Arcturus: um som excelente para um público pequeno em São Paulo

Resenha - Arcturus (Fabrique Club, São Paulo, 22/02/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.









É sempre triste ver um show de uma grande banda com um público tão pequeno. O Arcturus, que levou um bom público ao Hangar110 em sua última passagem, viu uma noite vazia no Fabrique Club. Afastados talvez, em partes pelas fortes chuvas que atingiram a cidade poucas horas antes do show, e também pela baixa procura, os noruegueses tocaram para um público que deixou o Fabrique Club parecer grande. De qualquer modo, a banda mostrou empolgação e grande qualidade para mostrar sua arte aos fãs de São Paulo. Confira abaixo os principais detalhes do show, com as imagens de Fernando Yokota.

Quase dois anos depois de pisarem no país pela primeira vez, para um belíssimo show no Hangar110, o Fabrique - nova casa que começa a despontar para shows de pequeno porte do rock e heavy metal - veio a ser a casa escolhida para esta segunda apresentação. O show começou 21h em ponto, com a banda subindo ao palco para abrir com "Kinetic", em uma surpreendente apresentação. A música do "Sham Mirrors" é uma das favoritas e grande raridade da banda. O show não poderia ser aberto de melhor maneira, dada a qualidade das guitarras, muito firmes, o palco mostrou ter as condições ideais para realizar um show complexo como o dos noruegueses. ICS Vortex, por sinal, fez uma excelente apresentação da música, merecendo destaque.

É difícil saber se o público pequeno ajudou na qualidade do som da casa, mas até agora as apresentações que vi no Fabrique reforçam que ela tem uma boa acústica, e com o equipamento e a equipe certas a casa pode render em muita qualidade, superior a finada e vizinha Clash Club. "Nightmare Heaven", outra surpresa do "Sham Mirrors", comprova muito bem isso, especialmente quando o baixo de Skoll ressalta pela melodia da música, bastante poderoso.

Outros destaques ficaram para "Alone", com uma mistura dos elementos sinfônicos da banda e o metal,com o excelente destaque para a bateria ribombante de Hellhammer, uma metralhadora nas baquetas da banda, além do teclado dissonante de Johnsen, que dá o clima de "sinfonia do apocalipse" para a banda. O sucesso "Hibernation Sickness Complete" veio em seguida, puxado pelo excelente solo de piano na sua introdução e pelo vocal de Vortex, que dita o ritmo da melodia aqui.

Variando bastante entre os discos, a banda pretendia agradar o público com um setlist variado, viajado e cheio de novidades. "Du Nordavind", excelente música do "Asperia", empolgou o público, como também a belíssima "Collapse Generation". "Game Over" deveria vir para fechar o show e abrir para um longo bis, mas a banda conversou e preferiu continuar no palco, finalizando o show sem paradas.

Assim, vieram dois grandes sucessos: "Master of Disguise", ícone do "La Masquerade Infernale", com uma excelente participação nas guitarras da banda, e "To Thou Who Dwellest in the Night", música do "Asperia" que dispensa comentários, pois não pode faltar nunca em uma apresentação da banda.

A pergunta que ficou, no final, foi: se a turnê é "Star-Crossing", onde foi parar esta excelente música no setlist da banda? Realmente fez falta. O show, porém, foi extremamente satisfatório, e a incrível empolgação e o respeito da banda fizeram a diferença ao espetáculo, além do excelente trabalho técnico e a coragem da Overload, em investir novamente nos pioneiros.

Setlist:
1. Kinetic
2. Nightmare Heaven
3. Crashland
4. Painting My Horror
5. Alone
6. Hibernation Sickness Complete
7. The Arcturian Sign
8. Du Nordavind
9. The Chaos Path
10. Collapse Generation
11. Game Over
12. Master of Disguise
13. Fall of Man
14. To Thou Who Dwellest in the Night
15. Angst



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Arcturus"


Crianças: veja como cresceram as de Crianças
Veja como cresceram as de "Nevermind", "War" e outras

Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollHall Of Fame
500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalGosto duvidoso
As piores capas da história do Rock e Heavy Metal

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGNGuitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposMegadeth: a pegada jazz pós-Metallica e a bateria de Dirk VerbeurenSlayer: 10 curiosidades sobre a banda

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.