De Nirvana até Radiohead: as novas expressões do rock'n'roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Zambarda de Araújo, Fonte: Bola da Foca
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Pancadas, não meras palhetadas, em uma guitarra Fender, modelo Jaguar. Uma mensagem que vai muito além de suas rimas fáceis, que clama por uma geração superficial - no melhor estilo "Geração Coca-Cola", refrão marcante do Legião Urbana - contrasta com urros inconformados. Nem Cobain e nem o Nirvana sabiam que "Smells Like Teen Spirit" faria o grito que fez em 1991, muito além do álbum em que saiu, o sucesso comercial "Nevermind". Tocada em todas as rádios, esse rock, que chega ao peso inclusive de bandas mais antigas, lendárias nos anos 1970 e 1980, tratou de iniciar uma pequena evolução nos temas tratados nesse gênero musical. Saindo das temáticas utópicas ou dos casos de amor, vulgarmente chamadas de "músicas de dor-de-cotovelo", "Teen Spirit" começou a tratar de temas urbanos, juntamente com todo o movimento grunge de Seattle, mas sem cair em formas menos agressivas.

5000 acessosBlend Guitar: os dez solos de guitarra mais fáceis da história5000 acessosKing Diamond: o "Rei Satânico"

Essa música despertou o asco de seu autor, Kurt, e aos poucos foi se perdendo na obra inteira da banda. Asco por ser comercial? Talvez sim. A verdade, bem verdade, é que o "último" Nirvana, aquele do álbum "In Utero", já não eram mais as "Pancadas" - eles se tornaram um vocalista que não cantava muito bem e tentava fazer acústico, entre uma e outra tentativa de suicídio pelos excessos da heroína, um baixista que parou no tempo e um baterista que tinha constantes brigas com o restante da banda. Virou "obra autobiográfica de Kurt Cobain", para o desespero de David Gohl.

Saindo da terra de Jimi Hendrix e indo até a pacata cidade de Oxford, Inglaterra, uma banda surgia nos moldes do grunge norte-americano. O que as pessoas não sabiam é que, dentro desse estereótipo, ela escondia muito mais coisa. "Pablo Honey" do Radiohead fez um sucesso expressivo na MTV, mas ainda com uma balada melosa e excessivamente depressiva: "Creep" ganhou a alcunha de "hino loser" em 1993. A trupe de Thom Yorke foi bem mais tímida em seu começo, embora boas composições já fossem visíveis em "Anyone can play guitar", uma letra que brinca muito com Jim Morrison e cabeludos em geral, e a explosiva "You".

Por que, então, estou ligando bandas com histórias tão distintas? Porque, muito provavelmente, a inconformidade de "Smells Like Teen Spirit" pode ser vista nos CDs seguintes do Radiohead. É uma tese sem muitos argumentos visíveis (ou até plausíveis, diriam alguns leitores desse texto), mas que talvez seja facilmente compreensível pelo significado do trabalho das duas bandas, embora uma delas tenha se perdido na proposta (o Nirvana, no caso).

Em 1995, a distorção e a microfonia do Radiohead assumiriam proporções adultas em "The Bends", com uma das mais densas "canções-para-comercial-de-TV". "Fake Plastic Trees" era o nome dessa obra-prima, que coloca a vida artificial como tema principal, escondida sobre uma melodia melancólica, porém suave. Um acústico despretensioso que esconde uma letra que fere, que machuca por ser tão real. Vivemos "amores de plástico", "mundos de plástico", com um "cirurgião de garotas de 18 anos". No entanto, "a gravidade sempre vence".

Nem preciso falar de 1997. O CD "Ok Computer" mereceria vários comentários e posts somente para si. De "Paranoid Android" até "Fitter, Happier", a banda não dá descanso em suas críticas a uma sociedade praticamente desumana. Radiohead não trava seu processo criativo nesses trabalhos, e desagua até em uma melancolia aparentemente feliz, como em "In Rainbows", lançado no começo deste ano.

Desta forma, esta crônica só pretende mostrar algumas das novas mensagens vinculadas ao rock. Você pode dizer que há bandas de alguns anos e meses (infelizmente o Strokes se encaixa nessa categoria), pode dizer que há o revival idiota do emocore (My Chemical Romance?), mas não pode negar que, muito além disso, se superou as mensagens hippies ou dos movimentos proletários dos anos 1970, ou até mesmo o mercantilismo estravagante dos 80. Você ainda tem a opção, dentro do seu Ipod, de reviver clássicos do Black Sabbath, Van Halen ou Deep Purple, mas não pode negar que Radiohead faz o dever de casa incitando ações sociais, fazendo letras reflexivas ou combatendo os males ao meio ambiente (eles não viajam mais de avião em turnês).

Isso tudo começado em pancadas. Talvez tenha começado antes mesmo do Nirvana (e certamente começou, dos Beatles "mais caretas" até o extremo punk do Sex Pistols ou o próprio hardcore subseqüênte). Mas o que importa, nesta crônica, é que as grandes mensagens se escondem, muitas vezes, naquilo que não gostamos tanto, contrariando Kurt ou os amantes desmiolados do heavy metal. Talvez esteja na "má música moderninha".

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Blend GuitarBlend Guitar
Os dez solos de guitarra mais fáceis da história

306 acessosMarcos de Ros: Dia do Rock é assim - Nirvana, Smells Like Shred!1534 acessosNirvana: entrevistas em vídeo no Brasil surgem completas433 acessosKurt Cobain: outros insights a partir de algumas de suas pinturas1691 acessosNirvana: vídeo raro de 1988, com Dale Crover na bateria, surge0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nirvana"

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Versões inusitadas da clássica "Sweet Home Alabama"

Hard Rock e MetalHard Rock e Metal
Os vinte discos mais vendidos nos EUA

Kurt CobainKurt Cobain
Frances revela o que o faria chorar se ele estivesse vivo

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Nirvana"0 acessosTodas as matérias sobre "Radiohead"

King DiamondKing Diamond
Ele é satanista, e não meramente marqueteiro

Steven TylerSteven Tyler
"Minha primeira vez foi aos 7 anos, com gêmeas!"

RoadrunnerRoadrunner
Assista os dez melhores vídeo-clipes da gravadora

5000 acessosAlice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?5000 acessosSebastian Bach: descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo5000 acessosIron Maiden: a fotografia de "The Final Frontier"5000 acessosMetallica: "One" fez a ponte entre o Venom e eles4148 acessosScreaming Lord Sutch & the Savages5000 acessosLed Zeppelin: sexo explícito na entrega de discos de ouro em 1973

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online