Grave Digger: Em São Paulo, noite que valeu o salgado ingresso

Resenha - Grave Digger (Citibank Hall, São Paulo, 02/08/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Portughesi
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.





Se o som do Grave Digger pudesse ser caracterizado por uma particularidade, essa com certeza seria a inconfundível voz de Chris Boltendahl. Nitidamente, um vocalista competente que segue o exemplo dos mestres do Heavy Metal. A banda, que surgiu na década de 80, partidária da filosofia tradicionalista do universo headbanger, tem em sua história musical clássicos absolutos como "Heavy Metal Breakdown" e "Tunes of war", que embalaram mais uma excelente apresentação do grupo em São Paulo. A última vez que estiveram por aqui foi para a gravação do DVD "25 To Live" (2005), material que surpreende principalmente pela relação com o público, que dá um show à parte e transforma cada música em um momento marcante. Dessa vez não poderia ser diferente e não foi.

Fotos: Pedro Henrique Cardoso Carvalho

Com um pequeno atraso o Grave Digger subiu ao palco do Citibank Hall, em Moema, SP, ao som de "Brave", do álbum "Tunes Of War". Um trabalho interessante que mostra a banda em ótima forma fazendo o seu carcterístico power metal, com letras marcantes e que enfatizam a questão da liberdade.

Após a introdução, o grupo segue com a música que leva o mesmo nome que o álbum: "Liberty Or Death", e incendeia a platéia. A produção era simples e o palco continha apenas um painel ao fundo com a capa do novo CD. Um pouco mais à frente do painel era possível ver o tecladista Hans Peter Katzenburg. Se alguém não o conhecia só o notou após Chris apresentar a banda. O músico vestia um capuz e ficou imóvel boa parte do tempo, parecendo mais uma estátua parte do "cenário".

Alguns problemas técnicos logo no início do show também rolaram, entre elas uma falha na guitarra de Thilo Herrmann, porém nada muito grave e que levasse muito tempo pra ser arrumado.

A banda fez um repertório composto por sons de toda sua história, contendo clássicos como "Tunes of war" (1996), que embalou os melhor momento do show, "Scotland United", cantada em uníssono, e "Rebellion", também ovacionada pelo público. Só faltou "William Walace" para completar a lista das músicas mais conhecidas do grupo. O Álbum "Excalibur" (1999) também proporcionou momentos marcantes com "Morgana Lefay" e "Excalibur".

Após uma boa dose de Heavy Metal o Grave Digger se despedia do público que, eufórico, não parava de chamá-los de volta para o rotineiro encore. A parte interessante é que Chris entrava e saia do palco pra brincar com a platéia. Carismático, o vocalista sabe como ser, além de um ótimo intérprete, um excelente frontman. "The Reaper", "The Round Table", "The Grave Dancer" e "Heavy Metal Breakdown" foram as últimas músicas da apresentação, que fecharam muito bem a noite ao fazer todos os bangers cantarem alto.

Tocando as músicas mais notáveis de sua carreira, o grupo não decepcionou o público na escolha do set list. É claro que nunca é possível agradar a gregos e troianos, apesar de que seria mais conveniente neste caso citar escoceses e ingleses, mas de um modo geral o público saiu satisfeito e com a garantia de uma noite que valeu o "salgado" ingresso.

O Grave Digger fez do show uma constante positiva sem espaço para pontos baixos. A presença de palco de Chris Boltendahl sempre simpática e carismática é a personificação de toda a satisfação que a banda tem em tocar no Brasil e de toda a energia do público. O baterista Stefan Arnold, consistente nas levadas, juntamente com o baixista Jens Becker formam o background perfeito para o passeio de riffs de Manni Schmidt, sem esquecer, é claro, do competente Thilo Herrmann.

SET LIST

Intro: Brave
1. Liberty or Death
2. Son of Evil
3. Valhalla
4. Scotland United
5. Lionheart
6. Grave in the no man's land
7. Excalibur
8. The dark of the sun
9. The house
10. Highland Tears
11. The Grave Digger
12. Silent Revolution
13. Morgana Lefay
14. Knights of the cross
15. The Last Supper
16. Rebellion

Intro: Reaper
17. The Reaper
18. The Round Table
19. The Grave Dancer
20. Heavy Metal Breakdown

Line-up
Chris Boltendahl - Vocals
Manni Schmidt - Guitar
Thilo Herrmann - Guitar
Hans Peter Katzenburg - Keyboards
Stefan Arnold - Drums
Jens Becker - Bass



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Grave Digger"


Hellish War: banda brasileira de heavy lança o álbum Wine Of Gods

Mascotes do Metal: os dez maiores segundo The GauntletMascotes do Metal
Os dez maiores segundo The Gauntlet

Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blogCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog

Grave Digger: Ozzy foi a pior performance que vi na minha vidaGrave Digger
Ozzy foi a pior performance que vi na minha vida


David Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleãoDavid Bowie
Conheça 60 fatos da vida do camaleão

AC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?AC/DC
Como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

Askmen.com: site elege as dez melhores músicas do NirvanaAskmen.com
Site elege as dez melhores músicas do Nirvana

Metallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritasMetal norueguês: as dez melhores bandas segundo o About.comNirvana: quais foram as músicas "inéditas" gravadas em Janeiro/1994?Em 21/08/1989: Morre Raul Seixas, que seria encontrado morto no dia seguinte

Sobre Rafael Portughesi

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.