Epica: Jovens, mulheres, pais com filhos e headbangers em POA

Resenha - Epica (Bar Opinião, Porto Alegre, 03/03/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Guilherme Dias
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
A banda holandesa Epica, referência no metal sinfônico mundial, esteve em Porto Alegre pela terceira vez. Dessa vez para divulgar o seu último trabalho, “The Quantum Enigma”, lançado em Maio de 2014. O local escolhido para a apresentação foi novamente o bar Opinião (tradicional casa de shows porto-alegrense). Um público diversificado ocupava as áreas do local, entre eles: muitos jovens, muitas mulheres, muitos pais acompanhando os seus filhos e é claro, os velhos headbangers de sempre.

Fotos por: Liny Oliveira
facebook/photoslinyoliveira

Enquanto tocava a intro “Originem” no som mecânico, a banda entrava em cena com belas luzes azuis iluminando o palco. Primeiramente Ariën van Weesenbeek (bateria), em seguida Coen Janssen (teclado), Rob Van Der Loo (baixo), e Isaac Delahaye (guitarra) ao mesmo tempo em que o fundador, vocalista e guitarrista Mark Jansen. A ruiva Simone Simons (vocal) completou a formação da banda para juntos tocarem “The Second Stone”. Simone perguntou para o publico se estava tudo bem (no bom e velho português gringo) e declarou que era ótimo retornar para o Brasil. Completando a dobradinha que abre o novo álbum, tocaram “The Essence of Silence”, com ótima participação de Mark Jansen nos vocais guturais.

Mark Jansen agradeceu a participação do público no primeiro momento e anunciou "The Last Crusade" (do segundo disco do Epica, "Consign to Oblivion" de 2005). Em seguida "Unleashed" ("Design Your Universe", 2009) e "Storm the Sorrow" ("Requiem for the Indifferent", 2012). Em "Fools of Damnation", o agora careca Coen Janssen saiu do fundo do palco e se juntou aos colegas que fazem a linha de frente. Coen fez solos com seu teclado portátil, que possui uma forma curvada muito exótica.

Nesse momento interagiu bastante com o público e principalmente com Isaac, sempre que possível tocavam na mão um do outro. Em determinado momento do show, Isaac inclusive dividiu sua guitarra com Coen e tocaram ao mesmo tempo, com a mesma guitarra.

A linda Simone Simons anunciou uma surpresa para os gaúchos. Uma surpresa não tão boa, para falar a verdade. Simone ofereceu duas ótimas músicas para o público escolher entre uma delas apenas. A opção número 1 foi "Natural Corrupition" e a número 2 foi "Sensorium". A opção número 2 nitidamente agradou mais aos fãs, que receberam a canção presente no primeiro disco da banda, "The Phantom Agony" (2002). Além de "Sensorium", os holandeses também tocaram "Cry for the Moon" do álbum debut, que recebeu uma atenção especial por parte dos fãs.

Populares nos últimos tempos, os "flash mobs" são atividades programadas pelos fãs antes dos shows, com o objetivo de surpreender as bandas. Para o Epica o "flash mob" combinado pelos fãs foi o de levantar cartazes escritos "Forever and Ever" (trecho de "Cry for the Moon") durante a canção. Uma das folhas chegou nas mãos de Simone, que revelou ter gostado bastante da atitude do público.

O famoso solo de bateria, que aparece no set-list de praticamente todos os shows de heavy metal teve presença com Ariën, que não deixou o solo soar chato, pois não se prolongou por muito tempo. As músicas pesadas fizeram a banda bater cabeça o show inteiro, motivando o público a fazer o mesmo.

Na volta do bis, Coen voltou para frente do palco com o seu teclado portátil, pedindo as palmas dos fãs. "Sancta Terra" ("The Divine Conspiracy", 2007), "Unchain Utopia" e "Consign to Oblivion" finalizaram a apresentação em solo gaúcho. Antes de saírem do palco, todos na banda jogaram set-lists, toalhas e garrafas de água para os fãs, além de baquetas e palhetas que eram arremessadas o tempo inteiro para quem estava a frente do palco. Também tiraram a famosa foto com o público atrás e fizeram pose para os seus fãs, estendendo uma bandeira gigantesca do Rio Grande do Sul, que foi jogada no palco.

O humor do Epica no palco foi fundamental para a ótima apresentação. Brincadeiras paralelas entre os integrantes e sorrisos para os fãs fizeram a diferença. A iluminação extra trazida pela banda deixou o cenário ainda mais atrativo para uma grande noite, que foi muito especial.

Set-list completo:

The Second Stone
The Essence of Silence
The Last Crusade
Unleashed
Storm the Sorrow
Fools of Damnation
Sensorium
The Obsessive Devotion
Victims of Contingency
Cry for the Moon
Design Your Universe
Sancta Terra
Unchain Utopia
Consign to Oblivion

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Epica"

Epica
Entrevista de Simone Simons para a Playboy

Feias que me perdoem
Musas do Rock e Heavy Metal

Epica
Se você tirar toda a orquestração, a banda é Death Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de março de 2015

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Epica"

Amazonas
Homem convencia garotas a fazer sexo para montar grupo

G. G. Allin
No mundo dele Ozzy apresentaria programas infantis

Freddie Mercury
Um espírito livre, criativo, generoso, cheio de energia e talento

Dimmu Borgir: Silenoz se considera um satanista?"Anselmo, o rei da mentira", diz namorada de DimeIron Maiden: uma curiosa versão de "Aces High" em portuguêsLetras Estúpidas 2: o mais tosco e vulgar no Rock nacionalEagles: ouça impressionante versão metal de "Hotel California"Iced Earth: "Dar vida às músicas não é algo que gira em torno do vocalista!"

Sobre Guilherme Dias

Sou Guilherme Figueiró Dias, de Porto Alegre, estudante de educação física, tenho 23 anos e sou fanático por música e futebol, especialmente hard rock e heavy metal. Preferências entre Helloween, Gamma Ray, Pink Cream 69, Bon Jovi, Hellacopters, Michael Kiske, entre outros. O que gosto realmente de fazer (além de torcer, cantar e pular pelo Grêmio na Geral) é curtir um bom show das bandas que eu adoro e tomar umas cervejas pra celebrar a vida.¨

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online