Matérias Mais Lidas

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemLuciana Gimenez tentou aprender com Mick Jagger algo que não funcionou para ela

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemIron Maiden faz mais um show da "Legacy Of The Beast World Tour"; veja setlist

imagem"Eu realmente não tenho fé na humanidade", diz Schmier, vocalista do Destruction

imagemFernanda Lira, da Crypta, e o papo reto sobre "se falar de política vai perder fãs"

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemComo foi 1º encontro de Nando Reis e Cássia Eller, ocorrido na casa de Marisa Monte

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger


Stamp

Avenged Sevenfold: Metal, luto e catarse: uma história em 3 atos

Resenha - Avenged Sevenfold (Espaço das Américas, São Paulo, 20/03/2014)

Por Fernando Yokota
Em 24/03/14

Em sessão extraordinária, os fãs dos californianos do AVENGED SEVENFOLD foram convocados na última quinta-feira, dia 20, para mais uma hora e meia de histeria e adoração. O mesmo Espaço das Américas, que recebera a banda há uma semana, não teve sua capacidade esgotada como na apresentação do dia 12 (o estacionamento ao lado do local foi dos R$ 35 do dia 12 para R$ 20, o que é bem sintomático) todavia recebia um bom público. O vocalista M. Shadows chegou a dizer que se a casa não estava lotada como no outro show, o público parecia estar mais energético (o que se provou bem observado). Pontualmente às 21h30 o potente sistema de som da casa solta os primeiros power chords de Back in Black. Sem surpresas, pois era a já sabida deixa para a entrada da banda no palco.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Metal

À parte das discussões e bate-bocas apaixonados que a banda gera, fato é que quem lá esteve viu um show de metal cumpridor da liturgia: da especialidade local (os mais que sulamericanos "ôôôs" da plateia nos trechos instrumentais) aos duetos de guitarra, tudo estava lá e competentemente executado. O eventual incômodo da velha guarda pode ser explicado pela, digamos, "veemência" com a qual a banda traz suas influências às composições, notadamente as mais recentes. A ótima música de abertura, Shepherd of Fire, é um bom exemplo. Se o fã de Megadeth não tem como não lembrar de Trust na introdução, o fim remete a Enter Sandman. Entretanto, ninguém parecia muito preocupado em pedir exame de DNA de riff de guitarra enquanto gritava e/ou batia cabeça como se não houvesse amanhã.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Sobre os presentes, a maioria era bem jovem e os mais velhos muitas vezes eram os pais e mães dos fãs. Mais de um par "filho com camiseta do A7X/pai com camiseta da Harley Davidson" foi avistado no bairro da Barra Funda naquela noite. Quanto a esse aspecto em particular, uma cena flagrada ilustra bem a situação: um pai, que observava o filho gritando e cantando incontinentemente, com claro semblante de orgulho (e camiseta do Iron Maiden). O apelo da banda aos mais jovens e a presença dos pais possibilitaram a criação de uma cumplicidade entre pais e mães e seus respectivos rebentos enquanto o pau comia solto no palco. Era quase palpável um clima de "passagem de bastão" na pista de um Espaço das Américas que testemunhava um interessante fenômeno do A7X como um denominador comum do metal para pais e filhos.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Sobre as músicas propriamente ditas, por mais que nós, a velha e rabugenta guarda, esperneie e proteste, não há como negar que temas como Hail to the King (de pegada mais clássica) ou as inesperadas Second Heartbeat e Burn It Down (mais características da era do finado Reverendo Sullivan) ou ainda Unholy Confessions tenham seus dois pés no heavy metal. Fica a expectativa para o próximo trabalho de estúdio da banda, visto que é notória uma divisão em duas eras, uma com The Rev e outra sem. A primeira se caracteriza por um som mais agressivo, mais moderno, enquanto a segunda tende a uma homenagem às claras influências da banda. A receita de sucesso passa por temperos clássicos como o Maiden, Guns N’ Roses e o Metallica e até se arrisca com fragrâncias pouco usuais para um prato americano, como por exemplo os duetos de guitarra Weikath/Hansen à moda Helloween. Seria o próximo álbum uma promissora junção dessas duas eras?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O luto

