Bandas: os dois lados dos rompimentos de formações clássicas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nino Lee Rocker, Fonte: garimpeirodasgalaxias
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Algo que renderia um bom bate papo certamente são as questões que envolvem os dois lados dos rompimentos de clássicas formações de bandas de rock.

987 acessosRock in Rio: quando Axl e Medina comeram macarronada com o povão5000 acessosMetal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Uma banda surge, atinge seu ápice, explode mundialmente, grava discos que entram nas listas de essenciais, arrebata um rebanho infinito de fãs e do nada rompe algo ao qual já estávamos severamente viciados, afeiçoados, seguidores, o que fazer quando isso quebra de certa forma?

Há casos irreversíveis, quando algum membro falece, há casos que geram rupturas entre fãs, alguém sai, a banda continua com outro substituto, o integrante que saiu monta outro projeto, há os seguidores que permanecem fieis a banda, há os que deixam de admira-la como anteriormente, há os que gostam tanto de um lado como do outro, a verdade é que sempre haverá os dois lados dessa moeda.

Tem casos em que a ruptura foi tensa e o assunto vira uma eterna polêmica, afinal, algum dia o Sepultura votará com sua formação original ou não?

A versão que carrega o nome da banda ou a posição dos irmãos Cavalera de que a imagem original deveria ser sacramentada?

É bem nítido que o SEPULTURA bate forte ainda nos corações e mentes de ambos os lados, concordam?

Axl Rose carrega a marca GUNS N' ROSES, causou estranheza, apesar de levar a situação adiante, é fato que não produziu mais nada digno de seu passado, mas as pessoas ainda os seguem, SLASH produziu mais, não teve o mesmo impacto porque nada vai mudar a história e os tempos são outros, os demais integrantes de formações da época áurea também seguem, mas também há o lado que amplifica o status de um front man, são diferentes pesos e medidas.

Quando Bruce Dickinson saiu do IRON MAIDEN, o fervor dos fãs era tão imenso que a substituição não parou a banda, mas a volta do vocalista que foi parte crucial da guinada definitiva deles para a história do Heavy Metal foi celebrada nos quatro cantos do planeta, claro que não posso esquecer da importância de Paul, os primeiros álbuns foram marcos.

Situação similar ao MAIDEN aconteceu ao JUDAS PRIEST, não foram substituições ruins, foram discos que fazem parte de um legado, mas é nítido que as imagens do período de impacto ficam e acabam soterrando registros, infelizmente algumas histórias desses músicos que substituíram posições complicadas de encarar enfrentaram o pão que o diabo amassou tentando a sorte em seus projetos posteriores, ao usarem o cargo que um dia fizeram parte, como currículo de uma nova etapa sozinhos, é um mundo cão.

O jornalista Mick Wall recentemente mexeu em um vespeiro ao declarar que Brian Johnson não deveria levar o devido crédito no álbum de maior sucesso do AC/DC "Back in Black", por ter sido material que ainda tinha resquícios dos últimos momentos de Bon Scott, Mick ignorou todo o restante da obra gravada pelos australianos com seu novo frontman, exagero da parte dele, óbvio, mas, claro, o cara por um lado se refere ao fato de que as coisas mudaram e ele tem sua opinião, e todos nós temos, mas cá entre nós, ver o AC/DC ao vivo continua sendo um dos maiores espetáculos da terra, outros não conseguem mais ser assim.

Outros casos também cabem nessa conversa, garçom, traz mais uma cerveja que o papo aqui vai longe, e o LED ZEPPELIN?

A morte de Bonham fez a banda ceifar sua existência, muitos anos se passaram, tentativas de um esperado retorno volta e meia vem a tona, mas talvez nunca aconteça, o RUSH por muito pouco não ceifou a si mesmo com a tragédia pessoal de seu baterista, foi uma longa pausa, uma espera que se não fosse a superação de Neil Peart, talvez não tivéssemos mais a chance de vê-los novamente, é o sangue.

Relembrando o caso do SEPULTURA me veio a mente a eterna discussão em torno da volta de Roger Waters, mas a vida segue de ambos os lados.

O caso do BLACK SABBATH é outro assunto interessante, a saída de Ozzy trouxe a fase de DIO, maravilhosa, trouxe Gillan, "Born Again', ao meu ver é um disco sensacional, tantos outros vocalistas fizeram parte dessa história levada com punho de ferro por Tony Iommy, há discos muito bons, ao mesmo tempo que foram períodos complicados para o SABBATH, como no caso do IRON MAIDEN, o retorno de DIO e o de OZZY marcaram o mundo da música e mudaram todo gigantescamente.

Há situações em que trocar o nome da banda foi uma opção, como a BLACK STAR RIDERS, foi coerente honrar o nome do THIN LIZZY, mas disso tudo fica e eterna questão, tudo no final não se resume aos corações e mentes dos dois lados que se separaram?

Se o SEPULTURA vive falando sobre algum dia retornar sua formação original, fica a pergunta, o quanto você espera por isso?

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de maio de 2015

Rock in RioRock in Rio
Quando Axl e Medina comeram macarronada com o povão

311 acessosGilby Clarke: novo disco solo terá participação de Nikki Sixx160 acessosEpisódio Wikimetal: Esquenta para o SP Trip0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

SlashSlash
Ele não pretende mudar o nome da banda atual

Guns N RosesGuns N' Roses
Dez coisas que podem micar a reunião

Myles KennedyMyles Kennedy
Os 10 discos que mudaram a vida dele

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Sepultura"0 acessosTodas as matérias sobre "AC/DC"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"0 acessosTodas as matérias sobre "Thin Lizzy"

Metal ModernoMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

No alto do casteloNo alto do castelo
As diferenças entre os diferentes estilos de rock e metal

Playback.FMPlayback.FM
A música mais tocada nas rádios quando você nasceu

5000 acessosInstagram: as fotos mais legais do perfil de James Hetfield5000 acessosSystem Of A Down: Daron Malakian ensina como ser músico5000 acessosSpin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos5000 acessosOasis: Noel Gallagher pega metrô para ir tocar com o U25000 acessosPantera: as 10 melhores músicas segundo o Loudwire5000 acessosLed Zeppelin: As melhores canções segundo a revista Rolling Stone

Sobre Nino Lee Rocker

Nino Lee Rocker é músico, produtor, pesquisador, colecionador e amante do rock em todas suas vertentes e tempos. Atualmente se dedica a pesquisa de novas bandas a nível mundial. Criador do blog Garimpeiro das Galáxias e da camiseteria Contra Grife. Contate-o pelo Facebook.

Mais matérias de Nino Lee Rocker no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online