Green Day: energia e competência de sobra no show em São Paulo

Resenha - Green Day (São Paulo, Arena Anhembi, 03/11/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jorge A. Silva Junior
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Sete anos se passaram até o retorno do GREEN DAY ao Brasil. Desta vez, o trio formado por Billie Joe Armstrong (vocal e guitarra), Mike Dirnt (baixo) e Tré Cool (bateria) desembarcou no país com sua "Revolution Radio Tour" para quatro shows - Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Na capital paulista, o público lotou a Arena Anhembi para conferir uma apresentação energética de um dos responsáveis por colocar o punk rock - com uma boa dose de pop - no mainstream no início dos anos 90.

Green Day: quinze anos de uma obra atemporalChris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte

Em entrevista contida no DVD 'Bullet In A Bible' (2005), Mike Dirnt revela a necessidade de já entrar suado no palco antes de cada show do GREEN DAY. "É como pular em um trem em movimento, por isso devo estar preparado", disse. O baixista tem conhecimento de causa para tal afirmação, afinal são 10 álbuns de estúdio lançados em uma carreira respeitável de quase 30 anos. E se mesmo assim alguém duvida da energia da banda ao vivo, basta perguntar a qualquer uma das 25.000 pessoas que cantaram e pularam por mais de duas horas em São Paulo.

Não há como negar que uma apresentação do GREEN DAY atrai um público bem diversificado. Tem o grupo dos fanáticos e histéricos; o pessoal que comparece pelo "evento de selfies"; a galera que escutou apenas duas ou três músicas do aclamado disco 'American Idiot' (2004), mas que não captou a mensagem; e também aquela minoria, quase imperceptível, que escuta o punk rock clássico de VIBRATORS, BUZZCOCKS e STIFF LITTLE FINGERS e ainda assim não problema com o toque pop que Billie Joe e companhia acrescentam ao seu som.

Neste clima o grupo natural de Berkeley, Califórnia (EUA), entrou em cena pontualmente às 22h com a ótima "Know Your Enemy", faixa do álbum '21st Century Breakdown' (2009). Na sequência vieram duas do mais recente trabalho, 'Revolution Radio' (2016): "Bang Bang" e a própria faixa-título. Vale destacar a qualidade destas composições atuais, sempre muito bem executadas e que trazem de volta a fórmula crua e direta dos primórdios da carreira - mais punk, menos pop.

Mesmo que muita gente torça o nariz para o lado comercial do GREEN DAY, não há como negar que este quesito foi crucial para que a banda lotasse estádios e arenas ao redor do mundo por mais de duas décadas. Não fosse assim, Jason White certamente não teria sido contratado como guitarrista de apoio. Com este auxílio foi possível comprovar que Billie Joe se porta no palco como um típico vocalista do show biz. Ele interagiu o tempo todo com os fãs - um deles foi levado ao palco durante "Longview" -, usou um jato de água para molhar o pessoal da fila do gargarejo e até colocou uma bandeira LGBT no pedestal após "Boulevard Of Broken Dreams".

Mas Mike Dirnt e Tré Cool não ficam atrás e também são um show à parte. Enquanto o primeiro esbanja linhas de baixo precisas com seu jeito discreto e visual típico de integrantes do DAMNED ou UK SUBS, o baterista dá uma aula de ritmo com viradas sempre sensacionais. Foi notável ver o entrosamento dos dois em faixas como "When I Come Around", "Welcome To Paradise" e "Basket Case", todas de 'Dookie' (1994), álbum que na época ganhou um Grammy e vendeu mais de 30 milhões de cópias em todo o mundo.

Já na parte final da apresentação o GREEN DAY reservou o primeiro bis para as tão aguardadas "American Idiot" e "Jesus Of Suburbia", ambas cantadas em uníssono por todo o público. E no momento apenas voz e violão, Billie Joe emendou a saideira com "21 Guns" e "Good Riddance (Time Of Your Life)", famosa balada do album 'Nimrod' (1997).

Se é punk, pop ou punk pop, não importa. O GREEN DAY sempre foi mais que um rótulo musical. Uma banda com tamanha competência e energia ao vivo deve ser sempre aplaudida, assim como foi em São Paulo.

Texto: Jorge Junior
Fotos: Divulgação - Midiorama

GREEN DAY
São Paulo - Arenha Anhembi (03/11/17)

Banda:

Billie Joe Armstrong - vocal e guitarra
Mike Dirnt - baixo
Tré Cool - bateria

Músicos de apoio:

Jason White - guitarra
Jason Freese Teclado

Set List:

01. Know Your Enemy
02. Bang Bang
03. Revolution Radio
04. Holiday
05. Letterbomb
06. Boulevard Of Broken Dreams
07. Longview
08. Youngblood
09. 2000 Light Years Away
10. Armatage Shanks
11. J.A.R.
12. F.O.D.
13. Scattered
14. Nice Guys Finish Last
15. Waiting
16. When I Come Around
17. Welcome To Paradise
18. Minority
19. Are We The Waiting
20. St. Jimmy
21. Knowledge
22. Basket Case
23. King For A Day
24. Shout / Always Look On The Bright Side Of Life / Break On Throught / (I Can't Get No) Satisfaction / Hey Jude
25. Still Breathing
26. Forever Now

Bis 1

27. American Idiot
28. Jesus Of Suburbia

Bis 2

29. 21 Guns
30. Good Riddance (Time Of Your Life)

Comente: Esteve no show? Como foi?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Green Day"


Green Day: quinze anos de uma obra atemporalGreen Day
Quinze anos de uma obra atemporal

Green Day: banda confirma novo álbum e libera 1° single; ouçaGreen Day
Banda confirma novo álbum e libera 1° single; ouça

Weezer: grupo divulga nova música de álbum inspirado em Van HalenSurfing Rockers: várias bandas em documentário sobre surf para 2020

The Sun: os dez melhores riffs da história do RockThe Sun
Os dez melhores riffs da história do Rock

Noisey: vídeos de artistas que surtaram no palcoNoisey
Vídeos de artistas que surtaram no palco

Green Day: a história por trás da música Basket CaseGreen Day
A história por trás da música "Basket Case"


Chris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morteChris Cornell
Relatório policial descreve últimas horas e morte

Lars Ulrich: jucando no camarim do Guns N' RosesLars Ulrich
Jucando no camarim do Guns N' Roses

Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com

Guns N' Roses: os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnRGuns N' Roses
Os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnR

The Beatles: As 10 canções mais (injustamente) subestimadasThe Beatles
As 10 canções mais (injustamente) subestimadas

ZZ Top: o que eles pensam sobre o Greta Van Fleet?ZZ Top
O que eles pensam sobre o Greta Van Fleet?


Sobre Jorge A. Silva Junior

Jorge Junior é paulistano, jornalista diplomado e colaborador do Whiplash.Net desde 2009. Tem mais de 400 matérias e notas publicadas, que somam aproximadamente um milhão e meio de acessos. Também realizou a cobertura de shows de grande porte, entre eles Ringo Starr, Eric Clapton, Deep Purple, System Of A Down, Red Hot Chili Peppers e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no Twitter: @jorgejunior85.

Mais matérias de Jorge A. Silva Junior no Whiplash.Net.

adGooILQ