Crushing Axes: Momentos brutais, atmosféricos e sinfônicos

Resenha - Ascension of Ules - Crushing Axes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Bem, desde que no início dos 90, várias ‘one man band’ surgiram aqui e ali, no Metal mais extremado, vez por outra, vemos projetos assim surgindo vez por outra, alguns muito legais, outros nem tanto, mas todos com o mérito da tentativa. O que, aliás, é uma parte muito boa do mundo do Metal: fazer o seu som, sem se prender a certas limitações.
Heavy Metal: 10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhosGhost: De quais bandas brasileiras eles gostam?

O CRUSHING AXES é mais um desses projetos musicais, e este CD, chamado ‘Ascension of Ules’, se de um lado peca por uma produção sonora mediana e abafada, o que tira um pouco do brilho que sua música pede, possuiu uma sonoridade bem personalizada e as músicas são muito, muito boas, que nos faz ouvir o CD e esperar que logo venha algo novo da parte de Alex, compositor e responsável por todos os instrumentos.

A arte da capa é uma pintura clássica, e outra no mesmo estilo ilustra a parte traseira, ou seja, algo bem simples, mas funcional e digno de nota. Agora, ouvindo o som, sai de baixo, pois é algo bem surpreendente, já que sua música é uma mistura de estilos extremos, com vocais guturais bem postados, guitarras muito bem tocadas, cozinha com trabalho musical e peso nas medidas certas, e muitas inclusões de música clássica e regional em vários momentos, com corais e teclados bem colocados. Poderíamos definir como um Metal bem brutal em dados momentos, e em outros, extremamente atmosférico e sinfônico, ao ponto do CD ser dividido em três atos diferentes (‘Decadence of Evil’, ‘Banned Pilgrim’ e ‘Ashes of Divinity’), como várias peças de música clássica. Sem comparações que venham a comprometer o trabalho, podemos dizer que é uma mistura personalizada de PAZUZU e um SATYRICON em seus momentos mais amenos, com um HAGGARD mais seco e agressivo.

Imagem
Musicalmente variado, mas com o nível das músicas bem acima da média, acaba sendo meio difícil destacar esta ou aquela faixa, o que seria uma injustiça, mas podemos ver alguns na forte e agressiva ‘Decay of the Almighty’, e os mesmos elementos serão encontrados em ‘Journey Through the Dark’; já em ‘Abyss of Death’, temos vocais limpos e um andamento extremamente climático, folk e progressivo; ‘Misanthropy’ retoma a agressividade; a belíssima ‘Flagellated Mind’ (que tem a participação especial feminina na linda voz de Jéssica Araújo); a bruta ‘Bloodpaint’; a semi-clássica ‘A Flash of Memories’; em ‘The Return (Invanding the Garden), temos uma faixa não tão rápida, mas instigante, e na densa e melancólica ‘Final Consideration (Vazio)’.

Resumindo: um disco de estréia muito bom, que cria boas expectativas para o futuro, no qual esperamos ver mais trabalhos da banda.

Tracklist:

01. Decay of the Almighty’
02. Awakening
03. Long Way to Nowhere
04. Journey Through the Dark
05. Abyss of Death
06. Misanthropy
07. Flagellated Mind
08. Bloddpaint
09. A Flash of Memories
10. The Return (Invanding the Garden)
11. Sweet Killing
12. Final Consideration (Vazio)

Contatos:

http://www.facebook.com/pages/Crushing-Axes/211284495588490?...
http://www.myspace.com/crushingaxes
http://www.reverbnation.com/crushingaxes

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Ascension of Ules - Crushing Axes

Crushing Axes: Do extremo às passagens melódicas/acústicasCrushing Axes: Projeto vai do épico ao pós-moderno

Todas as matérias e notícias sobre "Crushing Axes"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crushing Axes"

Heavy Metal
10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhos

Ghost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

AC/DC
Axl conta por que Angus vive correndo no palco

Regis Tadeu: o chororô insuportável do Red Hot Chili PeppersGuns N' Roses: os esqueletos guardados no baú da bandaJudas Priest: Rob Halford compara Lady Gaga a MadonnaSlash conta qual foi o disco que mudou sua vidaMike Portnoy: "Bateria não é trabalho para fracotes"Kerrang: os melhores singles já lançados

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online