Instrumentos: As origens e o desenvolvimento do baixo elétrico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor Martins
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em 1951, um norte-americano chamado Leo Fender cria o baixo elétrico, sendo ele também o criador da guitarra elétrica. O primeiro baixo elétrico foi chamado de Precision, o nome "Precisão" foi dado, porque os tradicionais contrabaixos acústicos possuem o braço totalmente liso (sem trastes), o novo instrumento incorporava trastes, assim como as guitarras. Esse fator faz com que a afinação do baixo tenha precisão. Mas a revolução fundamental que representa o baixo elétrico frente ao contrabaixo é a amplificação do som.

Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosRoqueiros conservadores: a direita do rock na revista Veja

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se a solução antigamente havia sido aumentar a caixa de ressonância, transformando o violino em um instrumento imenso e com cordas muito mais grossas, desta vez a solução foi inserir uma pastilha eletromagnética no corpo do instrumento para que o som fosse captado. Além do mais, a redução do tamanho do instrumento permitiu aos baixistas transporta-lo com mais facilidade.

Deve-se dizer que antes de 1951, na década de 1930, houve arriscadas e valentes tentativas de se fazer o mesmo, principalmente por parte de Rickenbacker. Mas se mencionei o Precision de 1951 como o primeiro baixo elétrico é porque ele foi o primeiro que se pode considerar como tal, já que o anterior entraria na categoria de protótipos. Como é lógico, depois vieram outros modelos (como o Jazz Bass, também da Fender).

Os músicos de jazz e blues, a princípio, acharam a idéia interessante mas mantiveram-se em seu tradicionalismo. O baixo elétrico só veio à tona com Miles Davis.

Nos anos 60, o papel do baixista segue sendo, basicamente, o mesmo que nos anos 50: um suporte harmônico de fundo. A partir de 1967, o baixo elétrico começa a aparecer, fundamentalmente no rock'n roll. É prova disto o Festival de Woodstock em 1969.

Os anos 70 apresentam a maturidade do baixo. Os produtores começam a prestar mais atenção no potencial do instrumento e o contrabaixo assume uma importância maior, como no surgimento da disco music. São fundamentais também o surgimento do rock progressivo, o jazz fusion, o latin rock, o heavy metal, o punk, o reggae, o funk e o soul. O baixo acústico se limita apenas aos setores mais tradicionais, como jazz, blues e ritmos tipicamente latinos, assim mesmo já rivalizando com o elétrico. E neste ano também aconteceu a popularização do baixo fretless (o baixo elétrico sem-trastes), servindo para simular o som do contrabaixo acústico.

O desenvolvimento da década de 80 apresenta a maturidade de alguns estilos musicais e o desaparecimento de outros. Percebe-se neste período que o baixo já não é imprescindível, e que pode facilmente ser trocado por um sintetizador. A massificação da dance music deixa de lado o baixo, ainda que sua linha ainda esteja presente, mesmo que sintetizada. Mas isto não acontecia apenas com o baixo, mas também com a guitarra e a bateria, já que o sintetizador era o instrumento da moda do início da década de 80.

Esta tendência de trocar todos os instrumentos por um só foi passageira, e os grupos voltaram, sejam eles de rock ou jazz, tanto o baixo elétrico quanto o acústico estavam novamente no palco. O jazz começava a abrir um campo para o baixo elétrico também, de modo que este seria o instrumento solista para alguns produtores, resgatando uma tradição há anos esquecida no funk dos anos 70.

Nos anos 90, as inovações continuaram como, por exemplo, na quantidade de cordas do instrumento, diferenças de timbres e diversificação de utilização do instrumento, também começaram a ser gravados exclusivamente discos de baixistas solo. Diversos equipamentos com tecnologia avançada de muti-efeito para baixo e novos modelos de baixos começam a ser produzidos.

Abaixo descrevo as partes do instrumento, sendo usado como exemplo um baixo de seis cordas.

NOMES DAS PARTES DO INSTRUMENTO

Itens:

1 = corpo
2 = braço
3 = mão
4 = escala
5 = tensores
6 = trastes

HARDWARE

Itens:

1 = ponte
2 = potenciômetros (regulagens do volume e equalização dos captadores)
3 = cordas
4 = tarrachas
5 = marcação das casas
6 = captadores (pickups).

Victor Martins é baixista da banda Colony
Victor Martins é baixista da banda Colony



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Instrumentos"


Guitarras e Baixos: Perguntas e RespostasGuitarras e Baixos
Perguntas e Respostas

Marty Friedman: Guitarristas, não percam seu tempo com música instrumentalMarty Friedman
"Guitarristas, não percam seu tempo com música instrumental"


Black Sabbath: avó de Iommi era brasileira e pais eram católicosBlack Sabbath
Avó de Iommi era brasileira e pais eram católicos

Roqueiros conservadores: a direita do rock na revista VejaRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja


Sobre Victor Martins

Victor Martins é músico profissional e professor, atualmente é baixista do COLONY (cd COLONY ALIVE) e violonista do Carpe Diem Duo. Em sua carreira já acompanhou vários artistas, entre eles Rafael Vanucci (Casa dos Artistas). Leciona em São Paulo, Capital (Zona Oeste) ou em domicílio. Fone para contatos: (0xx11) 3942-1166 / 8322-5753.

Mais matérias de Victor Martins no Whiplash.Net.

adGoo336