AC/DC: relembrando velhos tempos com desempenho impecável

Resenha - AC/DC (Estádio do Morumbi, São Paulo, 27/11/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Gacciona, Fonte: Puro Pop - Cultura Pop e Non Sense
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Após 13 anos de espera, ANGUS Young e companhia voltam ao Brasil no estádio do Morumbi para um show, único, inesquecível e que já deixa saudades. O concerto faz parte da "Black Ice Tour" e trouxe clássicos, carisma e muito rock and roll para uma sexta-feira chuvosa na maior metrópole do país.

540 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman5000 acessosGuns N' Roses: Ellen Jabour conta como foi estar com banda

Às 21:30, as luzes do palco se apagaram completamente e o furor do público indicava que os donos da noite estavam prestes a chegar. O estádio estava tomado por chifres que piscavam na cabeça dos inúmeros fãs, que podiam ser comprados na porta ou dentro do estádio por volta de R$10,00, e faziam uma conversão luminosa por toda a pista e arquibancadas. Uma animação começou a ser rodada nos telões onde o endiabrado ANGUS faz uma viagem alucinante com duas belas garotas em uma locomotiva desgovernada e sem freios que acaba em cima do palco com um trem de verdade invadindo o show. “Rock and Roll Train” começa e o estádio vem abaixo.

Não há tempo para se dar conta do que está acontecendo, pois “Hell Ain’t A Bad Place To Be”, e “Back In Black”, continuam a sequência matadora e nos fazem perguntar se tudo aquilo é mesmo verdade. BRIAN JOHNSON (vocal) pára um segundo para soltar uma gafe, o único erro de todo o incrível show: “Não falamos brasileiro, mas falamos rock and roll”. Tudo bem! O show continua em ritmo frenético. Intercalando ótimos clássicos com canções do novo álbum, “Big Jack”, “Dirty Deeds Done Dirty Cheep” e “Shot Down In Flames” fazem o público delirar.

Um ANGUS (guitarra solo) impecável e alucinado voa pelo palco, BRIAM grita, dança e se debate como nos tempos áureos e MALCOLM YOUNG (guitarra base), CLIFF WILLIAMS (baixo), e PHIL RUDD seguram a base e a cozinha como ninguém. “Thunderstruck” coloca o estádio em uníssono e “Black Ice” é a melhor execução das novas canções no set list. “The Jack” faz o estádio inteiro cantar junto e ainda dá uma deixa para que ANGUS faça um strip-tease e mostre sua cueca a todos os presentes.

Um gigantesco sino com o logo da banda desce sobre o palco e BRIAN corre, como uma criança apesar dos 62 anos nas costas, para se pendurar e fazer o sino tocar. As badaladas começam e o riff de “Hells Bells” continua o espetáculo. “Shoot to Trill”, “War Machine” e “Dog Eat Dog” mostram que os velhinhos australianos ainda possuem muita energia e não deixam o ritmo frenético e avassalador do show diminuir.

“You shook me All night Long” e “TNT” fazem o estádio se transformar em um verdadeiro caldeirão. Em seguida, uma boneca gigante é inflada sobre a locomotiva e o fantástico riff de “Whole Lotta Rosie” continua a odisséia. Depois de uma hora e meia de rock and roll ininterruptos, o público e, principalmente, a banda ainda queria mais. Ao som de “Let There be Rock”, Angus passeia pela passarela que leva até um pequeno palco no meio do estádio e em uma performance indiscutível, se atira ao chão, gira e pula como um louco entretendo o público em um solo que dura mais de 10 minutos. Ao fim da música, o AC/DC agradece e se retira do palco.

Com as luzes apagadas, uma fumaça começa a surgir no meio do palco até que o protagonista, ANGUS, surge com a guitarra nas mãos e coloca os dedos na testa como se fossem chifres. “Highway to Hell” inicia o bis e deixa o show em um clima “infernal”. Os canhões são colocados a postos e sabemos que o momento do fim está próximo. A introdução de “For Those About To Rock” uni todos os presentes para o coro final e em meio a tiros de canhão o show termina com chave de ouro. A banda agradece e vai embora ovacionada. Ninguém acredita que é o fim, mas os fans parecem ainda mais perplexo pelo o espetáculo que acabra de ver. Fogos jorram pelo palco em direção aos céus e o público começa se retirar.

Para mais de 65 mil pagantes, o AC/DC fez um show incrível, inesquecível, cheio de energia e com muito profissionalismo. Relembrando os velhos tempos e com um desempenho impecável, a banda mostra que ainda tem muita energia para queimar. Que o próximo show no Brasil não demore tanto a acontecer, se um dia chegar a acontecer, pois esse talvez tenha sido o último, mas enquanto isso: “Let There Be Rock!!!”

Setlist:
Rock N’ Roll Train
Hell Ain’t a Bad Place to Be
Back in Black
Big Jack
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Shot Down in Flames
Thunderstruck
Black Ice
The Jack
Hells Bells
Shoot to Thrill
War Machine
Dog Eat Dog
You Shook Me All Night Long
T.N.T.
Whole Lotta Rosie
Let There Be Rock

Bis:
Highway to Hell
For Those About to Rock (We Salute You)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de AC/DC (Estádio do Morumbi, São Paulo, 27/11/2009)

1813 acessosAC/DC: a banda fez a espera de 13 anos valer a pena5000 acessosAC/DC: levando termo "espetáculo" às últimas conseqüências5000 acessosAC/DC: nada de água, "chuva de clássicos" no Morumbi5000 acessosAC/DC: a superprodução foi apenas um detalhe5000 acessosAC/DC em São Paulo: um show que fez a chuva parar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Phil RuddPhil Rudd
Por que ele se recusa a fazer solos de bateria

540 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman1478 acessosRock: gênero é um trintão decadente, segundo Spotify0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "AC/DC"

Rolling StoneRolling Stone
Dez canções para levantar o seu ânimo

Carnaval com RockCarnaval com Rock
Bloco Cru e Filhos Of The Dark

Guns N RosesGuns N' Roses
Beta defende Axl e AC/DC dos haters virtuais

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "AC/DC"

Guns N RosesGuns N' Roses
Ellen Jabour conta como foi estar com a banda

James HetfieldJames Hetfield
O equilíbrio entre Metallica e vida familiar

Black SabbathBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

5000 acessosWest Ham: o time do coração de Steve Harris5000 acessosCinema: 60 filmes pra quem ama Rock e Metal5000 acessosMTV Unplugged: As 25 melhores apresentações da história5000 acessosGuns N' Roses: assista os primórdios da banda em 19864076 acessosAngra: como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto5000 acessosSlash: 15 grandes registros em músicas de outros artistas

Sobre Thiago Gacciona

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online