A atual turnê promove o último álbum, Hail to the King, sexto da banda e segundo após a morte do baterista Jimmy "The Rev" Sullivan. A despeito da euforia da plateia, um certo clima de luto ainda paira no ar. Seja na entrada ao som de Back in Black, no simples e distintobackdrop preto com uma versão gigante do mascote Deathbat, no praticável da bateria que é tão alto que chega a parecer um altar de adoração ou nos vocais pré-gravados na politicamente controversa Critical Acclaim, The Rev é ausência que se faz presente o tempo todo.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Enquanto M. Shadows lutava contra as notas mais altas (o baixo volume de sua voz talvez seja indício de algum cansaço após a maratona de shows), Johnny Christ se ocupa de correr pelo palco e brincar com público e colegas de banda e Arin Ilejay ("o novato que já tem o nome gritado", M. Shadows disse ao ouvir gritos de "Arin, Arin") administra mais que competentemente o espólio de Sullivan – sem contar a contribuição do ídolo de The Rev, Mike Portnoy, que segurou as baquetas no penúltimo álbum, Nightmare –, a dupla de guitarristas Zacky Vengeance e Synyster Gates carrega um semblante um tanto quanto distante, quase nonchalant, ainda que isso nada comprometa na performance.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Talvez não passe de mera impressão, mas no caso de Gates sente-se um olhar que não raramente está mirando para o fundo da plateia, de uma melancolia que atravessa a empolgação da pista e busca algo que está além do público, da casa de shows ou talvez até deste mundo. M. Shadows pode ser o vocalista, o frontman, mas, escondido atrás de seus intransponíveis óculos de sol, se conecta com o público ao mesmo tempo que mantém uma diplomática distância. Gates, por outro lado, é o guitar hero de uma geração, mas parece sempre vunerável. O olhar por vezes melancólico e distante é, ironicamente, o catalisador da conexão de vários fãs – principalmente os aspirantes a guitarrista – com seu ídolo. Obra do acaso ou não, o único momento solitário de um integrante no palco é seu solo de guitarra.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Indiscutível observação do luto foi ainda a presença de Fiction (ausente do repertório do dia 12), última composição do baterista, que teria falecido três dias depois de tê-la concluído. A introdução ao som do piano fez i um interessante contraponto no até então pesado repertório. Para os fãs, tão comovente quanto inespearado.

Catarse

Os fãs do AVENGED SEVENFOLD cantam as músicas. Todas elas. E muito alto. Chama a atenção como não faz diferença se a próxima música é um single relativamente recente como Nightmare ou algo dos primórdios como Chapter Four: cada verso é revirado pelo séquito enfurecido formado por moços e moças, presentes em igual número.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

No meio da apresentação, M. Shadows faz questão de lembrar que em São Paulo "todo mundo canta mais alto que eu". Junte a isso a barreira de metal que continha o pessoal do "gargarejo" apanhando em consonância com a caixa de Ilejay, os gritos ensurdecedores das fãs mais exaltadas, bichinhos de pelúcia e camisetas não exatamente oficiais da banda sendo arremessadas ao palco ("vestir a camiseta da própria banda é contra as regras, vestir uma camiseta pirata da sua própria banda é mais contra ainda", brincou M. Shadows em algum momento).

Quando o Espaço das Américas mais parecia uma panela de pressão a ponto de explodir, o crescendo se transforma em catarse justamente na última música. Na visita que fizeram em 2011, a grande frustração dos fanáticos foi a ausência da teatral A Little Piece of Heaven. Desta vez a banda ouviu e atendeu os anseios da plateia encerrando em grande estilo a excelente apresentação e não dando desculpas para reclamações como ocorrera três anos antes.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A um velho headbanger turrão como este que lhes relata fica um sentimento contraditório: ao mesmo tempo em que vejo os riffs da minha juventude sendo surrupiados, esses mesmos riffs são entregues à molecada que hoje tem a idade que eu tinha enquanto decidia qual seria minha banda favorita para o resto da vida. Usurpadores baratos de riffs ou um Robin Hood do metal da Geração Z? É a velha questão do copo meio vazio ou meio cheio e fica para a história dar o veredito, mas na primeira grande troca da guarda do heavy metal que testemunharemos nos próximos anos, o AVENGED SEVENFOLD já é sério candidato pois se ainda não são reis, o séquito é grande, jovem e leal.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

(Com os agradecimentos à Midiorama pelo credenciamento)

Avenged Sevenfold é:
M. Shadows: voz
Synyster Gates: guitarra
Zacky Vengeance: guitarra
Johnny Christ: contrabaixo
Arin Ilejay: bateria

Setlist:
Shepherd of Fire
Critical Acclaim
Welcome to the Family
Hail to the King
Chapter Four
Buried Alive
Fiction
Nightmare
Burn It Down / solo de guitarra de Synyster Gates
Afterlife
Second Heartbeat
Bat Country

Unholy Confessions
A Little Piece of Heaven


Outras resenhas de Avenged Sevenfold (Espaço das Américas, São Paulo, 20/03/2014)

Resenha - Avenged Sevenfold (Espaço das Américas, São Paulo, 20/03/2014)

Resenha - Avenged Sevenfold (Espaço das Américas, São Paulo, 20/03/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemVocalista do Avenged Sevenfold revela qual álbum da banda é o seu favorito

imagemIron Maiden: 10 bandas que não existiriam sem o sexteto liderado por Steve Harris

Pantera: vocalista do Avenged Sevenfold surpreende ao escolher sua música preferida

imagemEmocionantes: 50 músicas que arrancam lágrimas e mexem com o coração de qualquer pessoa

Integrantes do Avenged Sevenfold presenteiam fã com guitarra autografada; veja vídeo

Avenged Sevenfold: vocalista diz que novo álbum tem influências do rapper Kanye West


Avenged Sevenfold: "Não somos mais a banda da MTV que usava maquiagem"