Matérias Mais Lidas

imagemO álbum que chocou colégio de freiras de Rafael Bittencourt e foi "libertador"

imagemHá 20 anos, Frejat explicava como Raimundos não se dobrava perante gravadora

imagemRegis Tadeu coloca o dedo na ferida e aponta o grande erro do rock nacional dos anos oitenta

imagemAxl Rose faz piada de gosto duvidoso sobre incidente com microfone

imagemA música do Queen que Brian May pensou que era uma brincadeira

imagemDez bandas de rock e metal que gravaram versões para músicas de outros estilos

imagemEmpresária do Judas Priest conta como foi o encontro de K.K. Downing com ex-companheiros

imagemRaimundos: A surpreendente maneira como Digão conheceu Rodolfo, segundo o próprio

imagemB. B. King sobre John Lennon ter dito que queria tocar como ele

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagem"Nenhuma banda está a fim de ajudar a outra, isto é utopia", diz Regis Tadeu

imagemEric Clapton relembra como era ser chamado de Deus nos anos 60

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão


Lift Detox
Stamp

Sepultura e irmãos Cavalera: da vanguarda ao apequenamento

Por Ricardo Seelig
Fonte: Collectors Room
Postado em 28 de outubro de 2016

Em 1996, o Sepultura era uma das bandas mais inovadoras e vanguardistas do heavy metal. Com a trinca "Arise" (1991), "Chaos A.D." (1993) e "Roots" (1996), o quarteto natural de Belo Horizonte e formado por Max Cavalera, Andreas Kisser, Paujo Jr. e Igor Cavalera crescia a cada minuto, e era apontado por todos como uma espécie de novo Metallica, o próximo nome a estourar no metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E realmente explodiu, só que da maneira errada. O ego inflado, as diferenças sobre os rumos do grupo e as questões familiares envolvendo Max e sua esposa Gloria, também manager da banda (a morte traumática e repentina do enteado de Max, Dana, foi o gatilho final desse processo), levaram o Sepultura a se dividir, com o vocalista deixando a banda enquanto o trio restante ficou sem rumo.

Pausa, casa arrumada, Derrick Green como vocalista e a retomada da carreira. Do outro lado, Max intensificando a sonoridade de "Roots" com o Soulfly e seguindo a vida com uma nova banda nos Estados Unidos.

