Metal Nacional: Bianchi, Mancini e Andreoli comentam a cena

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Metal Nacional: Bianchi, Mancini e Andreoli comentam a cena

Postado por Marcelo Prudente | Fonte: Rockonstage

  | Comentários:

Se você pensar em heavy metal nacional os três primeiros nomes que logo vêem à cabeça são Sepultura, Angra e Shaman. Lógico que há inúmeras bandas com qualidade de sobra, mas essas são referência tanto no mercado nacional quanto internacional. Fomos bater um papo com Thiago Bianchi (Shaman), Leo Mancini (Shaman) e Felipe Andreoli (Angra), onde os músicos contam novidades da carreira, comentam o panorama do heavy metal no Brasil e planos futuros. Sem mais delongas, Shaman e Angra...

A matéria foi originalmente publicada no RockOnstage e no Jornal do Interior.

Vocês lançaram no ano passado o álbum, Origins. Como tem sido a recepção até o momento?

Thiago Bianchi: Nós estamos na melhor fase da banda! Infelizmente, o que não está é o heavy metal no Brasil.

Leo Mancini: Tem muita gente elogiando, dizendo que o disco está legal. Tanto crítica quanto os fãs.

Thiago: Só está difícil mesmo a cena!

Você diz em relação a ter bons lugares para tocar, boas produções e público?

Thiago: O heavy metal está em baixa! Temos convocado os ‘metaleiros’ para ir para cima, por que as pessoas parecem ter interesse apenas na internet. O disco, Origins, está vendendo bem, por incrível que pareça nessa época da MP3, mas nos shows falta comparecimento do público.

Origins é um disco conceitual com uma estória que remete ao nome da banda. Vocês poderiam nos contar um pouco mais sobre o conceito do disco?

Thiago: É a estória do nosso mascote, Amagat, que aparece nas capas dos álbuns. A idéia foi contar a origem desse xamã, que é um avatar assim como Jesus, Krishna e Buda. Ele era um garoto de uma tribo que se negou estudar para ser um guerreiro, com isso fugiu para o meio da floresta, e lá, através da meditação, se iluminou e voltou para sua tribo como um xamã. Assim começava a estória do xamã. É como se o álbum se entregasse ao Ritual (primeiro disco da banda), por que é bem a origem dele e vai até onde acontece o enredo de Ritual, que é outra mudança para o personagem. Talvez continuemos contar essa estória no próximo disco. Veremos...

Vocês foram a fundo ao xamanismo ou foi tudo interpretação de vocês dentro desse conceito?

Thiago: É um conceito dentro de um conceito. É a nossa interpretação. Nossa intenção não é trazer a religião xamã, mas, sim, iluminação espiritual através da música e não pelo xamanismo.

O álbum, Origins, poderia ser considerado o sucessor de Ritual, visto que em Reason a banda parecia sem foco e perdida quanto a sua identidade e em Immortal ainda tratava de aparar as arestas para um vôo pleno?

Leo: Com certeza! No álbum Immortal eu, Thiago e Fernando estávamos entrando na banda e nos conhecendo musicalmente. Tínhamos o Ricardo (fundador da banda) como influência e, lógico, como norte de nossas concepções musicais, de modo a não nos perdermos da linha de composição. Ou seja, Immortal foi um CD muito importante para nos conhecermos musicalmente. Depois começamos a compor o Origins, que não foi um disco rápido de fazer como Immortal. Levamos um pouco mais de tempo. Mas foi bom por termos tido tempo de trabalhar e maturar melhor as idéias.

Thiago: Temos orgulho do Immortal! Por que remontar; escolher membros novos e ter o disco em nossas mãos com encarte foram seis meses. A diferença, como falei no começo da entrevista, que o momento está ruim para o metal. O Shaman com a formação antiga formação e nossos amigos do Angra pegaram o ápice do heavy metal e talvez o fim de uma era, por que a música faliu no Brasil e está a caminho no Mundo. Você liga o rádio e não escuta música, escuta apenas jingles!

Mas você não acha que metal sempre andou na sombra, mais no underground?

