Resenha - Ringo Starr (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 15/11/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Alguns meses depois de receber sir Paul McCartney para dois shows realizados no Estádio do Engenhão, o Rio de Janeiro voltou a ser destino de um ex-beatle na noite da última terça-feira (15), quando Ringo Starr subiu ao palco do Citibank Hall e fez a alegria de cerca de 4.000 beatlemaníacos cariocas.

Meteoro: A Conspiração Beatles divulgada por Olavo de CarvalhoAxl Rose: Um dos vocalistas com maior alcance

Fotos de Néstor J. Beremblum, cedidas pela T4F Entretenimento.

Como já havia anunciado para boa parte da mídia nacional, a apresentação na Cidade Maravilhosa também não teve surpresas no repertório, seguido à risca por Ringo e sua All Starr Band. O show misturou alguns hits dos Beatles e canções mais famosas da carreira solo do baterista, além de músicas semi-desconhecidas dos anos 80 cantadas pelos integrantes da banda. E o resultado de tudo isso agradou ao público, embora a plateia claramente quisesse mais uma revisitada na carreira dos Fab Four e menos um flashback estilo "good times".

Os fãs, de todas as idades, embora a maioria já tivesse atingido a casa dos 50 ou 60 anos, dançaram, cantaram e se divertiram junto com Ringo. Generoso e simpático no palco, o ex-beatle, além de interagir diversas vezes e brincar com a plateia, cedeu espaço para Wally Pallmar (guitarrista, ex-integrante dos The Romantics), Gary Wright (tecladista, ex-integrante do Spooky Tooth), Richard Page (baixista, ex-Mr. Mister), Mark Rivera (saxofone e percussão), Gregg Bissonette (bateria), Rick Derringer (ex-guitarrista do The McCoys) e o tecladista Edgar Winter, também brilharem e se destacarem em determinados momentos. E eles são os responsáveis, na maior parte, pelas canções de FM.

A apresentação começou pouco depois de 21h30, horário previsto para o início do show, com os oito músicos, contando com Ringo, surgindo no palco do Citibank Hall para animar o público com "It Don't Come Easy". Com um cenário simples e sem grande produção, Ringo e cia seguiram conquistando a atenção do público com canções que não são familiares aos fãs do baterista e, consequentemente, dos Beatles. Ringo cantava os hits do quarteto de Liverpool e de seu repertório solo e, quando era hora de deixar os outros integrantes da All Starr Band tomar conta dos vocais, ele assumia a bateria, ou deixava o palco. Sendo assim vieram, por exemplo, as dançantes "Honey Don't" e "Hang on Sloopy", essa cantada por Derringer. E depois ainda teve "Free Ride", interpretada por Winter, e "Talking your Sleep", que teve Palmar nos vocais.

Quando o público começava a esfriar, todo mundo se animou novamente com "I Wanna Be Your Man", que trazia Ringo mais uma vez para o centro do palco. Alternando a vibe do show, seguiram as baladas oitentistas "Dream Weaver", cantada por Gary Wright, e "Kyrie", com Derringer novamente no microfone. Chegada a hora de "The Other Side of Liverpool" e Ringo voltou a assumir o seu lugar de "estrela" da noite. A plateia, claro, reverenciava o retorno do baterista a frente do palco. E então os fãs foram ao delírio quando a banda executou "Yellow Submarine" enquanto que dezenas de balões amarelos surgiam passeando pelo público. Sem dúvida o ponto alto da noite.

Passado o momento de euforia dos fãs, entrou a instrumental "Frankenstein", que destacou a competência da banda. Pouco depois, Ringo agitou os fãs com "Boys", trazendo a magia dos Beatles novamente à tona. "Broken Wings", do Mr. Mister, marcou o melhor momento dentre os protagonizados pela All Starr Band. Interpretada por Richard Page, a canção emocionou a plateia, até mesmo aqueles que não conheciam a faixa. As próximas canções do set foram "Photograph" e "Act Naturally". A primeira é um dos maiores sucessos da carreira de Ringo. Já a segunda consiste em uma faixa que foi regravada pelos Beatles. E ambas contagiaram o público, que acompanhava o baterista imitando seus passos desengonçados e levando as mãos para lá e para cá.

