Marky Ramone: reunião de apreciadores a punks de verdade

Resenha - Marky Ramone's Blitzkrieg (Carioca Club, São Paulo, 03/11/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Luciano Correa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em uma noite de muito punk rock em São Paulo, a multidão se concentrou em frente ao Carioca Club. Era possível encontrar desde o mais simples apreciador até o "verdadeiro" punk (trajado com seu coturno, colete jeans e cabelo espetado). O show estava previsto para iniciar às 22h, porém não foi o que aconteceu.

Drowned: liberada versão de "Poison Heart", do RamonesVocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rock

O problema começou já na fila, onde os seguranças da casa (como sempre, desprovidos de informações), não organizaram as pessoas para entrada e troca de ingressos, o que gerou um certo tumulto e desconforto entre os que haviam chegado mais cedo ao local. As informações passadas eram de que os responsáveis pela troca de ingressos, a empresa Ticket Brasil, estava atrasada, iria demorar a chegar e o real horário de início do show seria a meia-noite. Resolvido o problema da troca e organizada uma fila de entrada para os que já possuiam ingressos, o acesso à casa foi liberado.

Os primeiros da fila puderam entrar e assegurar seu lugar em frente ao palco, mas tamanha foi a surpresa quando se depararam com um corda (isso mesmo, uma corda!) no lugar da tão famosa grade. A maioria das pessoas ficaram um tanto quanto preocupadas, pois qualquer um com o mínimo de noção de shows (em geral, não só de punk rock) sabe que a aglomeração é feita em cima da grade na tentativa de estar mais próximo do palco. Uma tamanha irresponsabilidade, seja da organização ou da casa, pois além de a corda não ser suficiente para conter as pessoas, alguém poderia sair ferido. Claro que a corda não durou muito tempo, pois os seguranças não aguentaram segurar os agitados fãs da pista e a cortaram. Amadorismo de primeira.

Dentro da casa, como já é de conhecimento de muitos, o telão exibia mais uma partida de futebol. Jogaram Cruzeiro x São Paulo, com vitória do time paulista. Além disso, os presentes ainda acompanharam os gols dos outros jogos da rodada, os melhores momentos, os comentários, a classificação e o encerramento do programa que estava passando, tudo isso devido ao atraso de nada menos que 2:30 hs. Enquanto isso o som da casa tocava muito punk rock (OFFSPRING, RANCID, entre muitos outros), que até certo ponto manteve os fãs animados, mas em determinado momento o famoso canto "Hey ho - Let's go!" deu espaço para vaias e muito xingamento. A noite apenas começara.

Passou das 00h30 quando as luzes foram apagadas, o telão recolhido e o lendário MARKY RAMONE subiu no palco para saldar os fãs e dar início ao show. A formação contou ainda com MICHALE GRAVES (ex- THE MISFITS) nos vocais e EL TUCÁN - guitarra e NIÑO - baixo (ambos da banda LOS VIOLADORES), substituindo ALEX KANE e CLARE B respectivamente.

A banda começou o que seria uma avalanche de muito RAMONES acompanhado de algumas supresas, com a animada música "Rockaway Beach" que foi cantada em coro por todos. Passou por hinos do punk rock como "Psycho Therapy", "Do You Wanna Dance", "Sheena Is a Punk Rocker", "Rock n' Roll Radio", "Poison Heart", "I Believe in Miracles", a famosa "Pet Sematary", "I Wanna Be Sedated", entre muitas outras e encerrou a excelente primeira parte do show.

MICHALE GRAVES esteve muito à vontade no palco. Cantou com muita energia, pulou, correu, deu banho de cerveja na galera, recebeu todos os fãs que subiam ao palco para fazer o "mosh", tirar fotos ou apenas aparecer, enfim, teve toda a platéia na mão. MARKY RAMONE não foi diferente, conduziu sua bateria da forma como sempre fez: com muita energia e empolgação. El Tucán na guitarra fez os clássicos dos RAMONES soarem perfeitos e Niño no baixo fez o acompanhamento que a banda precisava na cozinha e nos backing vocals.

No primeiro encore, para a supresa de todos, MICHALE GRAVES voltou sozinho e com um violão. Ninguém acreditou, mas ele realmente fez o que todos queriam: tocou algumas músicas da sua fase no THE MISFITS, em versão acústica, porém muito bem executadas. "Descending Angel", "Scream" e "Saturday Night" deixou os fãs de Graves/Misfits bem satisfeitos, mesmo com o anúncio que só tinha espaço para tocar apenas essas três. Já tinha sido uma grata surpresa essa parte acústica do show, no entanto quando MARKY RAMONE e cia retornou ao palco, MICHALE GRAVES fez o que nem o fã mais otmistas poderia imaginar, perguntou se o público queria mais e executou uma das mais famosas música dele e do THE MISFITS, a poderosa "Dig Up Her Bones". Foi o suficiente para os fãs, que na maioria estavam lá para vê-lo (fato comprovado pela imensa quantidade de camisetas do THE MISFITS que muitos usavam) agitarem muito e ficarem totalmente satisfeitos. Ainda teve "Where We Were Angels" (parceria de MARKY RAMONE e MICHALE GRAVES), e a tão conhecida "R.A.M.O.N.E.S" (gravada pelo MOTÖRHEAD) antes de fazerem mais uma pausa.

