Matérias Mais Lidas

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemJulian Lennon relembra quando Paul McCartney escreveu "Hey Jude" para ele

imagemRandy Rhoads gostava de tocar as músicas do Black Sabbath?

imagemTony Iommi: surpreendendo ao eleger seu "Deus do Rock"

imagemA opinião de Rita Lee sobre a fenomenal Cássia Eller

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemAmilcar Christófaro diz que chegou a sondar Vitor Rodrigues para retornar ao Torture Squad

imagemNoel Gallagher revela seu único arrependimento em sair do Oasis

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemTuomas Holopainen achou que o Nightwish fosse acabar após saída de Marko Hietala

imagemDicionário do Metal: cinco bandas com a letra A


Samael Hypocrisy
Lift Detox

O temor que Chacrinha tinha com os roqueiros que os sertanejos é que acabaram fazendo

Por Bruce William
Postado em 30 de outubro de 2022

Na metade dos anos oitenta o Rock Nacional estava em alta nas rádios. Pelo menos nas rádios cariocas, e em boa parte graças à lendária "Maldita" FM, que operava em 94,9 MHz.

Foto: Reprodução capa LP
Foto: Reprodução capa LP

A "Maldita", que era na verdade a rádio Fluminense FM, já existia desde o começo dos anos setenta em Niterói (RJ), mas somente na metade de 1981, com a entrada de uma equipe formada pelos radialistas Amaury Santos e Sérgio Vasconcellos sob o comando do jornalista Luiz Antonio Mello, todos jovens com pouco mais de 25 anos, aos poucos a programação foi se tornando cada vez mais roqueira até que alguns meses mais tarde a rádio passou a contar com nada menos que 24 horas dedicado ao rock, e além disso ainda incentivava as bandas novas que estavam surgindo no cenário nacional.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Lembro do entra e sai constante de músicos no prédio onde funcionava o jornal O Fluminense(...)Os artistas levavam fitinhas K7 com as suas músicas para tocar na rádio. As fitas eram avaliadas pelos produtores. Quem era aprovado, tocava na rádio e era sugerido para se apresentar no Circo Voador(...)Lobão apareceu lá com a fita master de seu primeiro LP, 'Cena de Cinema' que nós tocamos na íntegra(...)Com o passar do tempo foram ao ar dezenas de fitas de nomes como o Kid Abelha, Sangue da Cidade, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana, Bacamarte e muitos outros", relembrou Luiz Antonio Mello em declaração para o jornal A Tribuna.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar do pioneirismo, a emissora era deficitária e, depois de 1985, passou a sofrer também a concorrência de outras estações como a Estácio FM, a Rádio Cidade e a Transamérica, que começaram a investir pesado nos "jovens roqueiros", que faziam muito sucesso naquela, que é considerada a época áurea do Rock Nacional conhecido como BRock, que duraria apenas alguns anos.

Quando Chacrinha fez críticas ao Rock por dominar a programação das rádios

.

Em 1986, já consolidado como um dos maiores nomes da comunicação no Brasil, Chacrinha foi até o Ceará para assistir ao lançamento de um disco da cantora de forró Eliane. E em entrevista ao Diário do Nordeste, ele falou sobre o cenário que havia então de "disputa" do forró e o rock em âmbito nacional, e criticou os esquemas das rádios pois na opinião dele só tocavam as mesmas músicas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Na pior das hipóteses, elas deixam de tocar 70 por cento dos artistas que gravam. Fazem isso por discriminação e intelectualização. As rádios cariocas não mudam a programação. A pessoa é obrigada a ouvir rock 24 horas por dia. Não quero dizer que sou contra rock, acho apenas que deveria ser dada oportunidade à música brasileira", disse o comunicador, que ainda emenda: "Penso que dentro de um ano isso vai mudar".

Ele tinha razão, pois tudo mudaria de fato. Mas Chacrinha não veria a queda do BRock nas rádios, pois morreria dois anos depois, no dia 30 de junho de 1988, aos 70 anos de idade, por causa de um infarto do miocárdio agravado por insuficiência respiratória.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O domínio do sertanejo nas rádios do Brasil e abafa os demais gêneros

Matéria do início de 2022 da Folha de São Paulo relata que os sertanejos dominam as rádios, o que valoriza mais ainda os cachês e chega a lugares onde a internet é precária.

Citando uma entrevista onde a empresária do ramo musical Kamila Fialho diz: "Eu pago para tocar uma música na rádio e eles compram a rádio", o texto relata que o sertanejo é o gênero mais consumido do Brasil em qualquer plataforma, e possui uma presença ainda mais predominante nas rádios, o que faz com que os cachês dos músicos do gênero sejam mais altos. "Entre as cem músicas mais tocadas nas rádios do país em 2021, segundo relatórios das empresas especializadas Crowley e Connectmix, cerca de 60% são sertanejas, e o resto é dividido entre forró, pagode, pop e músicas internacionais, entre outros. O sertanejo também domina as primeiras posições das listas", informa a matéria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"O sertanejo vem numa crescente, de dominar o mercado, há uns oito ou nove anos. Não era assim. Antigamente, o axé, o pop rock, o pagode, dividiam mais espaço. Hoje, o sertanejo monopolizou", relata JP Ferolla, que também trabalha com os Barões da Pisadinha e diz que o investimento em rádio dos astros do forró é menor, e ainda há discriminação. "A maioria das rádios sertanejas não toca forró e nem piseiro. Já vi artistas que quiseram pagar e não foi aceito. Então a rádio também faz uma seleção, não pega qualquer música".

O temor de Chacrinha infelizmente se concretizou. Mas não foi com o Rock...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Stamp
Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Bandas: Por que ninguém está indo a seus shows?

Metal: as oito maiores tretas entre músicos do gênero


Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William.