Carlos Lichman: você já ouviu falar em shred guitar?

Resenha - Genocide - Carlos Lichman

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Você já ouviu falar em Shred? Não é “Shrek”, aquele conhecido ogro das telas de cinema, é Shred, com “d” no final mesmo. Certamente para guitarristas e fãs dos trabalhos de músicos como YNGWIE MALMSTEEN e JASON BECKER este seja um termo bastante conhecido, mas para boa parte dos leitores não.
Iron Maiden: o verdadeiro poder da música da donzelaMetallica: o insistente uso do "Yeah!" por James Hetfield

Shred Guitar é termo usado para definir um estilo de tocar guitarra em que o músico usa e abusa da velocidade, aliada à técnica de tocar o instrumento, alcançando um grande número de notas musicais em um curto espaço de tempo.

Em terras brasileiras também há praticantes e representantes desse estilo e um nome certo quando se fala de Shred é o do guitarrista gaúcho CARLOS LICHMAN. “Genocide” é o seu segundo álbum solo e traz 12 faixas instrumentais, o que pode levar você leitor a pensar que se trata de mais um daqueles álbuns cansativos, nos quais a música parece se perder em meio a tantas notas musicais executadas tão rapidamente.

Mas em “Genocide” não é bem isso que acontece. De fato, CARLOS LICHMAN explora sua técnica e sua velocidade no disco e em alguns momentos o ouvinte pode até chegar a se cansar, mas as faixas variam bastante e o trabalho dos músicos que o auxiliam também contribui bastante para o álbum não se tornar entediante.

Certamente LICHMAN buscou diversificar seu trabalho e o álbum traz influências de Hard Rock, Metal, Fusion, Speed, Melódico e Clássico. Há músicas mais pesadas como “Dark Wishes”, outras que começam mais rápidas e terminam calmas como “Cold Nights”, além de faixas mais melódicas, com presença marcante de teclados.

Um dos principais destaques é a intensa e enérgica “Hellish Priest” e LICHMAN ainda abre espaço para releituras das músicas clássicas “Speed Adagio” (originalmente “Adagio”, de Mozart) e “Ballet” (de Christoph W. Gluck), nas quais o guitarrista consegue transmitir bastante emoção ao ouvinte.

Certamente é um disco mais indicado aos guitarristas simpatizantes do estilo, mas como LICHMAN conseguiu aliar técnica, velocidade e criatividade, com uma grande diversidade de gêneros musicais, “Genocide” pode ser ouvido por qualquer fã de Rock e Metal.

Mais informações:
http://empresa.portoweb.com.br/lichman
MySpace:
http://www.myspace.com/carloslichman

Carlos Lichman – Guitarra e baixo
Rodrigo Cordeiro – Bateria e percussão

Convidados:
Thiago Marques - Teclados
Theodore Ziras – Guitarra em “Frankenstein Baby”
Vernon Neilly – Guitarra em “Ballet”

Track List:
1. Hellish Priest
2. Blood Searcher
3. The Symbolic Philosopher
4. Dark Wishes
5. Ceifador
6. Speed Adagio
7. Judas Judgment
8. Frankenstein Baby
9. Ballet
10. Hell's Gates
11. YM
12. Cold Nights

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Carlos Lichman"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Carlos Lichman"

Iron Maiden
Nicko explica o verdadeiro poder da música da donzela

Metallica
O insistente uso do "Yeah!" por James Hetfield

Metallica
Hetfield: "Fico deprimido quando não pego a guitarra!"

Autismo: rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismoRafael Bittencourt: Com o Aquiles eu não mantenho mais contato e nem tenho vontadeMotorhead: Phil Campbell explica porque não foi ao funeral de LemmyAnvil: Lips quase desmaiou quando McCartney reconheceu a bandaNightwish: Marco Hietala responde perguntas de fãsThe Kinks: Em 1964, o lançamento de "You Really Got Me"

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online