Therion: o Mistério de Sitra Ahra

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Therion: o Mistério de Sitra Ahra

Por Adriano C. Monteiro

  | Comentários:

O grupo THERION não envolve somente boa música, mas também todo um plano conceitual filosófico, ocultista e mitológico. A temática do THERION é sobre Filosofia Oculta em geral e Magia Draconiana em particular, especificamente no que diz respeito à Ordem Dragon Rouge, da qual fazem parte Christofer Johnsson (fundador do THERION) e Thomas Karlsson (fundador da Dragon Rouge e letrista do THERION).

“THERION” significa “besta” em grego e é uma referência ao álbum “To Mega Therion”, da banda suíça CELTIC FROST, e ao controverso e polêmico magista inglês Aleister Crowley, que tinha o mote de “A Grande Besta”: “To Mega Therion”. “THERION” também se refere a certas ideias no contexto da Dragon Rouge, estando relacionada às palavras “Deggial” e “Sorath”, a besta solar, presentes em algumas músicas (e neste texto).

Imagem
Nesta matéria vamos buscar desvendar um pouco do que envolve o último trabalho do THERION, intitulado “Sitra Ahra”, e pincelar levemente outras referências que aparecem em alguns dos álbuns anteriores que, até mesmo, apresentam algumas invocações realizadas nos rituais da Dragon Rouge. A matéria tem muita informação condensada que pode valer a pena ser lida mais de uma vez para uma melhor assimilação, caso o leitor se interesse mais.

O álbum abre com a faixa-título, falando sobre o outro mundo, o “Outro Lado”, ou seja, “Sitra Ahra” (em hebraico), presente também na música “Nightside of Eden”, do álbum “Theli”. Mas esse “Outro Lado” não é meramente o Além, o mundo dos espíritos dos mortos, mas sim um universo primordial, um universo caótico pré-cósmico que antecede a existência do universo conhecido, este último representado pela Árvore da Vida cabalística conhecida como Árvore Sephirótica (aquele famoso diagrama com dez círculos visíveis e um “invisível” e suas interligações, representando planos e níveis psicomentais e espirituais cósmicos). Por outro lado, Sitra Ahra, o “Outro Lado”, tem sua representação na Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, chamada de Árvore Qliphótica (há uma referência a essa Árvore também na música “Lepaca Kliffoth”, do álbum homônimo). É essa Árvore do Conhecimento que é mencionada na letra da música “Sitra Ahra” logo no início: “Tree of disbelief (...)”; é a essa Árvore que a letra se refere quando diz “Pass to the sea of darkness/ to another world (...) Join me to the Other Side/ The Nightside of the Paradise”. O diagrama dessa Árvore Qliphótica aparece na horizontal, com seus onze círculos qliphóticos e uma concha na extremidade, na capa de “Sitra Ahra”. Conchas são também todas as onze esferas do diagrama, referidas na letra da música “The Shells Are Open”, do “Sitra Ahra”.

A capa de “Sitra Ahra” é muito interessante e enigmática para aqueles que conhecem e também para aqueles que ainda não conhecem a temática do THERION e a filosofia oculta da Dragon Rouge. A Árvore que aparece na ilustração do álbum, como mencionado, é a Árvore Qliphótica de maneira invertida, ou seja, o mundo de Sitra Ahra. O círculo dessa Árvore do Conhecimento que está em primeiro plano com a concha representa a qlipha chamada Thaumiel – na Árvore da Vida, é a sephira (“emanação”) Kether (“Coroa”). A "flor" que surge da qlipha Thaumiel é uma flor e é uma concha (que significa "qlipha", em hebraico, singular de “qliphoth”). Como flor, representa o chakra Sunya (“Vazio”), que está além do chakra da coroa (o conhecido Sahashara), acima da cabeça humana (chakras – “rodas”, em sânscrito – são centros energéticos na anatomia oculta humana). Dessa "concha-flor" o que surge é uma pedra bruta conhecida como Diamante Negro (“Black Diamond”, do álbum “Vovin”, e da música “In the Desert of Set”, do “Theli”), que é uma outra representação do chakra negro Sunya. Sunya é o “Vazio” que Tudo contém, paradoxalmente, e é chamado também de Olho do Dragão, Olho de Set, Olho de Lúcifer e Olho de Shiva (o que é evidente nas músicas “Emerald Crown”, do álbum “Deggial”, e “Eye of Shiva”, do álbum “Vovin”). Esse Olho, quando aberto, significa a destruição de toda Ilusão do cosmos, do universo manifestado criado por uma entidade chamada Demiurgo, um deus de restrição, estagnação e escravidão. Essa destruição da Ilusão (Maya) e da personalidade egoica possiblita a assimilação e experiência individual do Real na primeva Noite anticósmica, em seu sentido suprafísico, que pode ser acessada por meio de certas técnicas e “chaves” (isso é referido na música “Clavicula Nox”, “Chave da Noite”, do álbum “Vovin”).

