Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemMax Cavalera diz que Igor merece mais crédito entre os bateristas mundiais

imagemBrian May revela o inesperado álbum do Queen que é o seu favorito

imagemQuem Glenn Hughes considera digno de substituí-lo como "a voz do rock"

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum


Eric Singer: "o Kiss transcende gerações e toca as pessoas"

Por Nathália Plá
Fonte: Blabbermouth.net
Em 05/06/11

Marc McLaughlin, do Sacramento Press, entrevistou recentemente o baterista do KISS Eric Singer. Seguem alguns trechos da conversa.

Sacramento Press: Qual a sensação de fazer parte de uma banda tão icônica?

Eric Singer: Apesar de eu não ser um membro original, realmente é uma sensação incrível. Essa é uma banda que as pessoas reconhecem conheçam ou não a música. A banda é conhecida no mundo inteiro; quando viajamos para a Europa, é incrível o tanto de gente que vêm nos ver. Estar com pessoas como Gene Simmons and Paul Stanley, dois membros originais, (faz você) entender que essa banda transcende gerações e realmente toca as pessoas. Bem, no fim das contas, seu público é o que te ajuda a te colocar em uma posição positiva. Sem uma base de fãs, você não tem nada; contudo, você tem de se manter ali fazendo música, o show e as performances. Eu sempre digo às pessoas "Você vota através de participação na vida". Se alguém decide que não gosta do produto, serviço ou da forma como é tratado, esse alguém vai parar de adquirir o produto. Eventualmente, a empresa terá de redesenhá-lo ou vir com um novo produto para manter sua clientela. Isso é verdadeiro para qualquer coisa, então suas ações e seu trabalho precisam estar no alvo para te manter no negócio.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Sacramento Press: Falando nisso, qual a sensação agora que a banda está experimentando emergir novamente na indústria da música?

Eric Singer: Toda banda passa por seus altos e baixos e seu apoio vem em ondas, então é normal para nós. É bom, apesar de tudo, ver que as pessoas ainda querem estar a nosso redor e vir ver essa banda icônica. Seja onde você tiver gente que apóia o que você faz, isso é bom e nós apoiamos muito isso. Sem nossos fãs nós não estaríamos aqui, e saber que eles nos apóiam é o maior elogio de todos.

Sacramento Press: O KISS é conhecido por sua maquiagem. Como é estar ali e ter ela aplicada em você – isso se torna um papel que você vai representar no qual você vai incorporando ou apenas mais uma coisa que tem de ser feita?

Eric Singer: Sim, a maquiagem é algo que nos faz ser conhecidos mais do que qualquer outra coisa. Alguns conhecem o "monstro" enquanto outros conhecem a "estrela". É tudo parte de quem somos. Por causa disso, o processo é algo que não pode ser explicado. Leva algumas horas para ficar pronto e a maquiagem é um segredo bem guardado. Quando eu comecei a fazer pela primeira vez, foi uma sensação estranha tomar aquele papel; tornar algo tão conhecido, tão icônico. Mesmo após todo esse tempo, ainda é a mesma coisa. Você se torna parte de um personagem e você usa isso para entreter os fãs. Mesmo com essas entrevistas, é parte do que fazemos. Para isso nós tomamos o vôo mais cedo para podermos passar mais tempo com a imprensa. Sabe, o Gene e o Paul têm feito isso desde o começo e eles ainda percorrem aquela milha extra e falam com as pessoas quando são solicitados. Isso é parte do que faz a banda ser o que é. A ética profissional é muito elevada e é uma parte importante do que fazemos. Todos fazem sua parte para manter as coisas seguindo em frente. Muitas bandas de níveis mais baixos não dedicam seu tempo e isso é parte da razão por que nossa base de fãs é tão profunda e nos apóia tanto.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Leia a entrevista na íntegra (em inglês) no Sacramento Press:
http://www.sacramentopress.com/headline/51388/WALK_N_ROCK_FOR_HOPE_WITH_KISS

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá.