RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Australian PF: Uma apresentação dos maiores clássicos do Pink Floyd

Resenha - Australian Pink Floyd (Claro Hall, Rio de Janeiro, 14/06/2005)

Por Thiago Merlo
Postado em 14 de junho de 2005

Numa das maiores casas de espetáculo do Rio de Janeiro, os músicos australianos do The Australian Pink Floyd ofereceram ao público brasileiro uma apresentação dos maiores clássicos do Pink Floyd. No dia 14 de Junho, haviam se apresentado no Gigantinho em Porto Alegre e nos dias 16 e 17 de Junho no Credicard Hall em São Paulo. Após os shows nas capitais, o Rio de Janeiro é coroado com o término da turnê brasileira e sul-americana no dia 18. Esta banda é a única com autorização de David Gilmour a utilizar o nome do Pink Floyd nas turnês pelo mundo.

Fotos: Imagens do show do México dias antes.

Curiosamente na semana que o Pink Floyd anuncia seu retorno com a formação original no "Live Eight", os australianos que criaram sua banda em 1988 se apresentam no Brasil mostrando a força e capacidade emocional que as canções de Roger Waters & Companhia exercem sobre os fãs. Numa noite de sábado, o Claro Hall consegue mais de quatro mil pessoas dispostas a se divertirem e ouvirem a boa música.

Com vinte minutos de atraso (o show estava marcado para as 22:30), os guitarristas Steve Mac e Damian Darlington, o baixista Colin Wilson, o tecladista Jason Sawford e o baterista Paul Bonney iniciam com "Speak To Me". Na primeira parte do show, os músicos executaram o disco de 1973 mais aclamado pela crítica em aproximadamente 55 minutos: o "Dark Side Of The Moon". Após um intervalo de 20 minutos, eles retornam executando os grandes clássicos como "Another Brick In The Wall – Part II", "Comfortably Numb", "Shine On You Crazy Diamond" e "Wish You Were Here".

Causa estranheza a banda não dispor de grandes quantidades de equipamentos, entretanto todo o maquinário é de alta qualidade. Com a mesma energia do inicio da apresentação e com os equipamentos regulados para simular sons próximos ao do disco, eles executam "Breathe" e "On The Run" impecavelmente. Destaque para o baterista que demonstra uma energia notável durante todo o show. Um dos grandes momentos de interação entre público e banda foi na canção "Time". Várias imagens criadas especialmente para a banda foram reproduzidas através um telão de alta resolução. Em seguida, tocam a canção de Wright "The Great Gig In The Sky" com uma excelente dupla de backing-vocals. Entretanto no solo vocal da canção, a backing deixa a desejar não demonstrando uma extensão vocal. Talvez os deslizes sejam porque no CD o solo não é cantado somente por uma mulher, mas sim dividida por Doris Troy e Leslie Duncan. Sendo assim, cabem criticas menos severas. "Money" volta a mexer com o público mostrando a técnica do baixista através do riff da música. "Us And Them" e "Any Colours You Like" emociona com suas belas letras e solos melódicos. Em "Brain Damage", o telão exibe diversas personalidades internacionais que constantemente estampam os noticiários tratando de guerras e conflitos pelo mundo. "Eclipse" dá o tom maior e termina a primeira parte do espetáculo.

Após o intervalo, os músicos retornam para parte final do espetáculo. Executam canções do "The Divison Bell". Enquanto é tocada "Shine On You Crazy Diamond", imagens de Syd Barret são mostradas juntamente com antigas imagens dos integrantes. Em "One Of These Days", o grande porco rosa é substituído por um canguru rosa, símbolo da The Australian Pink Floyd. "Comfortably Numb" causa emoção no Claro Hall. Cantando por Colin Wilson e Damian Darlington, o público vibra muito. Inicia-se "The Happies Days Of Our Lives", preparando o público para o momento mais emocionante do show: a canção "Another Brick In The Wall – Part II". Ninguém permanece sentado e instantaneamente os músicos esboçam sorrisos como se soubessem que a "missão" deles foi cumprida. Outras canções são tocadas e eles terminam o espetáculo. Com muita insistência, os músicos retornam. No bis tocam mais algumas canções, entre elas "Wish You Were Here", mostrando novamente imagens de Syd Barret.

Um verdadeiro show nos foi mostrado no Brasil. As canções do Pink Floyd mostram que o tempo e as gerações não se esquecem do que é realmente bom. Pais e filhos seguem juntos ao evento e provam que estas canções vão perdurar por longos tempos. E nós, Brasileiros, aguardamos pacientemente que um dia a banda original venha prestigiar o público sul-americano.

Para Maiores informações sobre a banda, visitem: http://www.aussiefloyd.com.


THIAGO MERLO tem 24 anos e é Analista de Sistemas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e estudante de Educação Física. Em Janeiro de 1996 teve contato com Rock´n Roll e especialmente com um bootleg do Pink Floyd de 1970. Apaixonou-se por "The Narrow Way" e "Green Is The Color". Em Outubro de 1996 comprou "The Wall". Depois disso virou amante do material do Pink Floyd. Toca contra-baixo e gosta muito de Black Sabbath, Rolling Stones, Jethro Tull, The Who, Deep Purple, Led Zeppilin, Jefferson Airplane e todo o material do Woodstock.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal