Van Halen: entrevista com Eddie no Smithsonian

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Lokaos Rock Show
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 26/05/11. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


Em 1975, Eddie Van Halen percebeu que não existia uma guitarra que tivesse as características que ele precisava para criar seu som próprio. Então ele fez sua própria guitarra.
1664 acessosVan Halen: Simplesmente "FUCK"5000 acessosLed Zeppelin: "Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?

Ninguém tinha visto – ou ouvido – nada parecido com aquilo antes. Originalmente listrada em preto e branco, o visual foi imediatamente copiado por outros mediante a ascensão inicial do VAN HALEN ao sucesso, o que fez com que Eddie a deixasse sobre a prateleira por um curto período de tempo; ele depois refez a pintura com listras vermelhas, pretas e brancas com tinta de bicicleta, e o resto é, de fato, história.

Os fãs apelidaram a criação customizada de “Frankenstein”, ou “Frankenstrat” «e até mesmo “Frank 1”».

A “Frankenstein” representava a tentativa de Eddie em combinar o som de uma guitarra Gibson clássica com os atributos físicos de uma Fender. A guitarra custou US$ 130 para Eddie fazer; agora vale mais de um milhão de dólares, mas na verdade, o instrumento único não tem preço.

Depois de anos de turnês, “Frank 1” foi aposentada, por uma série de razões, uma vez que Eddie entrou numa era das parcerias com vários fabricantes de guitarra.

Em 2006, a Fender aliou-se a Eddie para criar a “Frankenstein Replica”, ou “Frank 2”, uma réplica criada pelo célebre luthier de guitarras Chip Ellis. A Fender lançou uma edição limitada da “Frank 2” em 2007, que custava US$25 mil cada «nos EUA, sem impostos».

Em fevereiro de 2011, o Museu Nacional Smithsonian de História Americana anunciou que tinha adquirido uma guitarra “Frank 2” do Van Halen através de uma parceria de doações com a Fender. A guitarra será parte da Divisão de Cultura e artes do museu, que preserva uma grande e diversificada coleção de instrumentos.

A revista do Smithsonian falou recentemente com Eddie via email sobre sua decisão de abrir mão de sua amada guitarra.

Smithsonian: Você doou uma Frankenstein 2 para o Smithsonian, mas conte-nos sobre a Frankenstein original.

EVH: A Frankenstein original foi um resultado de meus experimentos com diferentes elementos com guitarras elétricas que eu gostava. O lance foi que algumas guitarras tinham elementos que eu gostava, mas ao mesmo tempo tinham certos elementos que não me diziam nada. Se eu pudesse combinar aqueles elementos em uma única guitarra, então eu teria um instrumento que me habilitaria criar e tocar o que eu ouvia em minha cabeça sem qualquer restrição.

Smithsonian: Você disse que odiava guitarras “compradas em loja, tiradas da parede”, porque elas não fariam o que você queria que elas fizessem. O que você queria de sua guitarra?

EVH: Eu queria a parte eletrônica (captadores do tipo humbucking) da guitarra de um fabricante, enquanto eu preferia o corpo, o braço e a ponta da guitarra de outro fabricante.

Smithsonian: E como você conseguiu isso?

EVH: Eu combinei os 4 elementos na Frankenstein, o que resultou numa guitarra que fazia o que eu queria que ela fizesse, mais do que qualquer coisa que eu já tivesse tocado antes. Além disso, eu criei um instrumento que não foi oferecido como uma guitarra “de loja” por qualquer fabricante na época.

A entrevista na íntegra pode ser lida no site do LoKaos Rock Show (link abaixo).

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Van HalenVan Halen
Em "5150", uma banda mais compacta e divertida

1664 acessosVan Halen: Simplesmente "FUCK"480 acessosLoudwire: em vídeo, 10 maiores riffs de metal dos anos setenta0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Van Halen"

Van HalenVan Halen
A capa "punk" do primeiro álbum que a banda rejeitou

NoiseCreepNoiseCreep
Os 10 frontmen mais teatrais do rock

ListedListed
TV americana elege os maiores bad boys da música

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Van Halen"

Led ZeppelinLed Zeppelin
"Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?

LobãoLobão
Titãs é uma "bandinha chechelenta"

Black MetalBlack Metal
O cotidiano fascinante dos fãs adolescentes

5000 acessosDeep Purple: a contestada entrevista na Globo em 20065000 acessosMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas5000 acessosJudas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal5000 acessosSystem Of a Down: Impressionante versão de "Aerials" com cello5000 acessosGuns N' Roses: como era a dura vida na estrada em 19875000 acessosAC/DC: empresário recorda exigências inusitadas da banda

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online