Eminence: Adeus à tradicional casa de show ao som de metal

Resenha - Eminence e Madame Saatan (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 20/05/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luiz Figueiredo
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Umas das casas de shows mais tradicionais da noite belo-horizontina, o Lapa Multishow não abrigará mais espetáculos de música. A casa foi entregue ao proprietário do terreno. As especulações giram em torno de que o Lapa dará lugar a um empreendimento imobiliário.

Pink Floyd: a história por trás de "Animals"Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatos

O prédio foi construído em 1945 e é um dos poucos do estilo arquitetônico que sobrevivem até hoje. Na época, funcionava o Cinema Santa Efigênia que foi desativado, como muitos pela cidade afora e o local foi usado como sacolão, depósito, etc.


Musicalmente, no Lapa rolava de tudo. Mas os mais importantes eram os shows de metal. Existente desde 1999, o Lapa foi marcante para os headbangers da cidade e do interior do estado, pois nomes mais do que consagrados mundialmente se apresentaram lá e proporcionaram momentos inesquecíveis.

Como não poderia deixar de ser, foi aos headbangers que o Lapa deu adeus no sábado, dia 20 de maio. O Eminence subiu ao palco para apresentar o show que já rodou a Europa, Japão e outros países sulamericanos. Músicas dos seus três discos formaram o set do Eminence que soltou porrada atrás de porrada em direção ao público. Um show primoroso e com muita energia, uma banda excelente que conquista cada vez mais o mundo. O Eminence já prepara a ida para a Nova Zelãndia e Austrália em agosto.

Para abrir o espetáculo, a primeira banda a subir ao palco foi a paraense Madame Saatan. A banda de rock pesado, trouxe à noite riffs interessantes de guitarra, um baixo imponente, batera violenta e uma vocalista que esbanjou sensualidade e no, primeiro olhar, ganhou o coração dos headbangers presentes. Com uma voz nada forçada e bem potente, a vocalista Sammliz mostrou muita personalidade; interagindo muito com o público. Não se trata de uma garota bonita que usa apenas disso para ter destaque, estamos falando aqui de uma grande frontwoman.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Eminence"Todas as matérias sobre "Madame Saatan"


Pink Floyd: a história por trás de AnimalsPink Floyd
A história por trás de "Animals"

Dossiê Guns N' Roses: A versão de Slash para os fatosDossiê Guns N' Roses
A versão de Slash para os fatos

Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

Sexo e Satã: as mensagens subliminares em capas de Rock / MetalAlfabeto do Rock: as 15 melhores músicas de MetalOs estranhos relacionamentos de Janis JoplinStewart Copeland: "Não levava Led Zeppelin a sério graças aos vocais"

Sobre Luiz Figueiredo

Sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Luiz Figueiredo no Whiplash.Net.