Aerosmith: Os 35 anos de "Live! Bootleg"

Resenha - Live! Bootleg - Aerosmith

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Giovanni G. Melo, Fonte: Ultimate Classic Rock, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Existe uma máxima que diz que o ano de 1978 foi "o ano dos álbuns ao vivo" por causa de uma série de lançamentos, agora lendários, incluindo "If You Want Blood (You’ve Got it)" do AC/DC, "Some Enchanted Evening" do BLUE OYSTER CULT, "Stage" de David Bowie, "Two fo the Show" do KANSAS, "Double Live Gonzo" de Ted Nugent, "All Night Long" de Sammy Hagar, "Bursting Out" do JETHRO TULL, "Bring It Back Alive" do THE OUTLAWS, "Live and Dangerous" do THIN LIZZY, "Tokyo Tapes" do SCORPIONS, "At Budokan" de Bob Dylan e "Live in New York" de Frank Zappa.
Aerosmith: músicas pouco tocadas devem voltar ao setSimone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Entre todos estes álbuns, o "Live! Bootleg" do AEROSMITH (lançado em outubro de 1978) foi único, de todas as maneiras. Enquanto a maioria dos discos listados acima foram beneficiados com correções certeiras em estúdio, muitas vezes sendo remixados e com overdubs adicionados antes de chegarem às prateleiras das lojas, "Live! Bootleg" fez jus ao seu nome, com uma inclassificável arte de capa, áudio fiel ao executado, sequenciamentos de canções descuidados e, às vezes, performances zoadas da própria banda. Agora, se esta apresentação surpreendentemente honesta do AEROSMITH foi intencional ou se foi o melhor que puderam obter da banda no auge de seu envolvimento com substâncias ilícitas, isso é até passível de discussão, entretanto é inegável o entusiasmo sobre o resultado final.

Para começar, ao contrário dos outros álbuns mencionados anteriormente que foram alterados em estúdio, "Live! Bootleg" fez questão de ser uma apresentação ao vivo real e não parecer uma experiência de um concerto perfeito. A qualidade do áudio e o barulho do público variam de música para música, gravações feitas em galpões enormes, pequenos clubes e até uma sessão de rádio é sequenciada de forma indiscriminada. Performances de clássicos do AEROSMITH como "Back in the Saddle", "Sweet Emotion", "Lord of the Thighs, "Walk This Way" e "Dream On" executadas espontâneamente sempre à beira da genialidade da banda.

"Live! Bootleg" inclui, decididamente, interpretações sujas de "Back in the Saddle", "Toys in the Attic" e "Last Child", sem prejuízo, e você ainda encontra, sem aviso prévio, uma versão de "Draw the Line" no final da canção "Mother Popcorn"... e ainda pode ouvir fogos de artifícios em "Mama Kin".

Em suma, "Live! Bootleg" é uma bagunça espetacular, que retrata bem o que o AEROSMITH era no final dos anos 1970 e, portanto, não é só uma reprodução de um show fantasticamente divertido. É talvez o mais autêntico disco ao vivo daquele período. Vamos deixar isso para debate no fórum abaixo, mas, seja qual for sua decisão pessoal, todos temos que concordar que é um grande álbum que continua entretendo, confundindo e maravilhando gerações, tantos anos depois.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Aerosmith
Steven Tyler demonstra mágoa com banda em sua autobiografia

Aerosmith: músicas pouco tocadas devem voltar ao setBastille: cover para "I Don't Want To Miss A Thing", do AerosmithAlta Fidelidade: Aerosmith ou Stones... Quem é melhor ao vivo?Todas as matérias e notícias sobre "Aerosmith"

Total Guitar
Os melhores e piores covers da história

Steven Tyler
Jantar farto e comida a moradores de rua em Porto Alegre

Aerosmith
Top 10 da banda, segundo a Ultimate Classic Rock

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Aerosmith"

Simone Simons
"Rammstein me faz querer mexer a bunda"

Mulheres e guitarras
As mais importantes segundo a Gibson

Avril Lavigne
Aprenda com Rihanna como fazer um meet & greet

Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichCretin: transexual rompe barreiras no metal extremoGhost: qual a identidade secreta de Papa Emeritus?Kiss: banda foi banida de diversas rádios devido a polêmica de SimmonsBackward Messages: Mensagens ao contrário em músicas de RockLegs McNeil: o jornalista que popularizou o termo "Punk"

Sobre Paulo Giovanni G. Melo

Mineiro de Belo Horizonte. Fã de Hard Rock e Heavy Metal, especialmente a partir dos anos 80, não dispensa um disco ao vivo destes estilos. Entre várias de suas bandas preferidas estão Ratt, Aerosmith, Buckcherry, The Cult, Whitesnake, Whitecross, Guns N´ Roses e Motley Crue.

Mais matérias de Paulo Giovanni G. Melo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online