Imagem
Considerando-se a interessante temática theriônica, o leitor já deve ter percebido que Sitra Ahra é um mundo sinistro e aparentemente distante... Mas não necessariamente maléfico, como se poderia imaginar equivocadamente. Sitra Ahra, o “Outro Lado”, o “Lado Sinistro”, é o Reino das Trevas que precedem a Luz da Criação. É o reino da deusa sinistra Lilith, citada na letra da música “Sitra Ahra” como a “Rainha das Qelipot”, sendo o mundo dos poderes femininos que criam do caos, que gestam a vida na escuridão; é o Útero de toda a vasta do universo manifestado e não-manifestado, a fonte de toda a existência. Mitologicamente, Sitra Ahra é a “morada” das “deusas” Lilith, Kali, Hekate, Tiamat, etc., o lado noturno ou sinistro da “eterna” Sofia. Nesse sentido, outros nomes correspondentes a Sofia são Shekinah, Shakti, Vênus, Diana, Astaroth, Freja, entre outras, também mencionados ao longo das obras do THERION, em músicas como “Dark Princess Naamah” (do álbum “Symphony Masses”), “The Beauty in Black” (do “Lepaca Kliffoth”), “Invocation of Naamah” (do “Theli”), “Birth of Venus Illegitima” e “Morning Star” (do álbum “Vovin”), “Ship of Luna” e “Via Nocturna” (do “Deggial”), “Vanaheim”, (do “Secret of the Runes”), “Dark Venus Persephone” (do “Sirius B”), “The Perennial Sophia” e “Wisdom and the Cage” (do álbum “Gothic Kabbalah”).

No sistema aqui mostrado, Sofia se une à Luz de seu filho e esposo Lúcifer (“Portador da Luz”, em latim), no próprio indivíduo, por meio do fruto proibido (fruto também mencionado na letra de “Sitra Ahra”) para expandir a consciência que abarca o universo primordial pré-cósmico, onde está toda a sabedoria oculta cujos ínfimos fragmentos estão espalhados em nosso universo visível e material. Sitra Ahra é, portanto, o plano primevo, o caos primordial (o “pandemônio” mencionado na letra da música) representado de maneira organizada pelos círculos da Árvore Qliphótica e pela estrela de onze pontas que também aparece em todos os álbuns do THERION desde o “Theli”. A organização do caos qliphótico em um diagrama ou mapa é necessária para estudo, compreensão e para a prática visando a acessar os reinos de Sitra Ahra.

Imagem
Em nível meramente humano, Sitra Ahra é o reino do subconsciente no qual a sabedoria secreta (Sofia, etc) vem à consciência do indivíduo que atingiu a iluminação (Portador da Luz, Lux-ferre, o Daemon “socrático”, referido na música “Emerald Crown”, do álbum “Deggial”). Isso é mencionado na letra de “Sitra Ahra” como os “segredos revelados”. Essa iluminação só é possível com a “entrada” do “Ungido” no mundo de Sitra Ahra para “resgatar” a Sabedoria lá oculta nas Trevas, no “Lado Noturno do Paraíso” (conforme a letra da música também nos diz). Quer dizer, quando Lúcifer resgata sua esposa Sofia (Diana, Shakti, etc.) lá no “Outro Lado”, em Sitra Ahra. Mas o que é ser “ungido”, no contexto do Draconismo que permeia o THERION?