Thiago: Não! Os shows gringos estão cada vez mais lotados. O Metallica lotou o estádio do Morumbi dois dias seguido e as bandas brasileiras estão com cada vez menos público. Eu acho isso um insulto! Temos coisas consagradas mundo afora, como: carnaval, mulata, feijoada, caipirinha e o heavy metal brasileiro. O Brasil tem o Angra, Shaman, Krisiun, Sepultura... Lá fora somos idolatrados, aqui dentro não! Como uma banda brasileira não lotou um estádio sozinha? Isso é inaceitável a meu ver! Essas bandas eram para lotar estádios há muito tempo.

Isso não é um pouco do ranço de nos acharmos colônia?

Thiago: Exatamente! É ranço de ser um povo colonizado. Enquanto tivermos essa mentalidade isso não vai mudar. Se você escutar os nossos discos e da turma do metal nacional, é perfeito cara! Eu acredito que o Angra, Sepultura e, desculpe a honestidade, o Shaman estão entre as melhores bandas de metal do mundo. Brasil é um celeiro de talento, está na hora de olharmos para o que é nosso.

Não parece aquela velha estória de ter que ir para ‘gringa’; ser valorizado lá e depois voltar para fazer sucesso aqui?

Thiago: Mas a gente já fez isso!

Felipe Andreoli: Antigamente isso tinha algum valor, por que era muito difícil ir pra fora do país. Mas, hoje em dia, é muito fácil. Veja o Torture Squad, Shaman, Mindflow, Shadowside... Todo mundo já tocou lá fora! Isso não quer dizer mais nada. E cada vez mais os gringos estão vindo no Brasil e nós com essa atitude de colono. O público lota show de helloween e Stratovarius, mas ninguém vai aos shows das bandas brasileiras.

Thiago: Nós somos celebrados na internet, mas na hora de pagar ingresso para o show, o cara não paga. Só está faltando uma conscientização geral de vamos valorizar.

Hoje, a banda parece mais à vontade soando melhor e mais precisa, o que reflete o Shaman como uma unidade. Isso se deve ao fato de terem tido mais tempo para elaboração do álbum e, lógico, estarem tocando juntos há algum tempo?

Leo: Sim! Hoje sabemos o que fazer e a hora de fazer.

Thiago: Nós nos despimos do ego, assim como conta a estória do álbum. Não tivemos a frescura de quem fez o que, só medimos o que é bom ou ruim. Independente de quem vinha.

Leo: Com isso, tivemos a liberdade de chegar a um consenso e equilíbrio.

Isso é muito difícil dentro de uma banda?

Thiago: É quando os egos não deixam. Na verdade, é tudo muito fácil, desde que você atinja um nível de maturidade e tenha capacidade de abrir mão em favor do outro.

Felipe: As pessoas não praticam esse desapego. Ás vezes, a pessoa tem uma idéia e luta por ela mesmo que o resto da banda esteja contra. Não há o desapego: a maioria não está gostando da idéia, qual a próxima?

E foi o oposto disso na gravação do álbum?

Leo: Sim! Foi super tranqüilo. Não teve nenhum atrito.

O disco foi produzido pela própria banda, o que parece reforçar o que comentei sobre a banda ser, hoje, uma unidade. Assumindo a produção do álbum, essa foi realmente a meta?

Thiago: Com certeza, liberdade total até chegar ao Ricardo (risos - brincadeira)! Por que ele é a pessoa que “shamaniza” as músicas. É a visão de toda essência da banda. Nós pegamos a idéias, organizamos e entregamos mastigado, com isso, ele pode dar o direcionamento.

Leo: Esse processo aconteceu mais no disco Immortal, nesse álbum foi mais tranqüilo!

Thiago: É tudo muito claro: Leo aparece com as músicas prontas, nós dificilmente mexemos nelas, já vêm bem prontas. Mas quando não é assim ele aparece com instrumentais. O Fernando (baixista) e eu fazemos muito melodias e refrãos, e eu, geralmente, dou conceito de idéias de letras e estórias e o Ricardo ‘shamaniza’.

Finnaly Home é o primeiro single e vídeo clipe. A canção trata da simplicidade, com a idéia que o menos é mais? Vocês acreditam que hoje vivemos num ritmo frenético talvez injustificável?

Thiago: Finnaly Home é o momento, na estória do disco, que Amagat se ilumina e percebe que tudo isso aqui não significa nada! O que significa, na verdade, é o amor que você tem pela própria vida, por isso ele se sentia em casa. Esse é o motivo das pessoas e das diferentes etnias presentes no vídeo clipe. E essas são etnias marcadas por terem que se deslocarem de suas terras, entretanto, conseguiram achar sua casa em outro lugar, por que na verdade a casa está dentro de você!

O que o Shaman nos reserva para o futuro?

Leo: Turnês! Muitos shows!

Vocês lançaram o DVD com a orquestra Tcheca, mas há planos de gravar algo dessa turnê?

Thiago: Passou isso pela nossa cabeça, mas acho que uma coisa de cada vez. Nós estamos tentando trabalhar esse disco como deve ser trabalhado e fazer mais shows, que é uma coisa que estamos tendo um pouco de dificuldade.

A demanda de shows internacionais está tirando esse espaço?

Thiago: Fomos tocar na Argentina semanas atrás, na quinta-feira teve Tarja; na sexta o Shaman, sábado Ozzy Osbourne e domingo Slash. Como competir com isso?

Felipe: Sabe o que eu acho engraçado: A molecada nos vê tocando e vão comprar instrumentos e se matam de estudar, mas não vão a show. Como eles querem ser músicos, se eles mesmos não servem de público, vão tocar para quem?

Thiago, nos últimos meses você movimentou o público heavy metal com a publicação de uma carta. Do que se trata essa carta? Onde você queria chegar com sua publicação? E do que se trata Metal Prol Brasil?

Thiago: É tudo o que a gente comentou no começo da entrevista. Eu estou cansado de ver meus colegas, músicos, chateados com o que fazem. É uma mistura de amor e ódio. O Brasil perderia muito sem Felipe Andreoli; Leo Mancini; Angra; Andreas Kisser; Andre Matos; Ricardo Confessori... Isso para mim dói, cara! Eu não estou nem ai para quem não gostou. Eu vou falar o que acho e fazer o que considero que tem que ser feito.

Thiago: O Metal Prol Brasil é uma iniciativa para mover a galera em assinar um documento para que seja instituído no Brasil o dia do metal. Isso vai mudar muito? Não vai! Mas, pelo menos, mostra que o pessoal está começando a fazer alguma coisa. Quem sabe o mês de Novembro passa a ser o mês do metal no Brasil, com as casas noturnas tocando metal, o que acaba instigando as pessoas irem e comparecerem. É fazer algo pela nossa classe, e eu me orgulho disso e posso falar: estou fazendo algo.

Você sentiu um feedback positivo?

Thiago: Colocamos o site no ar e já passou das cem mil inscrições. O endereço é metalprolbrasil.com. Em breve, teremos uma caixa postal no ar. Tem gente trabalhando. Estamos começando fazer barulho!

Leo, além do Shaman, você anda bem ocupado com sua carreira solo, a qual você acabou de lançar um disco, Acoustic Hits. Conte-nos um pouco mais sobre o disco.

Leo: O Acoustic Hits foi idealizado pelo dono da gravadora Turbo Music, que é a antiga gravadora do Shaman. Eu tinha um material gravado há muito tempo atrás no formato acústico, e eu queria fazer um presente para meus familiares, com isso, fui a essa empresa para fazer as capas, e um dos caras da gravadora pediu que deixasse alguns discos para o pessoal escutar. No dia seguinte, eles me ligaram convidando para fazer um disco comigo, comentei que estava focado no Shaman e não teria tempo. Eles ficaram uns oito meses tentando me convencer, mas só aceitei quando tive tempo para trabalhar o disco como deveria e eu queria como fazer tudo sozinho, gravar no meu estúdio, elaborar os arranjos e ter alguns amigos como convidados.

O disco tem rendido bons frutos, prova disso é a canção, Kiss From a Rose, na trilha sonora da novela, Araguaia.

