Arsis: tendo o Trivium como sua principal influência

Resenha - Starve for the Devil - Arsis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Quem acompanha a cena metalcore sabe o quanto ela é prolífica. Bandas surgem em cada esquina, novos grupos são formados a todo momento. Isso faz que, naturalmente, para cada Trivium – uma banda realmente inovadora, com discos consistentes e que merece o espaço que conquistou – venham à tona dezenas de bandas não tão boas assim. Esse é o caso do Arsis.
Tempo implacável: os rockstars também envelhecem parte 2Bob Dylan: é dele a "Maior Música de Todos os Tempos"

Natural de Virginia Beach, nos Estados Unidos, o Arsis é um quarteto formado atualmente por James Malone (vocal e guitarra), Nick Cordle (guitarra), Nathaniel Carter (baixo) e David Kinkade (bateria). O grupo já tem quatro discos gravados – "A Celebration of Guilt" (2004), "United in Regret" (2006), "We are the Nightmare" (2008) e "Starve for the Devil" (2010). Vamos nos prender nesse último nessa resenha.

Lançado em 9 de fevereiro de 2010 lá fora, "Starve for the Devil" ganha agora uma versão nacional pela Paranoid Records. O som do Arsis é um metalcore repleto de melodias de guitarra e com vocais bastante raivosos. O destaque imediato vai para os solos, muito bem construídos e que merecem atenção.

O CD abre com “Forced to Rock”, com variações rítmicas e boas melodias, além de algumas características que beiram o thrash. “A March for the Sick” tem guitarras bastante similares à clássica e imortal “Raining Blood”, do Slayer. Mais uma vez, os solos e as melodias de guitarra se destacam. O disco segue por esse caminho, trilhando um caminho seguro, sem maiores inovações, e que deve agradar quem curte metalcore. A melhor faixa, para mim, é “Closer to Cold”, onde a banda não tem medo de ousar um pouco e mostra personalidade e solidez. Outro bom momento ocorre em “Sable Rising”, com um riff de melodias cíclicas influenciadíssimo pelo black metal norueguês do início dos anos noventa.

"Starve for the Devil" conta com duas faixas bônus. A primeira, “A Pound of Flesh”, não difere em nada das presentes no tracklist principal, e poderia estar no disco sem maiores problemas. Já a segunda é “The Lake”, versão para a canção de King Diamond, presente aqui em uma releitura que deu à faixa as características da banda – ou seja, transformaram-na em um metalcore -, fazendo com que o resultado final soe apenas como mera curiosidade.

De uma maneira geral, "Starve for the Devil" traz em suas faixas um metal acelerado, sempre temperado por fartas doses de melodia. As bases e as estruturas das músicas trazem características de thrash metal, enquanto as guitarras, nos trechos mais pesados, lembram um pouco o In Flames dos primeiros discos. Mas, indiscutivelmente, a principal influência do Arsis é o Trivium, seja pela pegada que une thrash ao metal tradicional, seja pelo uso constante de melodias criadas pela dupla de guitarristas James Malone e Nick Cordle.

Na minha opinião falta originalidade e um som com cara própria ao Arsis. É tudo muito bem feito, bem executado e bem produzido, mas nada original, soando apenas como mais do mesmo.

Se você gosta de metalcore, vale a conferida. Agora, se você não curte o gênero, passe longe.

Faixas:
1 Forced to Rock
2 A March for the Sick
3 From Soulless to Shattered (Art in Dying)
4 Beyond Forlorn
5 The Ten of Swords
6 Closer to Cold
7 Sick Perfection
8 Half Past Corpse O'Clock
9 Escape Artist
10 Sable Rising
Bonus Tracks:
11 A Pound of Flesh
12 The Lake

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Master Of Puppets
Membros de bandas comentam álbum

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Arsis"

Tempo implacável
Os rockstars também envelhecem

Bob Dylan
É dele a "Maior Música de Todos os Tempos"

Metallica
James Hetfield explica suas tatuagens preferidas

Alice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?Zoltan Chaney: o baterista mais insano que existe?Iron Maiden: Jimmy Page relembra Rock in Rio de 2001Robert Johnson: Eu e o Diabo Que Me CarregueLars Ulrich: "Ninguém queria fazer vídeos conosco"Max Cavalera sobre o Sepultura: "O vocalista deles não estava lá no começo, né?"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online