Union Metal Fest II: Como foi o evento em Maracanaú

Resenha - Union Metal Fest II (Chácara da Dorinha, Maracanaú, CE, 25/05/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna, Fonte: Rock-CE
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A união do underground cearense impressiona em vários fatores, um deles é a realização de shows com bandas de estilos distintos num mesmo evento. O "Union Metal Fest" pensa nisso como maneira de fortalecimento do cenário. A realização de 2014 brindou o público com revelações e nomes já alavancados ao cenário nacional.

Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesDavid Coverdale e a palavra "Love" - Parte I

FOTOS: André Rocha

Primeiramente subiu a banda de Hard/Heavy, INTRUSOR - essa banda é candidata a uma carreira promissora, começando pela vocalista Manu Volkova, dona de um belo alcance vocal. O quinteto também se destaca pelo baixista Mayllon Costa (músico que toca bem e aproveita os espaços em palco). Eles trabalharam em cima da demo 'Born From Ashes' que traz composições como 'Medusa', executada com riffs de Zózimo Junior, guitarrista que fez sua última apresentação com a banda neste evento. O que também chama atenção é a técnica de Yago Sampaio e seus solos divinamente encaixados.

Para dar continuidade, a banda de Maracanaú, SCARIOTZ, mostra um pouco de seu Power Metal. Os caras que lançaram o trabalho de estúdio intitulado 'The Hidden Truth', divulgam agora o 'single' 'I Am An Eagle'. O vocalista Wellington Oliveira possui uma voz que lembra a de astros como Bruce Dickinson (Iron Maiden) e Mike Kiske (Helloween), mas os riffs da dupla Rodrigo Araújo e Tiago Almeida dão à banda uma identidade peculiar, assim, execuções como 'Scariotz' e 'Die' mostram o fio condutor desse diferencial. O set cedeu espaço também à 'Speed Of Light' do Estratovarius e, na música 'Wish', participou a cantora Daiane Mesquita.

O festival, agora chama o Metal extremo com bandas da capital cearense. BETRAYAL dos irmãos Wolney Mendes (guitarra e vocal) e Franzé Mendes (guitarra) manda bala nos PAs. Wolney convida a galera e comanda os riffs, mas é o baixista Fabiano "Vassoura" quem manda a maior parte do recado. Temas do EP 'Human Destruction', como a autointitulada que teve participação de Jardel "Stick" (Fist Banger, Agressive) e '1964', foram tocadas junto de outras como 'Thrash Aggression' e 'Destroying In The Mosh Pit'. Covers também foram levados, primeiro o de 'Caçador Da Noite' de Dorsal Atlântica, depois 'Ridiculous Dignity' do SOH com participação de Bruno Gabai e grande performance do batera Sula (Criokar e Oráculo).

A brutalidade eleva-se mais com a sessão promovida pelo SIEGE OF HATE (SOH), banda surgida das entranhas do Insanity e Obskure em 1997. Hoje tem como integrantes, George Frizzo (baixo), Bruno Gabai (guitarra e vocal) e Saulo Oliveira (bateria). O SOH é uma das mais importantes bandas do Death/Grind brasileiro e vieram mostrar para o seu público o que eles levaram para a Europa em sua última turnê. Gabai não tem mais a companhia de um segundo vocal, mas ao vivo até que não há diferença. Guturais e rasgados são dominados perfeitamente. Canções antigas como 'Subversive By Nature' do álbum homônimo de 2003, e outras mais recentes como 'Grinding Ages' e 'Catharsis', confundia a visão de quem tentasse acompanhar o movimento dos braços do baterista. Em execuções como 'The World I Never Knew' (para muitos a melhor do álbum de 2013, Animalism) quem comandava a surra era o baixo de Frizzo.

A selvageria seguiu com CLAMUS, trio inovador que canta em três idiomas (inglês, francês e português) usando dois vocais: Lucas Gurgel (guitarra) e Felipe Ferreira (baixo). A banda é completada pelo novo baterista Edu Lino e, com essa formação, o grupo apresenta um formato mais focado no "Death Metal", apesar dos trabalhos anteriores apresentarem muita técnica de Thrash Metal associada. Eles estão colhendo frutos do EP 'III', lançado em março e que antecede o seu terceiro 'full length' já em pré-produção. Neste set os músicos mesclaram músicas de toda a carreira como, 'La frontière' do álbum 'Frontière' (2009) e 'The Simple Complex' do mais antigo de 2005, 'Influences'. O equilíbrio gutural entre os dois vocalistas é algo a ser notado, não existe um mais grave ou mais rasgado, eles vagueiam livremente entre os dois estilos. Como essa é a penúltima apresentação antes de entrarem em estúdio, eles deixaram uma prévia do que vem por aí com uma canção inédita (ainda sem nome), assim como 'Nitro Blast' e 'Inconstancy' do promo citado, III.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Intrusor"Todas as matérias sobre "Scariotz"Todas as matérias sobre "Betrayal"Todas as matérias sobre "Soh"Todas as matérias sobre "Clamus"


Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesUltraje a Rigor
Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos Stones

David Coverdale e a palavra Love - Parte IDavid Coverdale e a palavra "Love" - Parte I
David Coverdale e a palavra "Love" - Parte I

Planet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os temposPlanet Rock
40 melhores discos ao vivo de todos os tempos

Planet Rock: as maiores vozes da história do rockHomossexualidade: 5 nomes da cena rock/metal que assumiramIron Maiden: quase na virada do ano, foto junta 4/5 da formação originalDave Mustaine: Não há solos no Nü Metal porque os guitarristas não sabem tocar

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336