“Ungido” é todo aquele que desperta o Dragão-Serpente de Sabedoria, Leviathan, Kundalini, Theli (este último também referido no álbum de mesmo nome). Esse Dragão serpentino é a energia psicossexual que sobe até a cabeça e ilumina a consciência com um lampejo de sabedoria, manifestando o Anti-Logos Draconiano (a “voz da serpente”, conforme nos diz novamente a letra de “Sitra Ahra”). A unção serpentina e draconiana então “sacrifica” o corpo de Adam Belial, ou seja, o corpo do ser humano material se transforma fisica e fisiologicamente. Assim, o indivíduo se transforma no iniciado, tornase Ophis-Christos, Nachash-Messiah, ou, em outras palavras, “Serpente Ungida”, do grego/hebraico ophis/nachash (“serpente”) e christos/messiah (“ungido”), não tendo isso nada a ver com o famoso Jesus das massas. A Serpente Ungida é, portanto, o “Dragão” manifestado no indivíduo (“Vovin”, em língua enochiana, novamente referido em outro álbum do THERION). O iniciado então se converte no filho e amante de Sofia-Lilith, o verdadeiro Filósofo, Amante da Sabedoria (a “Perennial Sophia” do álbum “Gothic Kabbalah”).

Imagem
Pelo que precede, Sitra Ahra é também o reino da Besta (“To Mega Therion”, “Deggial”, outras músicas da banda), a besta solar Sorath, filho e consorte da Sofia Ilegítima. É a Besta iniciadora, o “Dragão” mestre dos Mistérios das Trevas, Trevas onde a Sabedoria está oculta. Em Sitra Ahra, o conhecimento “proibido” e “inacessível” (o “fruto proibido” da música “Sitra Ahra”) pode ser buscado e é onde a Árvore do Conhecimento cresce. Simbolicamente, é essa árvore do Éden que possui os 11 frutos pertencentes a cada um dos Reis de Edom (outra música do álbum “Sitra Ahra”), os reis que governam cada uma das qliphoth de Sitra Ahra sob o poder de Shekinah, ou Sofia, a Sabedoria da Serpente do Éden, e o Dragão-Serpente Lúcifer-Vênus (Abzu-Tiamat, Samael-Lilith, também mencionados nas músicas do THERION). Nesse ponto, é facilmente notável uma aproximação entre os 11 frutos da Árvore do Paraíso, os 11 monstros gerados por Tiamat e os 11 reis de Sitra Ahra, o mundo da Magia Draconiana (cujo número-símbolo também é 11, o número da décima primeira esfera, ou concha qliphótica da Árvore). Onze é a redução de 218, a corrente anticósmica e caótica de Sitra Ahra, a corrente draconiana, e a síntese dos 11 reis de Edom, dos 11 monstros de Tiamat, dos 11 “demônios” das Qliphoth e da Árvore do Conhecimento, tudo isso por vezes chamado sinteticamente de Azerate por outras vertentes ocultas tais como o Templo da Luz Negra.

É importante mencionar também que a palavra “demônio” vem do grego “daemonos”, significando originalmente “espírito” ou “deus”, sem os conceitos populares de “bem” e “mal”, mas indiferente e isento de qualquer conotação moral religiosa ou pejorativa em voga. Ao longo da história, sabe-se que os “deuses” de um povo ou religião sempre se tornaram os “demônios” de outro povo ou religião... São conceitos realmente relativos...

A esta altura, já se pode ter um breve e “intrincado” vislumbre de toda a temática abordada nas letras do THERION, que para muitos são obscuras, incompreensíveis e talvez misteriosas... Mais uma vez, caso o leitor tenha mais interesse, é recomendável repetir a leitura de todo esse conteúdo para uma melhor assimilação.

No contexto theriônico aqui apresentado, a mera luz não é o bem absoluto e as trevas não são o mal absoluto; essa dicotomia absurda não existe na “vida prática” da natureza e do universo. O bem e mal como são conhecidos somente existem por meio dos atos humanos. E qualquer luz somente pode ser perceptível sobre o fundo negro das trevas essenciais. Luz, em nosso plano, significa manifestação do universo vísivel e da vida multifacetada em tons gradativos de luz e escuridão. Escuridão significa o universo invisível, o universo B, o Caos primordial de onde tudo surgiu. E, como toda moeda, um lado não pode existir sem o “outro lado” (Sitra Ahra)...

Up the Therions!

PS: Caro leitor, esta matéria tem unicamente o intuito de informar algo sobre o trabalho temático
da banda, sobre o simbolismo e a mensagem por trás das letras em seus devidos contextos,
independentemente das crenças pessoais de quem quer que seja. Se você gostou do texto,
comentários inteligentes são sempre bem-vindos. Se não gostou, você pode também esquecer
esta matéria e poupar o seu tempo não “trollando”, demonstrando assim maturidade e
inteligência. \\m/

Referências bibliográficas e discográficas:
ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia. Editora Abril, 1979.
CROWLEY, Aleister. The Holy Books of Thelema. Weiser Books, 1983.
GRANT, Kenneth. Nightside of Eden. London: Skoob Books, 1994.
HALL, Calvin S./Nordby, Vernon J. Introdução à Psicologia Junguiana. Editora Cultrix, 1993.
KARLSSON, Thomas. Qabalah, Qliphoth and Goetic Magic. Jacksonville: Ajna, 2007.
KING, L.H. Enuma Elish. FQ Classics, 2007.
NIETZSCHE, Friedrich W. Além do Bem e do Mal. LP&M, 2008.
ROBINSON, James M. A Biblioteca de Nag Hammadi. Madras Editora, 2006.
SVOBODA, Robert E. Aghora - At the Left Hand of God. Bellingham: Sadhana Publishing, 1999.
THERION. Symphony Masses: Ho Drakon Ho Megas (Music CD booklet). Pavement Records, 1993.
THERION. Lepaca Kliffoth (Music CD booklet). Nuclear Blast, 1995.
THERION. Theli (Music CD booklet). Nuclear Blast, 1996.
THERION. Vovin (Music CD booklet). Nuclear Blast, 1998.
THERION. Deggial (Music CD booklet). Nuclear Blast, 2000.
THERION. Secret of the Runes (Music CD booklet). Nuclear Blast, 2001.
THERION. Sirius B (Music CD booklet). Nuclear Blast, 2004.
THERION. Gothic Kabbalah (Music CD booklet) Nuclear Blast, 2007.
THERION. Sitra Ahra (Music CD booklet) Nuclear Blast, 2010.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Curiosidades
Todas as matérias sobre "Satanismo e Ocultismo"

Korn: para Davis nem todo assassinato tem a ver com Satã
Surrender Of Divinity: vocal morto por não acreditar em Satanás
Behemoth: Satanás é vida, amor e liberdade, diz Nergal
Religião: Top 10 citações sobre Deus e o Diabo
Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo
Megadeth: Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatos
Behemoth: ex-noiva de frontman multada por ofender religião
Vultos Vocíferos: satanismo para demonstrar liberdade
Belphegor: álbum relançado para cumprir pacto Luciferiano.
Zakk Wylde: assassinato atribuido a "seita" de guitarrista
Mayhem: "Quero que Necrobutcher conheça o amor de Deus"
Therion: boa música, filosofia, ocultismo e mitologia
King Diamond: ele é satanista, e não meramente marqueteiro
Number Of The Beast: o custo true do server Whiplash.Net
Megadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Adriano C. Monteiro

Adriano C. Monteiro é licenciado em Letras e um sincero apreciador de heavy/rock.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas