Resenha - Motorhead (Via Funchal, São Paulo, 14/05/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bento Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A experiência de se assistir a um show do Motorhead em São Paulo pode ser comparada a uma das mais tradicionais “manias paulistanas”. É como sair numa sexta feira à noite para comer Pizza (alguém ainda duvida que a nossa é a melhor do mundo?). Já virou tradição aqui na cidade, sair de casa para assistir a banda explodir o palco, como confirmou o excelente publico que compareceu ao Via Funchal nessa fria noite de sexta-feira.

1432 acessosScorpions: Para Mikkey Dee é um grande desafio tocar com a banda5000 acessosO verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo dos Raimundos

Já vi quatro apresentações da banda e depois de mais esse show, ficou fácil afirmar que Lemmy e seus capangas deram o melhor show do Motorhead por aqui exatamente agora, em 2004. Desde a primeira vez (em 1989) os problemas com o som atrapalhavam e muito o espetáculo. Não que desta vez o som estivesse perfeito, mas ele estava mais “pesado” do que “embolado”, e isso refletiu na apresentação dos caras!

Pisando pela quinta vez num palco paulista, Lemmy entrou com suas tradicionais botas brancas e falou aquele “Good Evening” como só ele sabe! Começaram com a faixa “We Are Motorhead” do álbum de mesmo nome para depois já emendarem com um clássico – “No Class”.

A molecada vibrava bastante e o repertório mesclava material mais recente como “Sacrifice”, a versão de “God Save The Queen” dos Pistols e “Civil War”, com material já de meia idade como o bluesão “You Better Run”, “Ramones” e “Going To Brazil” e também com clássicos maravilhosos das antigas como “Damage Case”, “Killed By Death”, “Shoot You In The Back” e “Iron Fist”.

Surpresa mesmo foi Mr. Lemmy anunciar: “This is for the older people in
the audience" e mandar “Over The Top”, um lado B fodão datado de 1979, que saiu de lambuja no compacto “Bomber”. Maravilhoso!

O som rude e cru do grupo continua cativando fãs de todas as faixas etárias. Quando Lemmy dá seu primeiro acorde no seu Rickembacker, nada mais importa, e a atitude e força do som pesado britânico daquele final dos anos 70 vem à tona novamente.

Isso ficou provado ainda mais no bis, quando a banda voltou e tocou “Bomber”, “Ace Of Spades” e “Overkill”, com o ouvido da galera pedindo trégua!

Eles estão lançando mais um disco de estúdio chamado “Inferno” e tomara que voltem sempre para comer uma boa Pizza com a gente!

Bento Araújo (poeira Zine)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mikkey DeeMikkey Dee
O desafio de tocar com o Scorpions

1432 acessosScorpions: Para Mikkey Dee é um grande desafio tocar com a banda1469 acessosMotorhead: "Ace Of Spades" no comercial do Turbo Soul, da Kia163 acessosEm 14/08/1992: Motorhead lança o álbum March Or Die0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Motorhead"

LemmyLemmy
Saúde cambaleia, e banda começa a preparar retirada

MotorheadMotorhead
E Lemmy se foi...

WaspWasp
Por que Lemmy nao queria Chris Holmes no Motörhead?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"

RaimundosRaimundos
O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo

Cradle of FilthCradle of Filth
Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?

SlayerSlayer
É melhor não mexer com a família do Tom Araya...

5000 acessosFreddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação5000 acessosAC/DC: as 10 melhores músicas da banda com Bon Scott5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista4161 acessosZakk Wylde: Sua vida é mais fantástica do que era aos 20 anos5000 acessosOasis: Noel Gallagher pega metrô para ir tocar com o U25000 acessosU2: histórias dos bastidores no show do grupo no Morumbi

Sobre Bento Araújo

Bento Araújo nasceu em 1976. É jornalista profissional e adora a música dos anos 60 e 70. É o editor chefe da Poeira Zine, a única publicação do país dedicada à música dos bons tempos. Lá ele escreve os textos, faz a diagramação, cuida da arte, do visual, faz 'a social' com os anunciantes, distribui, faz correio, banco, responde os e-mails e as cartas e também limpa o banheiro da redação... Além de tudo isso, o cara ainda tira uma onda tocando contra-baixo pela noite paulistana, além de vez ou outra fazer um 'bico' em alguma loja de discos em troca de raridades vinílicas... O Editor também oferece seus serviços jornalísticos e musicais a quem se interessar... (nada que uns bons dólares não possam resolver...)

Mais matérias de Bento Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online