A banda voltou para o último encore e fechou o show com "What a Wonderfull Word" (versão do inesquecível ex líder do RAMONES, JOEY RAMONE) e a não menos famosa "Blitzkrieg Bop". Na despedida MARKY RAMONE veio a frente do palco mais uma vez, agradeceu ao público, jogou suas baquetas, ao mesmo tempo em que MICHALE GRAVES cumprimentava os fãs e El Tucán e Niño distribuiam palhetas. O grupo deixou o palco para fechar uma noite regada a muito punk rock.

Set List:
1- Rockaway Beach
2- Teenage Lobotomy
3- Psycho Therapy
4- Do You Wanna Dance?
5- I Don't Care
6- Sheena Is A Punk Rocker
7- Havana Affair
8- Commando
9- Beat On The Brat
10- 53rd & 3rd
11- Rock n Roll radio
12- Now I Wanna Sniff Some Glue
13- Judy Is A Punk
14- Poison Heart
15- I Believe In Miracles
16- The KKK Took My Baby Away
17- Pet Sematary
18- Chinese Rock
19- I Wanna Be Sedated
20- I Don't Wanna Walk Around With You
21- Today Your Love
22- Pinhead

Encore 1:
23- Descending Angel (Graves Solo)
24- Scream (Graves Solo)
25- Saturday Night (Graves Solo)

Encore 2:
26- Dig up her bones (THE MISFITS Cover)
27- When We Were Angels
28- I Just Wanna Have Something To Do
29- Cretin Hop
30- R.A.M.O.N.E.S.

Encore 3:
31- Wonderful World (JOEY RAMONE Cover)
32- Blitzkrieg Bop




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Marky Ramone"Todas as matérias sobre "Ramones"


Drowned: liberada versão de Poison Heart, do RamonesDrowned
Liberada versão de "Poison Heart", do Ramones

Ramones: resenha do último disco da banda, Adios AmigosRamones: em 1979, um ótimo ao vivo para coroar o primeiro ciclo da ban

Ídolos imortais: Dee Dee Ramone, um gênio insanoÍdolos imortais
Dee Dee Ramone, um gênio insano

Ramones: covers que a banda gravou (e se tornaram grandes sucessos)Ramones
Covers que a banda gravou (e se tornaram grandes sucessos)

Ramones: a resenha do disco Acid Eaters

Ramones: O legado não vai desaparecer, isso é o mais importanteRamones
"O legado não vai desaparecer, isso é o mais importante"

Richie Ramone: CJ e eu somos do Ramones e Marky sabe dissoRichie Ramone
"CJ e eu somos do Ramones e Marky sabe disso"

Ramones: 10 músicas que não são cantadas por Joey RamoneRamones
10 músicas que não são cantadas por Joey Ramone

Ramones: o pacto entre Joey e a viúva de Johnny que segurou a bandaRamones
O pacto entre Joey e a viúva de Johnny que segurou a banda

Ramones: 23 coisas que aconteceram depois que a banda acabouRamones
23 coisas que aconteceram depois que a banda acabou

Em 06/10/1996: Ramones fazia seu último showRamones: quebra-cabeças serão lançados em setembro

Ramones: Regis Tadeu conta histórias pouco conhecidas sobre a bandaRamones
Regis Tadeu conta histórias pouco conhecidas sobre a banda

Resenha - Acid Eaters - RamonesRamones
Os influenciadores também são influenciados

Heróis de quadrinhos e capas de discos: uma mistura curiosaHeróis de quadrinhos e capas de discos
Uma mistura curiosa

Dust, direto das catacumbasDust, direto das catacumbas
Dust, direto das catacumbas

Rock: seis bandas que se inspiraram na cultura PopRock
Seis bandas que se inspiraram na cultura Pop


Vocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rockVocalistas
Belíssimos timbres de alguns cantores de rock

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Edu Falaschi: o fax com convite de seleção para o Iron MaidenSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSlipknot: eles nunca farão show sem máscaras, garante Corey TaylorHotel Californication: e se juntar Eagles com Red Hot Chili Peppers?

Sobre Luciano Correa

Colaborador do Whiplash e apreciador de várias vertentes do Rock/Metal. Começou cedo ouvindo Queen, Nazareth e RPM no velho toca discos dos pais. Escutou muito Guns N' Roses, Bon Jovi, Scorpions, Metallica, Iron Maiden e Sepultura até descobrir Helloween, Blind Guardian e Gamma Ray. Ainda nesse meio tempo começou a ouvir Ramones, Misfits, Offspring, Angra, Rhapsody, Hammerfall, Stratovarius, Manowar, Motörhead, Pantera e Slayer para fechar a década de 90. No começo dos anos 2000, incluiu em sua lista bandas como Nightwish, Sonata Arctica, Within Temptation, System Of A Down, Rammstein, Dimmu Borgir, Cradle of Filth e atualmente - últimos 5 anos, tem escutado muito Children Of Bodom, Katatonia, Alestorm, Eluveitie, entre tantas outras. Rock/Metal é barulho para alguns e estilo de vida para tantos outros!

Mais matérias de Luciano Correa no Whiplash.Net.