Então, vinte anos, aqui estamos nós. E os rapazes mineiros também, só que em uma situação bem diferente. O Sepultura, agora sob a liderança de Andreas e com Eloy Casagrande na bateria, anunciou uma turnê pelo Brasil com Lobão. E Max e Iggor (que agora assina o nome com dois G, sabe-se lá o motivo) retornam ao país para celebrar o aniversário de duas décadas de "Roots".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Todo esse movimento gera algumas conclusões e levanta alguns questionamentos. Começando pelo Sepultura. O que era para ser uma grande banda em escala planetária (nunca vou esquecer uma entrevista em que Herbert Viana comenta que só foi entender a proporção que o Sepultura havia tomado quando, ao passear pelo interior do País de Gales, encontrou uma ponte pichada com o nome da banda) aos poucos foi decaindo e perdendo público mundo afora. Ainda que a chama criativa tenha permanecido ardendo em bons discos como "Roorback" (2003), "Dante XXI" (2006) e "A-Lex" (2009), gradativamente o Sepultura foi se apequenando por uma série de fatores. A influência dos caras ninguém tira, isso é um fato, mas a relevância do conjunto no cenário do metal foi se esvaindo pouco a pouco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O anúncio da turnê com Lobão é sintomática. E estranha. E bizarra. Lobão, um dos grandes nomes do rock BR da década de 1980, com passagens pelo Vímana e pela Blitz, e que nos últimos anos se notabilizou mais devido à sua posição política do que pela música que segue produzindo. Independente de concordar ou não com as opiniões do velho lobo (pessoalmente, discordo do discurso de ódio adotado pelo artista, que se defende afirmando que também é atacado da mesma maneira - mas combater pedras atirando mais pedras é meio improdutivo, não acham?), é estranho unir artistas de sonoridade tão contrastante e discurso tão antagônico (não esqueçam que o Sepultura gravou hinos anti-sistema do calibre de "Refuse/Resist"). A conta é simples: quem é fã de Sepultura dificilmente curtirá o lirismo de "Chorando no Campo", e quem curte Lobão provavelmente sairá de cabeça inchada com o peso e a pancadaria dos mineiros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As reações dos fãs nas redes sociais do Sepultura já dão uma pista de como a notícia não foi bem aceita. E não se trata de conservadorismo auditivo, uma vez que o Sepultura sempre andou pra frente e experimentou em sua carreira, fazendo parcerias inusitadas com frequência - a genial união com Zé Ramalho no Rock in Rio 2013 foi uma belíssima bola dentro. Mas é que, com Lobão, a coisa parece ser uma tentativa forçada de unir água com vinho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em relação a Max e Iggor, não há nada de errado em fazer uma turnê comemorando os 20 anos do disco mais importante e conhecido da carreira de ambos. Até aí, tudo bem. A questão é que o discurso de ambos (principalmente Max), sempre atacando o Sepultura e coisa e tal, soa meio sem sentido quando ambos resolvem retornar para o universo que criticam continuamente, deixando de lado suas carreiras atuais. Max conseguiu desenvolver uma trajetória sólida e atrativa com o Soulfly, com discos excelentes como "Dark Ages" (2005), "Omen" (2010) e "Enslaved" (2012), além de retomar a parceria com o irmão no Cavalera Conspiracy. Porém, a celebração aos vinte anos de "Roots" somado ao fato de o vocalista, passados todos esses anos, não conseguir se distanciar e superar os fatos que aconteceram lá em 1996 e levaram à separação do Sepultura, mantendo uma agenda ativa de críticas a Andreas e companhia, independente da boa receptividade aos álbuns do Soulfly, soa incoerente e mostra um raciocínio confuso. Segue em frente, amigo. Supera de uma vez! O resultado é que esse retorno a "Roots" parece um atestado, passado pelos próprios irmãos Cavalera, de que suas carreiras pós-Sepultura não produziram nada relevante - o que, é claro, não é verdade, vide a sólida discografia do Soulfly e os próprios discos do Cavalera Conspiracy.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Enfim, é triste presenciar o ocaso e a irrelevância que vai tomando conta das carreiras do Sepultura e dos irmãos Cavalera. Pouco a pouco, dia após dia, os protagonistas de alguns dos discos mais importantes e influentes do heavy metal, e os maiores nomes que o Brasil já deu ao gênero, ficam cada vez mais pequenos, em um processo que é injusto com os fãs e, sobretudo, com suas próprias carreiras.

Comente: Você concorda que a carreira do Sepultura e dos irmãos Cavalera está cada vez encolhendo mais?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Samael Hypocrisy
Lift Detox


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A opinião de Dino Cazares sobre o insano álbum "Roots", clássico do Sepultura

Andreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

Iggor Cavalera diz que o metal às vezes é muito conservador

Bandas de heavy metal que lançaram discos em cinco décadas diferentes

Sepultura e Nightwish fizeram sucesso no Metal pelo mesmo motivo, afirma Regis Tadeu

Troops of Doom: Jairo Guedz conta como faz para transitar entre Sepultura e irmãos Cavalera

Trintões: 10 discos de heavy metal que completarão 30 anos em 2023

The Troops of Doom: Jairo Guedz escolhe seus três álbuns favoritos do Iron Maiden.

Jovens, mas nem tanto: 10 discos de heavy metal que completarão 20 anos em 2023

Alex Meister: "Brasil ouvia Barão Vermelho e pulava para Sepultura, sem ouvir hard rock"

A importância da gravadora do Sepultura ter acolhido Pato Fu para impulsionar a banda

Jean Dolabella é o novo baterista de banda da cantora Pitty

Cinco separações entre bandas e músicos que foram muito marcantes

Gloria Cavalera afirma que pediu para Max continuar no Sepultura em 1996

Max Cavalera explica porque o Sepultura nunca seria como o Metallica

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarrista

Max Cavalera: morte de Dimebag influenciou reconciliação com Igor

Soulfly: em vídeo, arrasando em "Roots Bloody Roots" ao vivo

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.