Matérias Mais Lidas

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemVocalista do Greta Van Fleet não entende os haters: "parece a p**** de uma religião"

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemGene Simmons compartilha tweet com meme da ex-presidente Dilma Rousseff

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemEvanescence coloca baixista no cargo de guitarrista e anuncia nova baixista

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemThe Offspring: Soco de faca, brinde milionário e outras histórias

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemMetallica divulga vídeo oficial da clássica "For Whom The Bell Tolls" ao vivo em SP


Ingleses do The Cure narram a história do pós-punk

Fonte: Folha Ilustrada
Em 27/02/04

BRUNO YUTAKA SAITO
da Folha de S.Paulo

Quando fala-se em revoluções recentes na música pop, estilos como o punk rock e a eletrônica são lembrados de imediato. Aqueles que ficam no meio do caminho têm seu valor relativizado com o passar do tempo.

O grupo inglês The Cure é um desses casos. O lançamento da caixa de CDs "Join the Dots" põe em evidência um dos grupos mais criativos e influentes que surgiram na esteira do punk na Inglaterra, em fins dos anos 70.

Na época, grupos-símbolos do estilo, como Sex Pistols, já eram devorados pela indústria cultural e geravam inúmeras cópias. A geração seguinte embarcava, grosso modo, em duas vertentes distintas. Havia o lado pop do punk --que desembocou na new wave; outros, mantiveram seu lado sombrio e "sem futuro", no que resultou no gótico.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

O Cure, na primeira metade dos anos 80, tornou-se um dos principais nomes dessa geração --ao lado de grupos como Siouxsie and the Banshees e Bauhaus.

"Join the Dots" é composto por quatro CDs --com todos os lados B de singles e raridades, abarcando o período 1978-2001 (toda a carreira do Cure até o momento em 70 músicas)-- e um livro contando a história de cada faixa.

A primeira vem de 1978, quando o Cure lançou o single "Killing an Arab", que trazia como lado B "10:15 Saturday Night" (presente nesta caixa). "A primeira coisa que sempre fazia quando pegava um novo single era virá-lo e ouvir o outro lado. Sempre tinha a expectativa de que o lado B fosse me dar uma nova versão do artista, algo tão bom quanto o lado A, mas de alguma forma diferente. Esperava grandes lados B dos artistas que eu amava", diz Smith no livro que acompanha a caixa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A estréia do Cure não aconteceria sem a ajuda de Chris Parry, funcionário da Polydor na época. A gravadora já havia cometido dois erros históricos ao não assinar com Sex Pistols e The Clash, ambas sugestões de Parry.

Claro que ele procurava mais um grupo de mesmo potencial no meio da enxurrada de fitas demo que recebia. E foi ao ouvir "10:15" que ele encontrou "a" banda.

A gravadora, no entanto, viu mais potencial em "Killing", que tornou-se o lado A. Para Smith, "10:15" --canção sobre tédio e espera num sábado à noite, com guitarras e vocais simulando o barulho de água de uma torneira pingando-- era tão emblemática que seria o caso de lançarem um single com dois lados A.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O material mais rico (1978-87) está no primeiro CD. Essas músicas chegaram a circular nos anos 80 em concorridas versões para fitas cassetes da coletânea "Standing on a Beach" (86). Já nos anos 90, o mercado pirata também abocanhou essas músicas. Smith não mente quando fala de seu apreço pelos lados B --muitos superam as canções principais em termos de inventividade.

Há, por exemplo, "Splintered in Her Head" (81), lado B de "Charlotte Sometimes". No Brasil, foi usada como música-tema da abertura do programa de entrevistas "Roda Viva" (TV Cultura), durante os anos 80. A caixa também mostra o Cure aventurando-se no terreno dos covers: "Purple Haze" (Jimi Hendrix), em versão fiel --e inédita-- e em versão eletrônica; "Hello I Love You" (Doors), "Young Americans" (David Bowie), e "World in My Eyes" (Depeche Mode).

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

A coleção surge num momento em que novas bandas de rock, como Hot Hot Heat (Canadá) e Rapture (EUA), retomam itens caros ao Cure, como o vocal agudo e anasalado; as canções anticonvencionais, quase bizarras, que aliam as maiores tolices pop com uma tensão sombria; e as guitarras e linhas de baixo que primam pela simplicidade. Em outra ponta, "Lovecats" (1984), um dos maiores hits-- da banda, retorna em versão híbrida para as pistas de dança com a diva black Missy Elliot, e em cover no álbum "Vulnerable", de Tricky. Ao mesmo tempo, o criador da banda, Robert Smith, tem recebido (e aceitado) convites para cantar em discos alheios. Blink 182, Junkie XL, Blank & Jones são alguns da lista. É o retorno dos lábios de batom borrado.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sexta-feira 13: treze músicas para escutar nesta data