Leo: Eu terminei o disco no final de 2008, mas o pessoal da gravadora sugeriu esperar o momento certo para lançar o CD. Em Julho de 2009 a gravadora comentou que estava em conversa com a Som Livre e que eles tinham gostado do material. Passou um tempo, e como eu estava trabalhando bastante, acabei desencanando. Um dia recebi e-mail de uma amiga, que é fã do Shaman, dizendo que tinha comprado meu disco. Ninguém me falou que o disco fora lançado! Liguei para Turbo Music e não sabiam também do lançamento do álbum. Isso aconteceu por que a gravadora tinha parceria com a Som Livre, ou seja, havia autonomia deles em lançar o material. E começou assim! Eu estava em restaurante e uma pessoa comentou que tinha escutado minha música na novela Malhação. Com uma coisa levando a outra, uma das músicas chegou à outra novela, Araguaia.

O que representa para você ter uma música numa grande mídia como a tevê Globo?

Leo: Antigamente ter uma música numa novela era uma coisa muito grande. Hoje em dia, é mais pelo reconhecimento. Abre portas, lógico! Mas era uma coisa que eu não esperava e foi um bom reconhecimento.

E como está a situação do Tempest?

Leo: O Tempest está finalizando o segundo cd. Só precisamos acertar algumas participações internacionais.

Você pode nos adiantar quem serão essas participações?

Leo: Quando o pessoal do Winger veio agora no Brasil, eles passaram no estúdio para ouvir nosso CD e o Kip Winger aceitou o convite de participar do álbum. Outro nome é Tim Reaper que topou na hora o convite. Há ainda outra pessoa, mas não posso falar por que o convite ainda vai ser feito.

Qual a previsão de lançamento?

Leo: É para o começo do segundo semestre.

E como foi a experiência de tocar com grandes nomes do hard rock e metal como Tim Reaper e Jeff Scott Soto?

Leo: A primeira vez que eu toquei com Jeff foi em 2002, e foi também a primeira vez que toquei com alguém de fora, então, foi legal e tenso ao mesmo tempo. Depois disso já fizemos outros trabalhos juntos como turnê pela Europa. Eu estou escrevendo uma música para o novo álbum dele, que tem participações de Richie Kotzen e Nuno Bittencourt.

O que vocês plantaram em 2002 estão colhendo agora.

Leo: É isso ai!

Obrigado pela entrevista. O espaço é de vocês...

Leo: Obrigado pela companhia, por seguir nossa carreira. Espero vê-los nos shows. Música para todos!

Thiago: Acessem nosso myspace – shamanimmortal e nosso twitter - @shamanofficial. Muito obrigado. E Keep Rockin’!

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Entrevistas
Todas as matérias sobre "Shaman"
Todas as matérias sobre "Angra"

Tapping: Felipe Andreoli explica a técnica com faixa do Angra
Gamma Ray: vídeos de show com Tobias Sammet e Fabio Lione
Rafaell Bittencourt: ensinando novas bandas no Injeção na Testa
Judas Priest: Painkiller e seus diversos covers
Edu Falaschi: confira vídeos para o especial Yamaha
Edu Falaschi: vocalista fala sobre Rock In Rio e vídeo polêmico
Rafael Bittencourt: desafios e riscos com Roberto Shinyashiki
Rafael Bittencourt: cervejas em vídeo com Ardanuy e Michel Leme
Angra: conheça o Angragode e o Progpagod da Bahia
Angra: finalmente revelado o que é "Z.I.T.O."
Noturnall: Um renascimento para músicos que vieram pra ficar
Kiko Loureiro e Felipe Andreoli: Em bate-papo com fãs
Angra: Show em Rio Branco confirmado para turnê em maio
Rafael Bittencourt: presença no festival Tamo Aí na Atividade
Rafael Bittencourt: vídeo de gravação no novo álbum do Symmetrya

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Marcelo Prudente

Marcelo Prudente, 28 anos, nascido em Volta Redonda/Rio de Janeiro. É profissional da área de Comunicação, trabalha com Publicidade e Jornalismo. Começou a tomar gosto pela música quando criança por influência dos pais e tio. Louco pela carreira do velho madman, Ozzy Osbourne. Curte também Iron Maiden, Kiss, Rammstein, Rob Zombie, Alice Cooper, etc. E já perdeu a conta dos bons shows que já assistiu e dos ótimos discos que tem. Para mais informação: http://rockonstage.blogspot.com/. Long live to Rock n' Roll.

Mais matérias de Marcelo Prudente no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas