Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemBlind Guardian divulga vídeo oficial de "Blood Of The Elves"; veja aqui

imagemGene Simmons diz que Trump fomentou racismo e teorias da conspiração

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"


Stamp

Jethro Tull: Um resumo da carreira de Ian Anderson forma de ópera

Resenha - Jethro Tull: The Rock Opera (São Paulo, Teatro Bradesco, 07/10/2015)

Por Diego Camara
Em 11/10/15

Este não era um show do Jethro Tull. Tão pouco era um show de Ian Anderson. É com essa mentalidade inicial que devemos analisar esta apresentação. Jethro Tull: The Rock Opera é, nada mais nada menos, do que um projeto de vida de Anderson. É sua carreira musical, é a história que Anderson quer hoje contar com as músicas que compôs em quase 50 anos de carreira. É um projeto corajoso, e é lindo. Minucioso, perfeito e cheio de mágica.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em primeiro lugar, o local foi escolhido a dedo. O Teatro Bradesco é a casa perfeita para um show deste tipo. A sua acústica maravilhosa, iluminação excelente e sua arquitetura te dá ótima qualidade em qualquer lugar que você sentar. Foi assim em todos os shows que já ocorreram ali, e desta vez não foi diferente. Foi um tiro certeiro colocar Anderson e cia neste local, que é uma grande alternativa para shows mais requintados, com um ar mais "clássico" no Rock.

O palco foi muito bem aproveitado pela banda. O telão ao fundo foi perfeito para o projeto que Anderson queria colocar no palco. Sincronia perfeita, som perfeito, desde quando começou a introdução de vídeo. O objetivo de Ian é contar a história de Jethro, com um ar moderno, nova roupagem, de um cientista que deve fazer a descoberta para a segurança alimentar do mundo. "Heavy Horses" abre este show fantástico de maneira épica, com o som do palco sendo misturado com o do vídeo de maneira bastante minuciosa - sincronização perfeita, sem nenhum erro.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre as músicas: Ian Anderson não se manteve no clássico. Ele fez uma remontagem dos seus sucessos, modificou a estrutura e algumas partes das letras de algumas músicas, encaixou as vozes dos seus convidados, transformando as músicas em uma ópera, com história, com analogias e tentando construir uma narrativa que, pelo que me pareceu, foi bastante boa e bem sucedida.

Para tal, também foram produzidas diversas novas músicas. E elas são muito boas. Gostaria de destacar a excelente "Stick, Twist, Bust", que faz um excelente elo entre o estilo clássico do rock com a modernidade, o uso do teclado, em alguns momentos até meio industrial. Outra excelente é "And the World Feeds Me", que traz um excelente refrão e o ótimo uso dos vocais sopranos de Unnur Birna Björnsdóttir.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda também respeitou muito seus clássicos. Estão lá, de "Aqualung" até "Locomotive Breath", e a estrutura deles foi muito bem respeitada. A plateia aplaudiu com vontade os sucessos, e o solo de guitarra em "Aqualung" foi de uma perfeição impressionante. "Locomotive" também foi excelente, e fechou o show levanto o público a loucura - deixando muita gente com vontade de levantar das cadeiras.

Para quem é fã, era uma oportunidade única de ver o trabalho de uma vida da banda retratado em forma de história. Apesar do extenso uso de áudio gravado - creio que alguns destes "personagens" poderiam estar no palco cantando (como estavam Ian, Goodier e O’Hara cantando suas partes ao vivo), e o extenso uso deles acabou diminuindo o calor da apresentação - o show foi excelente. Para coroar a apresentação, a banda volta para tocar o bis, que é fechado por "Bouree", música de Bach que virou uma das marcas registradas do Tull, entrelaçando a própria história do agricultor com a da banda e de suas influências clássicas. Coisa linda de se ver.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Banda:
Ian Anderson - Voz, Flauta, Bandolim
David Goodier - Baixo
John O’Hara - Teclado
Florian Opahle - Guitarra
Scott Hammond - Bateria

Setlist:
Heavy Horses
Wind-Up
Aqualung
With You There to Help Me
Back to the Family
Farm on the Freeway
Prosperous Pasture (nova música)
Fruits of Frankenfield (nova música)
Songs From the Wood
And the World Feeds Me (nova música)
Living in the Past
Jack-in-the-Green
The Witch's Promise
Weathercock
Stick, Twist, Bust (nova música)
Cheap Day Return
A New Day Yesterday
The Turnstile Gate (nova música)
Locomotive Breath
Bis:
Requiem and Fugue (medley de "Requiem" do Jethro Tull, "Fugue" de Bach e "Bouree")

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre

Mais matérias de Diego Camara.