao teatro. Oficialmente trabalha para a secretaria de fazenda de uma prefeitura de um município do Rio. Atistas prediletos: Kiss, Alice Cooper, Van Halen, Todd Rundgren, Asia, Kansas, Journey e as bandas do cenário do hard oitentista.

Mais matérias de Allan Jones no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online