Hard In Rio: Review dos shows do Firehouse e Ted Poley no Rio

Resenha - Hard In Rio (Circo Voador, Rio de Janeiro, 18/11/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Do desejo de 3 amigos em fazer um show totalmente voltado para o hard-rock eis que presenciamos num domingo de temperatura amena e dentro de um feriadão o festival Hard In Rio, que reuniu no já tradicional Circo Voador as bandas Firehouse e Ted Poley Band (voltando ao Brasil pela segunda vez em menos de 3 meses), com abertura dos cariocas da Masters (antiga Snow). Um deleite para os fãs de hard-rock, sedentos por show e até mesmo um ponto curioso: Ted Poley já havia dado seu recado ao vivo alguns meses atrás, quando veio ao Brasil para alguns shows, mas o Firehouse parecia incógnito em terras brasileiras, salvo uma "promo-tour" feita em 1996, quando divulgavam o disco "3". Nesta ocasião a banda tocou até no programa da XUXA (!), mas shows ao vivo, não fizeram.

Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposVeja SP: show do Iron Maiden eleito como "pior de 2009"

Eis que chegando ao circo por volta das 17hs encontrávamos os tradicionais fãs de hard, vestidos a caráter, com calças de couro, jaquetas e muito laquê no cabelo, além de fãs de rock e metal, provando que hard e metal podem sim conviver harmonicamente sem brigas ou conflitos. Era um domingo do chamado rock "farofa", com direito a muita festa e ansiedade. Por volta de 750 pessoas compareceram ao evento. Não foi uma super-lotação, mas quem foi foi de coração e com muita vontade de agitar, logo, 750 pareceram 2000, tamanha a empolgação.

Com certo atraso (por volta das 20hs) a Masters sobe ao palco, com o "cover" de "Blood Polution" (do filme "Rockstar"). Já os tinha visto quando ainda se chamavam Snow, na abertura do show do Talisman no teatro Rival BR, mas confesso que não sabia como a banda, que perdera seu fundador e compositor Marc Snow (guitarra) iria se portar. Riq Ferris (vocal), Diego Padilha (baixo) e os novos membros Davis Ramay e Jay Sixx (guitarras) e Mark Vinny (bateria) vieram com todo gás, e em seguida mandaram "On Fire" (uma das melhores do CD de estréia, intitulado "Snow") e "Tearin' Down The House". Mark teve a dura tarefa de substituir Marc Snow, e o fez com habilidade e maestria, enquanto que Jay ainda soa um tanto deslocado. A banda levou sons novos como "On The Run" e "Are You Ready?" (mais pesados, uma nova e interessante faceta) e o já conhecido cover de "Wild Child" do WASP. Ao final da apresentação de cerca de 50 minutos, o alívio por saber que um dos melhores nomes do hard-rock brasileiro continua com tudo e merecendo toda gama de elogios, inclusive os bradados a plenos pulmões pelo vocalista Ted Poley, que novamente iria usá-los como banda de apoio, e que pretende levá-los para excursionar na Europa. Nada mais justo, porque talento os caras têm de sobra.

No intervalo são anunciados alguns shows para 2008, e inclusive uma tentativa de negociação com Paul Stanley (Kiss), que segundo o dono da loja Headbanger Carlos Gelio já se mostrou interessado. Tomara que tais shows rolem, já que os fãs de hard-rock existem e não são poucos.

Mais alguns minutos e eis que o festeiro Ted Poley entra para não só um show, mas uma celebração hard. Iniciando seu show com o tema do "Spider-Pig" (ou "Porco Aranha" para quem, como eu teve que assistir o filme dos Simpsons em sua versão dublada), seguida por "Crazy Nites" (com um pequeno efeito pirotécnico) e "Love On Me". Ted é simplesmente os anos 80 em forma de gente: pula, grita, bate no peito e manda ver em sons pesados e cativantes como "Beat The Bullet" e "Smile" (de seu novo CD, de mesmo nome). Sobraram elogios para a Masters, que servia de banda apoio e para o tecladista convidado Bruno Sá (Allegro), que ainda teve tempo para um curto solo.

Para provar que Ted literalmente se entregou neste show, durante "Don't Walk Away" o mesmo sumiu, reaparecendo no meio da pista junto com os fãs. O cara é carisma puro, e um "set" que mescla sons do Danger Danger (sua banda) como "Bang Bang" e "Naughty Naughty", com sons solo e "Lately" (do projeto Bonemachine) ajudaram a deixar o público em êxtase, pedindo por mais, no que Ted atendeu prontamente com "Monkey Business", "Rock America" e "I Still Think About You". Vale citar o perfeito entrosamento entre o vocalista e sua banda de apoio (quem não soubesse que eram os caras da Masters poderia imaginar que eles se conhecem há anos), e a boa voz de Ted, além de sua energia no palco. A banda encerrou o show com o tema dos Simpsons, e com Ted pedindo para que todos mantivessem a energia lá em cima para o show do Firehouse.

Mais um pequeno intervalo e eis que às 23h30 CJ Snare (vocais), Bill Leverty (guitarras), Michael Foster (bateria) e Allen Mckenzie (baixo) subiram ao palco com "Helpless" e "Lover's Lane" , seguida pela excelente "All She Wrote" (com direito a CJ gritando "Somebody Scream!", como fizera no ao vivo "Bring'em Out Live"). Seguem-se "Hold Your Fire" (do segundo CD, de mesmo nome) e a linda balada "When I Look Into Your Eyes", com ótima resposta do público.

O Firehouse prova com este show que o papo de que as bandas de hard anos 80 são sim formadas por bons instrumentistas e músicos. CJ possui um gogó afinado e potente (embora no fim do show o sinal de cansaço seja evidente), Bill é um excelente guitarrista, Michael parecia que ia saltar da bateria de tanta técnica e peso e Allen mandava muito bem no baixo.

A banda leva a boa "Shake and Tumble" para seguir com um momento mágico: "Door To Door", do último CD, "Prime Time". Com Michael fazendo um excelente vocal e CJ nos teclados, um número hard de primeira é executado (com direito a um solo de bateria no meio), levando o público ao delírio. Embora eu afirme categoricamente que o Firehouse é mais profissional no palco, não transparecendo tanto a entrega e energia que Ted Poley usou e abusou, "Love Of A Lifetime" e a magistral "Reach For The Sky" soam matadoras, encerrando a primeira parte do show. O público cantava todas as letras junto com CJ, que ainda mandou o bordão "CHUPA ESSA MANGA!", ganhando com facilidade a galera.

Era claro que a balada "I Live My Life For You" e o "hit" "Don't Treat Me Bad" ficariam para o bis, mas ninguém poderia esperar que os caras tocassem o cover de "Highway To Hell" (AC/DC), que estará presente no futuro CD de covers, prometido para 2008. Com Allen encarnando Bom Scott nos vocais, a banda arrasou, podendo depois executar os já citados "hits". Um showzaço, digno de uma banda que ainda tem muita lenha para queimar no hard-rock.

Saldo final: fãs extasiados, produção satisfeita e a promessa que o Hard In Rio se repetirá em 2008, trazendo mais nomes do hard-rock mundial que nunca tiveram a chance de se apresentar no Brasil, para shows no Rio de Janeiro. Cruzem os dedos e comecem a torcer, porque se o primeiro já foi mágico, imagina o que virá no futuro.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Firehouse"Todas as matérias sobre "Ted Poley"


Baladas do Hard Rock: blog elege o Top 20 de todos os temposBaladas do Hard Rock
Blog elege o Top 20 de todos os tempos

Novelas: outros 10 clássicos do Rock que a Globo popularizouNovelas
Outros 10 clássicos do Rock que a Globo popularizou


Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Veja SP: show do Iron Maiden eleito como pior de 2009Veja SP
Show do Iron Maiden eleito como "pior de 2009"

Malmsteen: Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarristaMalmsteen
Slash, Vai, Satriani e Wylde falam do guitarrista

Musical Box: Os 20 discos seminais do Hard RockCantadas Headbanger: "Estou Priest a te dar um beijo!"Dimebag Darrel: Um raro vídeo de solo aos 18 anosPantera: os dez álbuns que mudaram a vida de Rex Brown

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.