Whitesnake e Judas: fãs exaustos e realizados no RJ

Resenha - Whitesnake e Judas Priest (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 11/09/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Paulo Linhares Gonçalves
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Os shows começaram por volta de 21:30, horário alterado em relação ao previsto incialmente - 20h. Felizmente este segundo horário foi respeitado e quando as luzes apagaram, Coverdale e seus asseclas entraram firme para empolgar os presentes. A banda levou um set list bem parecido com o que foi comentado no nosso post, com a diferença de incluir "surpresinhas" no final. Apresentando uma banda bem afiada, com bom entrosamento entre os guitarristas Reb Beach e Doug Aldrich, uma cozinha que fez bonito, composta por Michael Devin e Brian Tichy, e ainda com o tecladista Brian Ruedy, David Coverdale conduziu muito bem o show. "Best Years" foi recebida mornamente pelo público, mas "Give Me All Your Love" levantou a galera que começou a cantar junto com Coverdale. O êxtase foi total quando os primeiros acordes de "Love Ain't No Stranger" começaram (veja o vídeo abaixo). A seguir, a balada ultra açucarada "Is This Love" agradou aos presentes (não a mim, aqui cabia um clássico), mas não empolgou.

Ugly Kid Joe: Whitfield Crane foi convidado para o Judas PriestLista: as dez melhores músicas para se ouvir na estrada

Um trecho de músicas do último disco da banda, "Forevermore", entremeados de solos de guitarra e bateria, mantiveram o público animado, mas "Here I Go Again" trouxe muito mais energia. "Still Of The Night" agradou em cheio também, e pra fechar o show, as duas surpresinhas de que falei iniciaram: primeiro, uma versão a capella de "Soldier Of Fortune"; depois, "Burn", com um pequeno trecho de "Stormbringer", dois grandes clássicos do Deep Purple que incendiaram de vez a platéia, que foi a loucura. Fim de show, banda ovacionada, público muito satisfeito (os comentários que escutei do pessoal próximo a mim foram todos positivos) e eu fiquei com gostinho de que a banda poderia ter deixado de lado as baladas e os solos pra encaixar mais clássicos. Ainda assim, um belo show.

Por volta de 23:20, chegou a hora do Judas Priest entrar pra valer e animar uma platéia que já gritava pelo nome da banda (especialmente quando colocaram aquele pano cobrindo todo o palco, com o nome da turnê). O set list foi exatamente aquele divulgado no post citado acima e o mesmo que vem sendo executado em todos os shows da turnê. E é um set list de respeito, passando a limpo toda a carreira da banda. Logo na entrada, "Rapid Fire" e "Metal Gods", do aclamado disco "British Steel", levantaram o astral do público, especialmente a segunda, com seus efeitos pirotécnicos. Este começo do show me fez pensar que a banda estava meio travada, sem o devido tesão pra tocar. Mas conforme o show foi avançando, esta minha impressão se dissipou, especialmente quando eles tocaram o clássico "Victim Of Changes". Aliás, este trecho do show que abrangeu os discos mais antigos foi um grande destaque para mim, adorei, especialmente "Diamonds And Rust", com início mais acústico e comedido para depois acelerar.

A partir de então, os clássicos da banda começaram a ser tocados um após o outro, contagiando mais e mais o público, que reagiu sempre com grande alegria, especialmente nas canções "Night Crawler", "Beyond The Realms Of Death" e com extra vibração para os grandes sucessos: "Breaking The Law" foi cantada a plenos pulmões por todos os presentes, que assumiram completamente os vocais; e "Painkiller" (veja o vídeo abaixo), com aquela grande introdução de bateria e os vocais rasgadíssimos no agudo de Rob Halford. O primeiro bis trouxe o grande olho do clássico "Electric Eye"; a entrada triunfal na motocicleta de Halford em "Hell Bent For Leather"; e uma rasgação de seda com nosso país em "You've Got Another Thing Coming", com Halford se enrolando com nossa bandeira, Rich Faulkner tocando a introdução do hino na guitarra e até a bandeira do Brasil como pano de fundo. O bis final com "Living After Midnight" foi só mesmo pra coroar com chave de ouro uma das melhores passagens do Judas Priest em nosso país, talvez comparável somente ao show histórico no Rock In Rio 2. Fim de show, 01:20 da madruga no Rio de Janeiro, todos exaustos, satisfeitos e realizados, valeu mesmo!!