Nesse momento se aproximava o final do show. Com quase duas horas de apresentação, pouco antes de 23h30, "With a Little Help from my Friends" finalmente foi executada e o público no Citibank Hall vibrava com intensidade pela última vez. Ringo, no palco, fazia repetidamente o sinal de paz e amor com os dedos das duas mãos e o gesto era reproduzido pela plateia. Nesse clima zen a banda encerrava a noite com o refrão de "Give Peace a Chance", do ex-companheiro John Lennon.

Enquanto Ringo e a All Starr Band se despedia dos fãs, visivelmente satisfeitos com a participação do público, os cariocas aplaudiam o belo espetáculo do feriado. Certamente todo mundo voltou para casa com uma incrível e mágica lembrança para guardar para a vida inteira. E que somente os fãs de Beatles poderão compreender.

Set list:

1- It Don't Come Easy
2- Honey Don't (Carl Perkins)
3- Choose Love
4- Hang On Sloopy (The McCoys)
5- Free Ride (Edgar Winter Group)
6- Talking in Your Sleep (The Romantics)
7- I Wanna Be Your Man (The Beatles)
8- Dream Weaver (Gary Wright)
9- Kyrie (Mr. Mister)
10- The Other Side Of Liverpool
11- Yellow Submarine (The Beatles)
12- Frankenstein (Edgar Winter Group)
13- Back Off Boogaloo
14- What I Like About You (The Romantics)
15- Rock and Roll, Hoochie Koo (Rick Derringer)
16- Boys (The Beatles)
17- Love Is Alive (Gary Wright)
18- Broken Wings (Mr. Mister)
19- Photograph
20- Act Naturally (The Beatles)
21- With a Little Help from My Friends (The Beatles)
22- Give Peace a Chance (John Lennon)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Ringo Starr"Todas as matérias sobre "Beatles"


Meteoro: A Conspiração Beatles divulgada por Olavo de CarvalhoCanal NB: Olavo de Carvalho e o satanismo dos BeatlesBeatles: Maurício Ricardo comenta a estranha teoria de Olavo de CarvalhoBeatles: ouça versão remixada de "Oh! Darling" do relançamento de Abbey RoadBeatles: Olavo de Carvalho diz que eles eram satanistas e semi-analfabetos em músicaPaul McCartney: 1959 a 2019, a trajetória do lendário músico em animaçãoClassic Rock: Os 50 anos de Abbey Road na capa da revistaBeatles: Crítica de "Yesterday", filme inspirado na banda (vídeo)Beatles: Abbey Road, uma Rua para o UniversoJulie Dexter: Sem Medo de Modificar Beatles, Marvin Gaye e ArethaBruno Rocker: 11 grandes solos de guitarra dos Beatles

Drake: após bater recorde, rapper faz tatuagem zoando os BeatlesDrake
Após bater recorde, rapper faz tatuagem zoando os Beatles

John Lennon: como foi o último dia do ex-Beatle (vídeo)Beatles: Ouça uma das faixas inéditas da reedição de Abbey RoadAbbey Road: Por que os Beatles atravessaram a rua?

Dia Mundial do Rock: cinco histórias que unem F1 e Rock' n' RollDia Mundial do Rock
Cinco histórias que unem F1 e Rock' n' Roll

Ultimate Classic Rock: nomes originais de álbuns clássicosUltimate Classic Rock
Nomes originais de álbuns clássicos

Uma coleção de vinis única: Nós compramos White AlbumsUma coleção de vinis única
"Nós compramos White Albums"


Axl Rose: Um dos vocalistas com maior alcanceAxl Rose
Um dos vocalistas com maior alcance

Separados no nascimento: sou só eu, ou eles são parecidos?Separados no nascimento
Sou só eu, ou eles são parecidos?

Quem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?Quem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?
Quem ouve Heavy Metal ouve apenas Heavy Metal?

Capas: 10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhosOzzy Osbourne: tudo que você sempre quis saber sobre eleKorn: Um cover de "Another Brick in The Wall" com densidade profunda e únicaGothic Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.