Between the Buried and Me: um show magnífico ao sopé do apocalipse

Resenha - Between the Buried and Me (Fabrique Club, São Paulo, 15/03/2020)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos











Neste último domingo, possivelmente ocorreu o último show de heavy metal na cidade de São Paulo em um bom tempo. Com a fila de cancelamentos e adiamentos que estão ocorrendo nos últimos dias, não há rastro possível de um novo espetáculo ocorrendo tão cedo. É fato que a banda já estava em turnê antes de ocorrer a escalada de casos do coronavírus - e por isso especialmente não teve o evento cancelado - mas que bom que não o foi e tivemos a chance de ver um show incrível do início ao fim. Confira abaixo os principais detalhes do espetáculo, com as imagens exclusivas de Fernando Yokota.

Dez minutos antes do início do show, tudo já estava pronto. A equipe técnica sinalizava o final da arrumação do palco para a mesa de som. Tudo estava pronto para o show, e este começou adiantado em sete minutos. A banda subiu ao palco, como que carregados pelos gritos dos fãs, para tocar "Astral Body". O som estava perfeito, todos os instrumentos muito bem equalizados, fazendo um som realmente completo e complexo. Forte, mas sem exageros, enchia os ouvidos do público.

O público do show não era muito grande. É difícil saber se a banda não atraiu muitos fãs ou se muitas pessoas acabaram, por medo ou receio, abortando sua ida ao Fabrique Club para ver o show. Porém, dados shows similares, é difícil imaginar que um público maior não teria ido ao show do Between em características normais.

A banda lançou música após música, com pouca interação com o público e contando muito com a participação dos fãs. "Lay Your Ghosts" foi a segunda: mais pesada que a abertura, se focou muito fortemente nos vocais guturais de Giles. O público cantou muito junto com ele, em especial nas partes limpas dos vocais. Outros grandes destaques do show foram "The Coma Machine" e "Condemned to the Gallows", onde o público cantou muito e levantou o ânimo do show.

O final do show, porém, foi onde tudo ficou ainda mais animado. A lindíssima introdução de "Mirrors", feita em um som próximo ao acústico, encheu o palco e aqueceu o coração do público. O Between transita muito bem do estilo mais leve para o gutural, com um encanto e uma técnica que fazem com que estejamos vendo um som de nível de gravação ao vivo. Fechando o show, a banda sacou a melódica e exótica "Voice of Tresspass", que realmente fez o público bater cabeça e cantar junto com a banda. O estilo meio boogie e jazz da música faz ela ter um brilho diferente, que encanta os ouvidos da plateia.

No bis, a banda ainda lançou duas excelentes músicas. O destaque vai para "Selkies", em suas reviravoltas melodiosas e progressivas que fazem dela uma música complexa e cativante.

O resultado do show não poderia ter sido melhor. A banda assumiu um show mesmo em um momento de risco como este, e aceitou o desafio de viajar para levar sua mensagem. Por outro lado, não só o fez, como fez com excelência: a qualidade da produção da banda, sua equipe técnica, a estrutura da Fabrique e a equipe da produtora Powerline mostraram mais uma vez o que é fazer um show de qualidade. Não haveria como esperar algo diferente de uma banda como o Between the Buried and Me.

Setlist:
1. Astral Body
2. Lay Your Ghosts to Rest
3. Mordecai
4. The Coma Machine
5. Condemned to the Gallows
6. Mirrors
7. Obfuscation
8. Voice of Trespass
Bis:
9. Selkies: The Endless Obsession
10. Viridian
11. White Walls



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Between The Buried And Me"


Between the Buried and Me: show em São Paulo está mantido, segundo produtoraBetween the Buried and Me: música e detalhes do próximo álbumLoudwire: os 10 melhores riffs dos anos 20002017: veja lista com 10 álbuns que completam 10 anosProg metal: os discos essenciais do gênero segundo a BangerTV

Rock/Metal: os lançamentos mais aguardados para julho/2015Rock/Metal
Os lançamentos mais aguardados para julho/2015

Between The Buried & Me: vídeo de "Bohemiam Rhapsody", do QueenBetween The And Buried Me: adicionando datas do Reino UnidoBetween The Buried And Me: amostra do novo álbum

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 2009Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 2009

Metal Progressivo: os dez melhores álbuns do estiloMetal Progressivo
Os dez melhores álbuns do estilo

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 2009Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 2009


Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Playback.FM: saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceuPlayback.FM
Saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceu


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adWhipDin