Vídeos dos shows:

Whitesnake - "Love Ain't No Stranger"

Whitesnake - "Burn / Stormbringer"

Judas Priest - "Diamonds And Rust"

Judas Priest - "Painkiller"

Veja na página do blog (http://ripandohistoriarock.blogspot.com) ou no Facebook (http://www.facebook.com.br/ripandohistoriarock) mais fotos do show. Até o Rock In Rio!!


Outras resenhas de Whitesnake e Judas Priest (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 11/09/2011)

Whitesnake e Judas Priest: uma noite memorável no RJ




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Whitesnake"Todas as matérias sobre "Judas Priest"


Ugly Kid Joe: Whitfield Crane foi convidado para o Judas Priest

Rob Halford: Novo álbum natalino, Celestial, em Outubro; veja primeiro clipeRob Halford
Novo álbum natalino, Celestial, em Outubro; veja primeiro clipe

Rob Halford: revelada capa de um novo álbum natalino?Rob Halford
Revelada capa de um novo álbum natalino?

Ozzy Osbourne: vocalista anuncia retorno aos palcos com Judas Priest após meses doenteOzzy Osbourne
Vocalista anuncia retorno aos palcos com Judas Priest após meses doente

Judas Priest: Rob Halford não descarta retorno de K.K. Downing para a bandaJudas Priest
Rob Halford não descarta retorno de K.K. Downing para a banda

Judas Priest: Rob Halford não descarta possível retorno de K.K. DowningJudas Priest
Rob Halford não descarta possível retorno de K.K. Downing

Judas Priest: arrecadando US$ 150 mil para fundação de Glenn Tipton

Slipknot: e se eles tivessem gravado Painkiller do Judas Priest?Slipknot
E se eles tivessem gravado "Painkiller" do Judas Priest?

Ross The Boss e K.K. Downing: Juntos no Bloodstock Open Air

Judas Priest: banda arrecada 150 mil dólares para fundação de Glenn TiptonJudas Priest
Banda arrecada 150 mil dólares para fundação de Glenn Tipton

Judas Priest: Richie Faulkner revela seu momento mais constrangedor no palcoJudas Priest
Richie Faulkner revela seu momento mais constrangedor no palco

Collectors Room: em 1979, o clássico ao vivo do Judas Priest (vídeo)

Ximbinha: se Rob Halford pode fazer, porque ele também não poderia?Ximbinha
Se Rob Halford pode fazer, porque ele também não poderia?

Judas Priest: anunciado o primeiro show e planos para tour de 50 anosJudas Priest
Anunciado o primeiro show e planos para tour de 50 anos

Wacken: anunciadas as primeiras atrações de 2020Wacken
Anunciadas as primeiras atrações de 2020

Dave Lombardo: dez álbuns que marcaram a vida do bateristaDave Lombardo
Dez álbuns que marcaram a vida do baterista

Heavy Metal: os dez vocalistas que cantam mais agudoHeavy Metal
Os dez vocalistas que cantam mais agudo

Gibson: os 10 riffs mais incríveis dos anos 80Gibson
Os 10 riffs mais incríveis dos anos 80


Lista: as dez melhores músicas para se ouvir na estradaLista
As dez melhores músicas para se ouvir na estrada

MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy MetalMTV
Experts indicam as maiores bandas de Heavy Metal

Memoráveis como a música: os 25 melhores logos de bandasMemoráveis como a música
Os 25 melhores logos de bandas

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposLinkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a bandaAquiles Priester: fotos que contam a história do bateristaA7X: Discografia Comentada, P. 3 (Do pesadelo à realeza)

Sobre João Paulo Linhares Gonçalves

Roqueiro convicto, de carteirinha, desde os treze anos de idade. Já tive diversas bandas preferidas: de Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath a The Who, Pink Floyd e Rolling Stones. O heavy metal sempre me atraiu muito, mas o rock praticado nos anos 60 e 70 é fascinante e estou sempre escutando. De vez em quando, dou chance ao punk, rock alternativo, blues, até ao jazz e MPB, pra variar.

Mais matérias de João Paulo Linhares Gonçalves no Whiplash.Net.